Ela sonhava defender o Japão. Em vez disso, foi atacada sexualmente pelos seus colegas soldados - TVI

Ela sonhava defender o Japão. Em vez disso, foi atacada sexualmente pelos seus colegas soldados

  • CNN
  • Emiko Jozuka, Marc Stewart, Junko Ogura, Moeri Karasawa e Daniel Campisi
  • 15 jul 2023, 16:00
Rina Gonoi (imagens exclusivas para este artigo CNN)

Instituição militar começou por ignorar denúncias. Revelação pública levou a pedidos de desculpa - de joelhos. Mas é preciso mudança.

Rina Gonoi é uma lutadora.

É-o como ex-militar, como praticante de judo e como mulher que luta em nome de todas as mulheres para chamar à responsabilidade aqueles que abusaram sexualmente dela.

Quando serviu na Força de Auto-Defesa do Japão (FADJ), Gonoi diz ter sofrido abusos sexuais físicos e verbais diariamente durante mais de um ano. Quando deixou a força em junho de 2022, após dois anos de serviço, Gonoi prometeu que levaria os seus algozes à justiça.

No início, as autoridades pareciam não querer acreditar nela. Quando denunciou os alegados abusos às autoridades militares, foram abertos dois inquéritos, mas ambos foram arquivados por falta de provas.

Sem se dar como derrotada, dirigiu-se às estações de televisão. Quando estas a ignoraram, levou a sua batalha para as redes sociais - uma ação rara num país onde os sobreviventes de agressões sexuais podem sofrer represálias por levantarem a voz.

“Queria ajudar outras pessoas que também tinham sido vítimas de assédio sexual [nas FADJ]. Quanto aos agressores, queria um pedido de desculpas e que admitissem o que tinham feito; queria evitar que outras pessoas passassem pelo que eu passei; foi por isso que eu denunciei”, afirmou.

Quando era criança, Gonoi queria ser judoca profissional. Agora, ensina outras mulheres a defenderem-se. Cortesia: Rina Gonoi

A recusa de Gonoi em ser silenciada acabou por levar a uma ampla investigação sobre assédio sexual em todas a FADJ, tendo os procuradores reaberto uma investigação que descobriu que ela havia sofrido assédio sexual físico e verbal diariamente entre o outono de 2020 e agosto de 2021, de acordo com a equipa de defesa de Gonoi.

Estas conclusões resultaram num momento de charneira: uma rara admissão de culpa e um pedido público de desculpas do Ministério da Defesa do Japão, quando o Chefe do Estado-Maior da Força de Autodefesa Terrestre, Yoshihide Yoshida, se curvou profundamente, dizendo: “Em nome das Forças Terrestres de Auto-Defesa, gostaria de apresentar as minhas mais sinceras desculpas à Sra. Gonoi, que está a sofrer há muito tempo. Lamento muito”.

De acordo com a NHK, estação pública de televisão japonesa, em dezembro último, cinco militares foram também exonerados sem honra e outros quatro foram punidos. Gonoi disse ainda que recebeu desculpas pessoais de vários oficiais.

Mas isso não é suficiente, segundo ela, que está agora a intentar ações penais e civis nos tribunais. No início do ano, interpôs ações judiciais contra o Governo e os alegados agressores - três dos quais foram indiciados em março sob a acusação de terem agredido sexualmente Gonoi. No processo penal, e até à data, nem os arguidos nem os seus advogados prestaram declarações. Os procuradores públicos do Japão não divulgaram informações sobre o caso e não responderam ao pedido de comentário da CNN. No processo civil, quatro dos cinco acusados negaram recentemente os abusos sexuais, enquanto um quinto tenha admitido a acusação.

O Estado respondeu dizendo que o assédio “não pode ser tolerado”, mas ainda não comentou a ação judicial de Gonoi.

Independentemente do desfecho destas ações judiciais, Gonoi acredita que há uma batalha maior a travar contra o que considera ser uma cultura de assédio sexual nas forças armadas, dominadas pelos homens.

Rina Gonoi, ex-membro da Força de Auto-Defesa Terrestre do Japão, vê fotografias antigas no seu telemóvel. Philip Fong/AFP/Getty Images

Denunciar publicamente

As dificuldades do Japão em matéria de desigualdade de género, que foram postas em evidência durante a campanha #MeToo, estão bem documentadas. O país ocupa o último lugar entre todas as nações do G7 e o 116º lugar entre 146 países no índice de desigualdade de género do Fórum Económico Mundial.

