Avião militar americano com seis pessoas a bordo despenha-se no Japão. Há um morto - TVI

Avião militar americano com seis pessoas a bordo despenha-se no Japão. Há um morto

  • CNN Portugal
  • CNN
  • AM - notícia atualizada às 12:53
  • 29 nov 2023, 08:34
Osprey (Getty Images)

Guarda Costeira enviou um barco de patrulha e uma aeronave para a área do acidente

Um avião militar americano Osprey despenhou-se esta quarta-feira ao largo da ilha japonesa de Yakushima, no sul da província de Kagoshima, com seis pessoas a bordo, segundo um porta-voz da Guarda Costeira japonesa. Inicialmente tinha sido avançado que seguiam a bordo oito tripulantes, mas o número foi depois revisto pela Guarda Costeira citada pela Reuters.

A Guarda Costeira recebeu informações sobre o acidente por volta das 14:47 (hora local), disse o porta-voz, acrescentando que o 10.º Quartel Regional da Guarda Costeira enviou um barco de patrulha e uma aeronave para a área do acidente.

De acordo com a Reuters, um barco de pesca conseguiu resgatar três dos tripulantes. O seu estado de saúde não foi divulgado. 

Já a agência de notícias japonesa Kyodo avança que um dos tripulantes foi resgatado sem vida.

Este é o acidente mais recente a envolver um avião militar Osprey, tendo sido registados vários acidentes ao longo dos anos.

Em agosto deste ano, três fuzileiros navais norte-americanos morreram e outros ficaram gravemente feridos depois de um Osprey se ter despenhado durante exercícios militares na Austrália.

Em 2022, cinco fuzileiros navais americanos morreram depois do avião MV-22B Osprey onde seguiam se ter despenhado durante uma missão de treino perto de Glamis, na Califórnia. No mesmo ano, quatro membros do serviço militar dos EUA morreram quando o Osprey onde viajavam se ter despenhado durante exercícios de treino da NATO na Noruega.

O Osprey é um avião altamente flexível, capaz de descolar verticalmente como um helicóptero, mas também de efetuar voos de cruzeiro a alta velocidade como um avião turbo-hélice mais convencional com asas.

Continue a ler esta notícia