Esta montanha de lixo tem 62 metros de altura e não faz mal só a quem mora ali ao lado - TVI

Esta montanha de lixo tem 62 metros de altura e não faz mal só a quem mora ali ao lado

  • CNN
  • Vedika Sud, Rhea Mogul, Rishabh Pratap e Arpit Goel
  • 24 dez 2022, 22:00
Índia

No aterro de Bhalswa, no noroeste de Deli, um fluxo constante de jipes sobe em ziguezagues a montanha de lixo para despejar ainda mais lixo numa pilha agora com mais de 62 metros de altura.

Esporadicamente deflagram incêndios causados pelo calor e por gás metano– o Departamento de Bombeiros de Deli já respondeu a 14 incêndios até agora este ano – e alguns no fundo da pilha podem arder durante semanas ou meses, enquanto homens, mulheres e crianças trabalham nas proximidades, vasculhando o lixo para encontrar produtos para vender.

Alguns dos 200.000 residentes que vivem em Bhalswa dizem que a área é inabitável, mas não podem dar-se ao luxo de mudar e não têm escolha além de respirar o ar tóxico e tomar banho na água contaminada.

Bhalswa não é o maior aterro de Deli. É cerca de três metros mais baixo que o maior, Ghazipur, e ambos contribuem para a produção total de gás metano no país.

O metano é o segundo gás com efeito de estufa mais abundante após o dióxido de carbono, mas um fator mais potente para a crise climática porque o metano aprisiona mais calor. A Índia cria mais metano a partir de aterros do que qualquer outro país, de acordo com o GHGSat, que monitoriza o metano através de satélites.

E a Índia é o segundo país, atrás da China, que mais contribui para o total das emissões de metano, de acordo com o Global Methane Tracker da Agência Internacional de Energia (AIE).

Integrada na sua iniciativa "Índia Limpa", o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, disse que estão a ser feitos esforços para remover estas montanhas de lixo e convertê-las em zonas verdes. Esse objetivo, se alcançado, poderia aliviar parte do sofrimento dos residentes que vivem nas imediações destes locais de despejo – e ajudar o mundo a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa.

A Índia quer reduzir a sua produção de metano, mas não se juntou aos 130 países que subscreveram o Compromisso Global de Metano, um pacto para reduzir coletivamente as emissões globais de metano em pelo menos 30% a partir dos níveis de 2020 até 2030. Os cientistas estimam que a redução possa diminuir o aumento da temperatura global em 0,2% – e ajudar o mundo a alcançar o seu objetivo de manter o aquecimento global abaixo dos 1,5 graus Celsius.

A Índia diz que não adere porque a maioria das suas emissões de metano provém da agricultura – cerca de 74% de animais de quinta e de campos de arroz contra menos de 15% de aterros.

Num comunicado no ano passado, o Ministro de Estado do Ambiente, Florestas e Alterações Climáticas, Ashwini Choubey, declarou que comprometer-se a reduzir a produção total de metano da Índia poderia pôr em causa o sustento dos agricultores e afetar as perspetivas comerciais e económicas da Índia.

Mas também enfrenta desafios na redução do metano das suas pilhas de lixo fumegantes.

Um rapaz nas ruas estreitas de bairros de lata em Bhalswa Dairy Village.
Rishabh Pratap/CNN

"Aqui estamos, sem melhorias"

Quando Narayan Choudhary, de 72 anos, se mudou para Bhalswa em 1982, disse que era um "local bonito", mas tudo mudou 12 anos depois quando o primeiro lixo começou a chegar ao aterro local.

Nos anos seguintes, a lixeira de Bhalswa cresceu quase tanto em altura quanto o histórico Taj Mahal, tornando-se um marco por si só e uma monstruosidade que se eleva sobre as casas circundantes, afetando a saúde das pessoas que lá vivem.

Choudhary sofre de asma crónica. Disse que quase morreu quando um grande incêndio deflagrou em Bhalswa, em abril, que ardeu dias a fio. "Eu estava em muito mau estado. Tinha a cara e o nariz inchados. Estava à beira da morte", disse.