Mas é provável que a experiência de Gonoi seja particularmente prejudicial para as FADJ, que se esforçaram muito por promover a imagem de instituição que promove a igualdade de género.

Fumika Sato, socióloga da Universidade de Hitotsubashi, disse que muitas mulheres optam por se alistar nas forças armadas porque consideram que estas oferecem mais segurança no emprego e mais igualdade de género do que o sector privado.

“As mulheres escolhem a FADJ porque pensam que é uma organização que reconhece as suas capacidades de forma justa. É muito raro ouvir que elas se alistaram para proteger o país por um sentimento de defesa nacional”, disse Sato.

Gonoi, por exemplo, juntou-se às forças terrestres em abril de 2020, vendo nisso uma forma de “retribuição”, mas também uma forma de realizar os seus sonhos de treinar como judoca e competir nos Jogos Olímpicos.

Apesar da imagem da FADJ, Sato disse que o assédio sexual dentro das fileiras é um problema que existe há muito tempo, mas que é frequentemente escondido porque as pessoas nas forças armadas têm dificuldade em admitir a sua vulnerabilidade.

“Há uma imagem de que apenas pessoas fortes são consideradas adequadas para a organização, e há a atitude de que aqueles que se dizem vítimas de assédio não têm lugar na organização”, explicou Sato. “Isso faz com que seja difícil para as pessoas falarem.”

Rina Gonoi diz ter sofrido abusos sexuais físicos e verbais quando serviu nas Forças de Autodefesa do Japão. Cortesia de Rina Gonoi

Recrutamento insuficiente

A luta de Rina Gonoi surge no momento em que as FADJ enfrentam um défice de recrutamento, que está a minar os seus esforços para aumentar as suas forças armadas, num contexto de tensões regionais crescentes com a Coreia do Norte e com a China.

No ano passado, o Japão anunciou que iria aumentar o seu orçamento de defesa para 2023 para um valor recorde de 6,8 milhões de milhões de ienes (44 mil milhões de euros), um aumento de 26%, elevando as suas despesas com a defesa para 2% do PIB até 2027.

Os peritos afirmam que atrair um número suficiente de mulheres será fundamental para que Tóquio cumpra os seus objetivos. A FADJ deveria ter um efetivo de cerca de 250 mil militares, mas não tem conseguido atingir os seus objetivos de recrutamento e diz que tem um défice de pessoal de cerca de 16 mil militares - um défice que, segundo os especialistas, tem limitado as suas capacidades operacionais.

A força tem passado anos a tentar encorajar a inscrição de mulheres, em linha com a política “womenomics” do antigo primeiro-ministro Shinzo Abe, destinada a combater os efeitos do envelhecimento da população japonesa e da diminuição da força de trabalho. Em abril de 2015, o Ministério da Defesa lançou uma série de iniciativas em que foram atribuídos fundos para tudo, desde programas de sensibilização para as questões do género até à criação de creches para os filhos dos funcionários das FADJ.

Mas o Japão continua atrás dos seus pares. De acordo com o Ministério da Defesa, em março de 2022 havia 20 mil mulheres na FADJ, compreendendo cerca de 8% da força total da organização, o que ainda está aquém da média da NATO de 12% em 2019. E para atingir esse limiar até 2030, Tóquio precisa de chegar a mais mulheres.

Um porta-voz da Força de Autodefesa Terrestre do Japão disse à CNN: “Acreditamos que a promoção de pessoal feminino da ADJ é importante para garantir pessoal de alta qualidade de forma estável e para incorporar diversidade na organização. A ADJ continua a recrutar ativamente pessoal feminino da ADJ com o objetivo de aumentar a proporção de mulheres em todo o pessoal da ADJ para 12% ou mais até (ano fiscal) 2030”.

A ex-soldado japonesa Rina Gonoi numa conferência de imprensa no Clube Nacional de Imprensa, em Tóquio, a 30 de janeiro de 2023. Richard A. Brooks/AFP/Getty Images

Retrocesso no progresso

A FADJ tem feito progressos neste domínio. Quando foi formada em 1954, as mulheres eram recrutadas exclusivamente como enfermeiras.

