Inflação na zona euro recua em janeiro pelo terceiro mês e fixa-se nos 8,6% - TVI

Inflação na zona euro recua em janeiro pelo terceiro mês e fixa-se nos 8,6%

  • Agência Lusa
  • AM
  • 23 fev 2023, 11:29
Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) já começou a reembolsar os contribuintes. (Pexels)

Eurostat nota que, na comparação com dezembro, a taxa de inflação homóloga recuou em janeiro em 18 Estados-membros, tendo aumentado nos restantes nove

A taxa de inflação homóloga da zona euro recuou para os 8,6% em janeiro, enquanto na União Europeia desacelerou para os 10,0%, de acordo com os dados divulgados esta quinta-feira pelo gabinete oficial de estatísticas europeu.

Segundo o Eurostat, a taxa de inflação homóloga de 8,6% em janeiro no espaço da moeda única – ligeiramente acima dos 8,5% avançados na estimativa ‘flash’ publicada no início deste mês – compara com 9,2% em dezembro de 2022, sendo este o terceiro recuo consecutivo após 17 meses de aumentos sucessivos. Um ano antes, a taxa era de 5,1%.

No conjunto dos 27 Estados-membros, a taxa de 10,0% no primeiro mês do corrente ano compara com a taxa de inflação de 10,4% registada em dezembro e com os 5,6% de janeiro de 2022.

O Eurostat nota que, na comparação com dezembro, a taxa de inflação homóloga – medida pelo índice harmonizado de preços no consumidor (IHPC) – recuou em janeiro em 18 Estados-membros, tendo aumentado nos restantes nove.

Portugal foi um dos países a registar um novo recuo, pelo terceiro mês consecutivo, com o indicador a baixar para os 8,6% - precisamente em linha com a média da zona euro -, face aos 9,8% de dezembro passado (em janeiro do ano passado era de 3,4%).

As taxas de inflação anual mais baixas foram registadas no Luxemburgo (5,8%), Espanha (5,9%), Chipre e Malta (ambos com 6,8%), enquanto as mais elevadas foram observadas na Hungria (26,2%), Letónia (21,4%) e República Checa (19,1%).

A maior contribuição para a taxa de inflação anual da zona euro proveio do setor da alimentação, álcool e tabaco (2,94 pontos percentuais – p.p.), seguido pelos da energia (2,17 p.p.), dos serviços (1,80 p.p.) e dos bens industriais não energéticos (1,73 p.p.).

A taxa de inflação na zona euro começou a acelerar desde junho de 2021, principalmente devido à subida dos preços da energia, e atingiu valores recorde desde novembro de 2021, registando um pico de 10,6% em outubro de 2022, com o primeiro recuo a ser registado em novembro passado, seguido de novos recuos em dezembro e janeiro deste ano.

O IHPC mede a inflação numa base comparável entre os países da UE, pelo que se apresentam os dados para estes países, bem como para o conjunto da área do euro e da UE.

Continue a ler esta notícia