Empresa japonesa falha missão para pousar nave na Lua - TVI

Empresa japonesa falha missão para pousar nave na Lua

  • Agência Lusa
  • AM
  • 26 abr 2023, 08:08
Nave Hakuto-R (EPA)

Se a nave tivesse aterrado, a empresa seria a responsável pelo primeiro projeto privado a conseguir realizar uma aterragem lunar

A empresa privada japonesa Ispace anunciou esta quarta-feira o fracasso da missão de aterrar na Lua, depois de ter perdido contacto com a nave, que provavelmente se despenhou no solo lunar.

“Há uma elevada probabilidade de o módulo de pouso 'Lunar Lander' ter feito eventualmente uma alunagem forçada na superfície da Lua”, disse a Ispace, num comunicado.

“Não temos planos para retomar a alunagem”, admitiu o diretor executivo e fundador da 'start-up', Takeshi Hakamada, mais de seis horas depois de a Ispace ter perdido contacto com a nave Hakuto-R.

A nave japonesa deixou de ter contacto com o centro de controlo que a guiava a partir de Tóquio, e os controladores de voo que acompanhavam o trajeto ficaram sem qualquer comunicação.

A missão devia ter chegado ao destino às 15:41 de domingo, em Lisboa, de acordo com a contagem decrescente, vista na transmissão ao vivo que a empresa japonesa fez do início do processo de aterragem.

A nave começou a descer de uma altitude de 100 quilómetros acima da Lua e estava programada para aterrar em Atlas, uma cratera de 87 quilómetros no hemisfério norte lunar, e foi já durante o processo para a aterragem que o contacto se perdeu.

Se a nave tivesse aterrado, a empresa seria a responsável pelo primeiro projeto privado a conseguir realizar uma aterragem lunar.

Apenas três projetos estatais, da Rússia, dos Estados Unidos e da China, conseguiram até à data pousar na Lua.

Em 2019, uma organização sem fins lucrativos israelita tentou fazê-lo, mas a nave espacial foi destruída com o impacto.

Fundada em 2010, a Ispace define-se como uma "empresa global" cuja visão é "expandir o planeta" e "expandir o futuro", com base em ações concretas como a oferta de serviços de transporte entre a Terra e a Lua.

A empresa tem escritórios no Japão, no Luxemburgo e nos Estados Unidos, e desenvolve projetos conjuntos com a agência espacial norte-americana (NASA) e com a Agência Espacial Europeia.

Continue a ler esta notícia