A marinha do Japão aceitou as suas primeiras recrutas em 1977. E no início da década de 1990, a maioria das funções - exceto as que exigiam combate – foram abertas às mulheres. Em 1992, a Academia de Defesa Nacional do Japão começou finalmente a aceitar mulheres, o que tornou possível que elas se tornassem oficiais superiores. Desde então, novas mulheres líderes começaram a tomar as rédeas. Por exemplo, em março de 2018, a marinha do Japão nomeou a primeira mulher comandante de um esquadrão de navios de guerra. Mais tarde, nesse mesmo ano, nomeou a sua primeira mulher piloto de caça.

Quando era criança, Gonoi diz que via os membros da FADJ como heróis. Cresceu a querer ser como eles depois de as mulheres oficiais - em particular - terem vindo em seu socorro após o terramoto e o tsunami de Tohoku, em 2011, que dizimaram a sua cidade natal, Higashi-Matsushima, na província de Miyagi, no norte do Japão.

Gonoi ficou maravilhada com a forma como os membros das FADJ ajudaram os cidadãos a recuperar o sentido de normalidade, disse ela, certificando-se de que tinham áreas improvisadas para tomar banho, por exemplo. A jovem Gonoi ficou encantada com aquele toque humano.

Um sonho frustrado

Anos mais tarde, foi num posto da FADJ em Fukushima - outra área dizimada pela catástrofe de 2011 - que Gonoi contou à CNN ter sofrido o primeiro assédio sexual.

“Faziam comentários sobre o meu corpo e o tamanho dos meus seios. Ou aproximavam-se de mim nos corredores e abraçavam-me de repente no corredor. Esse tipo de coisas acontecia diariamente”, recorda Gonoi sobre o tempo que passou na estação.

A gota de água aconteceu em agosto de 2021, quando Gonoi disse ter sido imobilizada no chão de um dormitório enquanto vários oficiais superiores do sexo masculino simulavam relações sexuais. Foi este incidente que a convenceu a apresentar queixa contra os seus agressores.

Mas as queixas de Gonoi foram rejeitadas e não foram tomadas quaisquer medidas internamente nas FADJ.

“Inicialmente, não admitiram que tinham feito algo de errado. Tentaram encobrir o que eu tinha passado, mas depois foi ordenada uma nova investigação. Foi então que admitiram o que eu tinha passado”, contou Gonoi.

Também foi abandonada uma investigação externa por “falta de provas”, uma vez que nenhum dos homens que testemunharam a sua agressão sexual quis prestar depoimento.

Por fim, Gonoi diz que sentiu que não tinha alternativa senão demitir-se em junho de 2022.

Sato, o sociólogo, disse que foi apenas ao levar a sua luta para as redes sociais para divulgar o seu caso que Gonoi conseguiu pressionar a FADJ a repensar.

“O Ministério da Defesa atuou como sempre tinha feito no passado, tomando o partido dos criminosos e isolando as vítimas. No entanto, isto causou tanta indignação pública, surpreendendo tantas pessoas no Ministério da Defesa, que se aperceberam que, se não tomassem medidas adequadas, a reputação do próprio exército estaria em risco”, disse Sato.

Nos últimos meses, o Ministério da Defesa tem procurado melhorar a sua imagem. Em março, o Ministro da Defesa do Japão, Yasukazu Hamada, afirmou que “o assédio abala os alicerces das FADJ, destruindo a confiança mútua entre os seus membros, e é algo que nunca se deve permitir que aconteça”.

O assédio é uma violação dos direitos humanos básicos e, evidentemente, nunca deve ser permitido na Força de Autodefesa Terrestre, onde as ações das unidades são a base, uma vez que causa a perda de confiança mútua e abala a força do pessoal”, afirmou à CNN um porta-voz da Força de Autodefesa Terrestre.

“Por esta razão, as FDSG estão a participar ativamente em vários esforços para erradicar o assédio com base na diretiva do ministro e estão a implementar cuidadosamente medidas como a educação dos seus comandantes e outros.”

“Para o efeito, continuaremos a aplicar medidas como a educação em grupo e a aprendizagem eletrónica para aumentar a sensibilização do pessoal, a educação para promover a compreensão e melhorar as capacidades de liderança do pessoal (especialmente dos gestores) e melhorar e reforçar o sistema de consulta.”