"Há dois anos protestámos... muitos moradores desta área protestaram (para se livrarem dos resíduos)", disse Choudhary. "Mas a autarquia não colaborou connosco. Asseguraram-nos que as coisas vão melhorar daqui a dois anos, mas cá estamos, sem melhorias."

O local de despejo esgotou a sua capacidade em 2002, de acordo com um relatório de 2020 sobre os aterros sanitários da Índia do Centro de Ciência e Ambiente (CSE), uma agência de investigação sem fins lucrativos em Nova Deli, mas sem uma regulamentação governamental dos sistemas de reciclagem e maiores esforços da indústria para reduzir o consumo e produção de plástico, continuam a chegar diariamente ao local toneladas de lixo.

Estradas estreitas de um bairro de lata em Bhalswa Dairy Village.
Rishabh Pratap/CNN

Bhalswa não é o único depósito que causa angústia aos residentes nas proximidades – é um dos três aterros de Deli, transbordando de resíduos em decomposição e emitindo gases tóxicos para a atmosfera.

Em todo o país, há mais de 3100 aterros. Ghazipur é o maior de Deli, com 65 metros de altura e, tal como Bhalswa, ultrapassou a sua capacidade de receber resíduos em 2002 e produz atualmente enormes quantidades de metano.

Segundo o GHGSat, num único dia de março, mais de duas toneladas métricas de gás metano vazavam do local a cada hora.

"Se for mantida durante um ano, a fuga de metano deste aterro teria o mesmo impacto climático que as emissões anuais de 350.000 carros dos EUA", disse o CEO da GHGSat, Stephane Germain.

Toxinas perigosas nos lençóis freáticos

As emissões de metano não são o único perigo que provém de aterros como Bhalswa e Ghazipur. Ao longo de décadas, infiltraram-se no solo toxinas perigosas, poluindo o abastecimento de água a milhares de residentes que vivem nas proximidades.

Em maio, a CNN contratou dois laboratórios acreditados para testar os lençóis freáticos em torno do aterro de Bhalswa. E de acordo com os resultados, os lençóis freáticos num raio de pelo menos 500 metros em torno do local de resíduos estão contaminados.

Uma amostra de lençóis freáticos do aterro de Bhalswa no noroeste de Deli.
Vedika Sud/CNN

No primeiro relatório laboratorial, os níveis de amoníaco e sulfato foram significativamente superiores aos limites aceitáveis exigidos pelo Governo indiano.

Os resultados do segundo relatório do laboratório mostraram que os níveis totais de sólidos dissolvidos (TDS) – a quantidade de sais inorgânicos e matéria orgânica dissolvidos na água – detetados numa das amostras era quase 19 vezes o limite aceitável, tornando-o inseguro para o consumo humano.

O Bureau of Indian Standards estabelece o limite aceitável de TDS em 500 miligramas/litro, um valor considerado grosso modo "bom" pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Qualquer coisa acima de 900 mg/l é considerada "má" pela OMS, e mais de 1200 mg/l é "inaceitável".

De acordo com Richa Singh, do Centro de Ciência e Ambiente (CSE), os TDS de água recolhidos perto do sítio de Bhalswa estavam entre 3000 e 4000 mg/l. "Esta água não só é imprópria para beber, como também é imprópria para o contacto com a pele", disse. "Portanto, não pode ser usada para fins como banho, lavagem de utensílios ou lavagem de roupa."

 

Nitesh Rohatgi, diretor sénior de oncologia médica do Fortis Memorial Research Institute, em Gurugram, instou o Governo a estudar a saúde da população local e compará-la com outras áreas da cidade, "para que daqui a 15 a 20 anos, não estejamos a olhar para trás e a lamentar que tenhamos tido uma maior incidência de cancro, riscos mais elevados para a saúde, problemas de saúde mais elevados e não olhámos para trás corrigindo-os a tempo."

