Cientistas ingleses acabam de estabelecer um recorde de fusão nuclear. Estamos (um bocadinho) mais perto de garantir uma energia limpa - TVI

Cientistas ingleses acabam de estabelecer um recorde de fusão nuclear. Estamos (um bocadinho) mais perto de garantir uma energia limpa

  • CNN
  • Angela Dewan
  • 10 fev, 17:00
O interior do tokamak JET, que realizou a sua última grande experiência de fusão nuclear. Autoridade da Energia Atómica do Reino Unido

A fusão nuclear é o mesmo processo que dá energia ao Sol e a outras estrelas e é vista como o Santo Graal da energia limpa. Há décadas que os especialistas trabalham para dominar este processo altamente complexo na Terra e, se o conseguirem, a fusão poderá gerar enormes quantidades de energia com pequenas quantidades de combustível e não emitirá qualquer carbono que aqueça o planeta

Relacionados

Cientistas e engenheiros da cidade inglesa de Oxford bateram um recorde de energia de fusão nuclear, anunciaram esta semana, aproximando a fonte de energia limpa e futurista da realidade.

Utilizando o Joint European Torus (JET) - uma enorme máquina em forma de donut conhecida como tokamak - os cientistas mantiveram um recorde de 69 megajoules de energia de fusão durante cinco segundos, utilizando apenas 0,2 miligramas de combustível. Isto é suficiente para alimentar cerca de 12.000 casas durante o mesmo período de tempo.

A fusão nuclear é o mesmo processo que dá energia ao Sol e a outras estrelas e é vista como o Santo Graal da energia limpa. Há décadas que os especialistas trabalham para dominar este processo altamente complexo na Terra e, se o conseguirem, a fusão poderá gerar enormes quantidades de energia com pequenas quantidades de combustível e não emitirá qualquer carbono que aqueça o planeta.

Os cientistas alimentaram o tokamak com deutério e trítio, que são variantes do hidrogénio que as futuras centrais de fusão comerciais irão provavelmente utilizar.

Para gerar energia de fusão, a equipa elevou as temperaturas na máquina para 150 milhões de graus Celsius - cerca de dez vezes mais quente do que o núcleo do Sol. Este calor extremo força o deutério e o trítio a fundirem-se e a formarem hélio, um processo que, por sua vez, liberta enormes quantidades de calor.

O tokamak é revestido por fortes ímanes que retêm o plasma. O calor é depois aproveitado e utilizado para produzir eletricidade.

A experiência é a última do género para o JET, que funciona há mais de 40 anos. A sua última experiência - e o novo recorde - é uma notícia promissora para os novos projetos de fusão, disse Ambrogio Fasoli, diretor executivo do EUROfusion, o consórcio de 300 peritos que está por detrás da experiência. Fasoli apontou o ITER, o maior tokamak do mundo que está a ser construído no sul de França, e o DEMO, uma máquina planeada para seguir o ITER com o objetivo de produzir uma maior quantidade de energia, como um protótipo de central de fusão.

"A nossa demonstração bem sucedida de cenários operacionais para futuras máquinas de fusão, como o ITER e o DEMO, validada pelo novo recorde de energia, incute uma maior confiança no desenvolvimento da energia de fusão", afirmou Fasoli em comunicado.

Vista do Torus Hall, onde se encontra o tokamak JET. Autoridade da Energia Atómica do Reino Unido

Embora a energia de fusão possa ser um fator de mudança para a crise climática - que é causada principalmente pela queima de combustíveis fósseis pelos seres humanos - é uma tecnologia que ainda vai precisar de muitos anos para ser comercializada. Quando estiver totalmente desenvolvida, será demasiado tarde para a utilizar como ferramenta principal para combater as alterações climáticas, segundo Aneeqa Khan, investigador em fusão nuclear na Universidade de Manchester.

Além disso, subsistem inúmeros desafios. Khan salientou, por exemplo, que a equipa utilizou mais energia para realizar a experiência do que aquela que gerou.

"Trata-se de um excelente resultado científico, mas ainda estamos muito longe da fusão comercial. A construção de uma central elétrica de fusão também tem muitos desafios de engenharia e de materiais", observou. "No entanto, o investimento na fusão está a aumentar e estamos a fazer verdadeiros progressos. Precisamos de formar um grande número de pessoas com as competências necessárias para trabalhar neste domínio e espero que a tecnologia seja utilizada na segunda metade do século."

O recorde foi anunciado no mesmo dia em que o serviço de monitorização do clima e do tempo da União Europeia, Copernicus, confirmou que o mundo ultrapassou pela primeira vez o limiar de aquecimento global de 1,5 graus Celsius num período de 12 meses.

Os cientistas estão mais preocupados com o aquecimento a longo prazo acima desse limiar, mas trata-se de um aviso simbólico de que o mundo está a aproximar-se de um nível de alterações climáticas ao qual terá dificuldade em adaptar-se.

A ciência climática mostra que o mundo deve reduzir para quase metade as suas emissões de gases com efeito de estufa nesta década e atingir zero emissões líquidas até 2050 para evitar que o aquecimento global atinja níveis catastróficos. Para tal, é necessário efetuar uma rápida transição dos combustíveis fósseis, como o carvão, o petróleo e o gás.

Continue a ler esta notícia

Relacionados