Jacques Rodrigues sai em liberdade com caução de 500 mil euros - TVI

Jacques Rodrigues sai em liberdade com caução de 500 mil euros

  • Henrique Machado
  • 27 mar 2023, 17:05

Decisão justificada com "perigo de fuga, perigo para a aquisição e conservação de prova e perigo de continuação da atividade criminosa"

Relacionados

O dono do grupo Impala foi libertado na tarde desta segunda-feira, depois de ter passado o fim de semana detido na sequência da operação "Última Edição". Ao que a CNN Portugal apurou, Jacques Rodrigues saiu após o pagamento de uma caução no valor de 500 mil euros, ficando proibido de contactar os outros arguidos e de exercer funções no grupo de comunicação social.

O filho do empresário também sai em liberdade, mas pode assumir a direção do grupo Impala. Já o advogado e o revisor oficial de contas que tinham sido detidos no âmbito da mesma operação ficam impedidos de trabalhar no grupo.

A decisão é justificada com "perigo de fuga, perigo para a aquisição e conservação da prova e perigo de continuação da atividade criminosa", ficando Jacques Rodrigues com o passaporte interdito.

Dono de títulos como as revistas Nova Gente, Maria ou TV 7 Dias, Jacques Rodrigues é suspeito de crimes relacionados com a insolvência dolosa de sociedades onde acumulou uma gigantesca fraude na ordem dos 100 milhões de euros para se eximir a dívidas do mesmo valor a credores, repartidas entre trabalhadores das empresas - muitos deles jornalistas das várias publicações - e o Estado. Existem ainda suspeitas relacionadas com corrupção e burla agravada.

Os valores em dívida são públicos há largos anos, tendo em conta os litígios judiciais entre Jacques Rodrigues e muitos dos lesados.

Terá contado para o efeito com cúmplices, alguns dos quais esta manhã também detidos pela Unidade de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária.

O esquema passaria pela manipulação da contabilidade de várias empresas, de forma a ocultar e dissipar capitais devidos aos credores do empresário que há largos anos foi declarado como insolvente a título pessoal, apesar dos elevados sinais exteriores de riqueza.

Continue a ler esta notícia

Relacionados