A maioria dos residentes de Bhalswa depende de água engarrafada para beber, mas usa água local para outros fins – muitos dizem que não têm alternativas.

"A água que temos está contaminada, mas temos de a armazenar e usá-la irremediavelmente para lavar utensílios, tomar banho e, por vezes, beber também", disse a residente Sonia Bibi, cujas pernas estão cobertas por uma espessa erupção cutânea.

Jwala Prashad, de 87 anos, que vive numa pequena cabana num beco perto do aterro, disse que a pilha de lixo pútrido tornou a sua vida "um inferno".

"A água que usamos é avermelhada. Sinto a pele queimada depois de tomar banho", disse, enquanto tentava aliviar as feridas encarniçadas no rosto e no pescoço.

"Mas não posso dar-me ao luxo de sair daqui", acrescentou.

Jwala Prashad, de 87 anos, na bomba manual em frente da sua casa em Bhalswa Dairy Village.
Rishabh Pratap/CNN

Mais de 2300 toneladas de Resíduos Sólidos Urbanos chegam todos os dias ao maior depósito de lixo de Deli em Ghazipur, de acordo com um relatório divulgado em julho por uma comissão conjunta criada para encontrar uma forma de reduzir o número de incêndios no local.

Esta é a maior parte dos resíduos da área circundante – apenas 300 toneladas são processadas e eliminadas por outros meios, refere o relatório. E menos de 7% dos resíduos tinham sido descartados de forma biológica, o que envolve escavações, tratamento e potencialmente a reutilização de lixo velho.

A Corporação Municipal de Deli usa drones de três em três meses para monitorizar o tamanho da pilha de lixo e está a experimentar formas de extrair metano da montanha de lixo, diz o relatório.

Mas todos os dias chega muito lixo para acompanhar. A comissão disse que a lixiviação bacteriana era "lenta e tardia" e que era "altamente improvável" que a East Delhi Municipal Corporation (que agora se fundiu com as Corporações Municipais de Deli do Norte e do Sul) atingisse o seu objetivo de "diminuir a montanha do lixo" até 2024.

"Não foram traçados planos eficazes para reduzir a altura da montanha do lixo", diz o relatório. Além disso, "já devia ter-se previsto há muito tempo que o futuro despejo de lixo neles poluiria os sistemas de águas subterrâneas", acrescenta o relatório.

A CNN enviou uma série de perguntas, juntamente com os dados do questionário de testes de água aos Ministérios do Ambiente e da Saúde da Índia. Não houve resposta dos ministérios.

Num relatório de 2019, o Governo indiano recomendou formas de melhorar a gestão de resíduos sólidos do país, incluindo a formalização do setor da reciclagem e a instalação de mais centrais de compostagem no país.

Embora tenham sido introduzidas algumas melhorias, como uma melhor recolha de lixo porta-a-porta e processamento de resíduos, os aterros de Deli continuam a acumular resíduos.

Em outubro, o Tribunal Nacional Verde multou o Governo em mais de 100 milhões de dólares por não ter eliminado mais de 30 milhões de toneladas de resíduos nos seus três aterros.

"O problema é que Deli não tem um plano de ação concreto de resíduos sólidos em vigor", disse Singh, da CSE. "Estamos aqui a falar de reparação de locais de despejo e de tratamento de resíduos sólidos, mas imaginem os resíduos frescos que são gerados regularmente. Tudo isso é despejado todos os dias nestes aterros."

"(Então) digamos que está a tratar 1000 toneladas de legado (resíduos sólidos) e está a despejar 2000 toneladas de resíduos frescos todos os dias, tornando-se um círculo vicioso. Será um processo interminável", disse Singh.

"A gestão de resíduos sólidos, é claro, é mandatada pelo Governo e é muito, muito importante. Mas não se pode começar o processo sem ter uma instalação alternativa para resíduos frescos. Portanto, este é o maior desafio."

Continue a ler esta notícia