Família japonesa diz que jovem médico acabou com a sua vida depois de fazer 200 horas extraordinárias num só mês - TVI

Família japonesa diz que jovem médico acabou com a sua vida depois de fazer 200 horas extraordinárias num só mês

  • CNN
  • Jessie Yeung e Eru Ishikawa
  • 25 ago 2023, 10:00
Junko Takashima, mãe de Shingo Takashima, segura a sua fotografia numa conferência de imprensa em Osaka, Japão, a 18 de agosto de 2023. Foto Mami Nagaoki _ The Yomiuri Shimbun _ AP

Junko Takashima, mãe de Shingo Takashima, segura a sua fotografia numa conferência de imprensa em Osaka, Japão, a 18 de agosto de 2023. (Foto Mami Nagaoki/The Yomiuri Shimbun/AP)

Nota do editor: existe ajuda se você ou alguém que conhece estiver a debater-se com pensamentos suicidas ou problemas de saúde mental. Em Portugal, por favor ligue para a linha de crise Voz Amiga 213 544 545 | 963 524 660, para a linha SNS24 808 24 24 24 ou para o 112, ou consulte o site prevenirsuicidio.pt. Globalmente, a International Association for Suicide Prevention (Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio) e a Befrienders Worldwide (Amigos Em Todo o Mundo) têm contactos para centros de crise em todo o mundo. Encontrará mais contactos e apoios no final deste texto.

 

Tóquio (CNN) - A família de um médico japonês de 26 anos que morreu por suicídio no ano passado, depois de ter feito mais de 200 horas extraordinárias num único mês, apelou a uma mudança num país há muito afetado pela cultura do excesso de trabalho.

Takashima Shingo trabalhava como médico residente num hospital da cidade de Kobe quando se suicidou em maio, segundo a estação pública de televisão NHK.

De acordo com os advogados da família, Takashima tinha feito mais de 207 horas extraordinárias no mês anterior à sua morte e não tinha tirado um dia de folga durante três meses, informou a NHK.

O hospital, o Konan Medical Center, negou essas acusações numa conferência de imprensa na semana passada. Mas, em junho, o organismo governamental de inspeção do trabalho considerou a sua morte um incidente relacionado com o trabalho devido às suas longas horas de trabalho, de acordo com a NHK - pondo em evidência as imensas pressões exercidas sobre os trabalhadores do sector da saúde.

De acordo com o Ministério da Saúde, do Trabalho e da Segurança Social, há muito que o Japão se debate com uma cultura persistente de excesso de trabalho, com trabalhadores de vários sectores a relatarem horários de trabalho muito pesados, grande pressão por parte dos supervisores e deferência para com a empresa.

O stress e as consequências para a saúde mental que daí resultam provocaram mesmo um fenómeno designado por "karoshi", ou "morte por excesso de trabalho", que levou à adoção de legislação destinada a prevenir a morte e os ferimentos provocados pelo excesso de horas de trabalho.

Numa conferência de imprensa realizada na passada sexta-feira, a família de Takashima descreveu o que, segundo eles, era um jovem levado ao desespero e expressou o seu pesar pela sua morte.

Antes do suicídio, segundo a mãe Junko Takashima, o médico disse que "estava a ser demasiado difícil" e que "ninguém o ajudaria", de acordo com o vídeo da conferência de imprensa publicado pelos meios de comunicação social locais.

"Ninguém está a olhar por mim, dizia-me ele. Acho que o ambiente o levou ao limite", disse ela.

"O meu filho não se tornará um médico bondoso, nem será capaz de salvar doentes e contribuir para a sociedade", acrescentou. "No entanto, espero sinceramente que o ambiente de trabalho dos médicos seja melhorado para que o mesmo não volte a acontecer no futuro".

O irmão de Takashima, que não teve o nome revelado, também falou na conferência de imprensa, dizendo: "Independentemente da forma como olhamos para as horas de trabalho do meu irmão, 200 horas (de horas extraordinárias) é um número inacreditável, e não me parece que o hospital esteja a adotar uma abordagem sólida à gestão do trabalho".

Numa conferência de imprensa na semana passada, o Centro Médico Konan ripostou. "Há muitas alturas em que (os médicos) passam o tempo a estudar sozinhos e a dormir de acordo com as suas necessidades fisiológicas", disse um porta-voz. "Devido ao elevado grau de liberdade, não é possível determinar com exatidão as horas de trabalho".

Quando contactado pela CNN na segunda-feira, um porta-voz do hospital disse: "Não reconhecemos este caso como trabalho extraordinário e deixaremos de fazer comentários sobre este assunto no futuro".

Vários casos de excesso de trabalho têm feito manchetes nacionais e globais ao longo dos anos - por exemplo, as autoridades japonesas concluíram em 2017 que uma repórter política de 31 anos, que morreu em 2013, tinha sofrido insuficiência cardíaca por passar longas horas no trabalho. De acordo com a NHK, ela fez 159 horas extraordinárias no mês anterior à sua morte.

O problema continua a ser especialmente grave no sector da saúde. Um estudo de 2016 revelou que mais de um quarto dos médicos hospitalares a tempo inteiro trabalham até 60 horas por semana, enquanto 5% trabalham até 90 horas e 2,3% trabalham até 100 horas.

Outro relatório, publicado este ano pela Associação das Faculdades de Medicina do Japão, concluiu que mais de 34% dos médicos são elegíveis para um "nível especial de horas extraordinárias que excedem o limite superior de 960 horas por ano".

As reformas da legislação laboral e dos regulamentos relativos às horas extraordinárias em 2018 registaram alguns pequenos progressos, tendo o governo comunicado no ano passado que o número médio de horas anuais trabalhadas por trabalhador tem vindo a "diminuir gradualmente". No entanto, embora o número de horas de trabalho efetivo tenha vindo a diminuir, as horas extraordinárias têm flutuado ao longo dos anos, acrescentou.

 

Contactos, informações e apoios em Portugal

Para informações, ajudas, contactos consulte o site da Campanha Nacional de Prevenção do Suicídio em prevenirsuicidio.pt.

Linhas de apoio:

SOS VOZ AMIGA
15:30 – 0:30
213 544 545 | 912 802 669 | 963 524 660

TELEFONE DA AMIZADE 
16:00 – 23:00
222 080 707

CONVERSA AMIGA
15:00 – 22:00
808 237 327 | 210 027 159   

VOZ DE APOIO
21:00 – 24:00
225 506 070
Email: sos@vozdeapoio.pt

VOZES AMIGAS DE ESPERANÇA DE PORTUGAL
16:00 – 22:00
222 030 707   
 

Sociedade Portuguesa de Suicidologia www.spsuicidologia.com

Perguntas e respostas:

Alguém próximo de mim morreu por suicídio – leia aqui

Estou preocupado/a com alguém - Leia aqui

Fiz uma tentativa de suicídio – Leia aqui

Tenho pensamentos de suicídio – Leia aqui

Tenho pensamentos de suicídio – Leia aqui

Mais contactos e serviços disponíveis aqui

 

 

Continue a ler esta notícia