Rina Gonoi, antigo membro da Força Terrestre de Auto-Defesa do Japão, fotografada a 22 de fevereiro de 2023. Philip Fong/AFP/Getty Images

Uma batalha ganha, agora a guerra

Gonoi conta à CNN que andou para trás e para a frente na sua decisão, antes de finalmente levantar a voz.

“Quando se fala, há um grande risco de sermos maltratados e de as pessoas nos caluniarem, apesar de aquilo por que passámos ser real e de estarmos realmente a sofrer”, disse Gonoi.

Mas ela não desistiu.

“Inicialmente, não admitiram que tinham feito algo de errado - tentaram encobrir o que eu tinha passado, mas depois foi ordenada uma nova investigação; foi então que admitiram o que eu tinha passado”.

O governo ainda não respondeu aos processos de Gonoi, mas, em outubro passado, o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, disse compreender que os casos de assédio sexual foram tratados de forma inadequada pela Força de Auto-Defesa e pelo Ministério da Defesa durante uma reunião parlamentar.

O governante acrescentou que, embora o assédio “não deva ser tolerado em nenhuma organização”, houve casos em que foram apontados encobrimentos.

E afirmou que o governo e o Ministério da Defesa estão empenhados em erradicar todas as formas de assédio.

“Estamos conscientes de que os autores de casos de assédio sexual deverão ser severamente punidos. Estamos também a realizar uma inspeção especial da defesa para identificar minuciosamente o assédio. Estamos empenhados em erradicar todas as formas de assédio”, afirmou.

Numa conferência de imprensa no ano passado, Gonoi disse que três dos seus agressores se ajoelharam para pedir desculpa, depois de ela ter recebido desculpas diretas de quatro dos seus agressores. Ela disse que os agressores reconheceram os seus atos e baixaram repetidamente a cabeça, e um deles estava a chorar.

“Quando entrei para a FADJ, sonhava muito com o que lá queria alcançar. Se a FADJ tivesse investigado a fundo o que me aconteceu, sinto que ainda poderia ter ficado lá. Tudo veio tarde demais”, disse ela.

Os oficiais foram demitidos em dezembro passado, mas Gonoi questiona a sinceridade das suas desculpas e decidiu avançar com um processo civil e criminal - não por dinheiro, diz ela, mas porque queria “um pedido de desculpas do coração”.

No processo civil, quatro dos cinco queixosos negaram recentemente o abuso sexual, enquanto um quinto admitiu as acusações. Gonoi disse aos jornalistas após a audiência: “Senti uma variedade de sentimentos - tristeza, frustração, raiva, etc. - que não consigo exprimir por palavras. Sabia que o pedido de desculpas deles era apenas uma formalidade”.

Entretanto, o governo afirmou que vai continuar a “estabelecer medidas drásticas” que visam “construir um ambiente organizacional que não tolere qualquer tipo de assédio”.

Hoje, Gonoi disse que recebe abusos nas redes sociais, com alguns utilizadores a comentarem a sua aparência ou a acusarem-na de manchar a reputação das FADJ.

Ela tem lutado contra a depressão e ainda tem “flashbacks” do que lhe aconteceu, mas está grata pelo apoio que recebeu nas redes sociais.

A jovem quer que as FADJ eduquem as suas forças no sentido de reconhecerem o assédio como um crime, que instalem câmaras de vigilância e que não permitam que as mulheres oficiais sejam deixadas sozinhas em situações em que estejam em muito maior número do que os colegas homens.

Mas ela disse que não perdeu a fé nas FADJ. O que ela mais quer é que a FADJ seja um lugar mais seguro, para que outros novos recrutas não tenham de passar pelo que ela passou. Quer viajar e continuar a praticar judo.

“No Japão, há uma espécie de opinião de que uma pessoa não se pode rir, não pode divertir-se depois de se ter sido vítima, mas eu não quero que a minha vida seja definida por isso”, disse Gonoi.

“Estou contente por ter entrado para as ADJ e por ter podido trabalhar para o meu país. Nem tudo foi mau e quero viver a vida o mais normalmente possível, sabendo que tudo acaba por se resolver de alguma forma no final.”

Continue a ler esta notícia