JMJ: Perspetivas de ocupação hoteleira na Área Metropolitana de Lisboa abaixo do estimado - TVI

JMJ: Perspetivas de ocupação hoteleira na Área Metropolitana de Lisboa abaixo do estimado

  • Agência Lusa
  • DCT
  • 31 jul 2023, 17:23
Jornada Mundial da Juventude - JMJ (LUSA/Nuno Veiga)

Quanto aos valores cobrados pelos hotéis, que vinham a aumentar devido à inflação e à pressão da procura, a responsável adiantou que “a previsão do preço talvez também venha a abrandar um bocadinho relativamente às perspetivas iniciais”.

A Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) reviu esta segunda-feira em baixa as perspetivas de ocupação hoteleira na Área Metropolitana de Lisboa (AML) durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), de 89% para 86%.

“Neste momento, as perspetivas de ocupação não estão a corresponder ao que foi indicado em junho e em julho”, disse a vice-presidente executiva da AHP, Cristina Siza Vieira, à Lusa apontando para uma taxa de ocupação na ordem dos 86% durante o evento religioso.

Em 13 de julho, a associação tinha divulgado as conclusões de um inquérito realizado aos hoteleiros da AML, que estimavam que a taxa de ocupação pudesse chegar aos 89% durante a JMJ e que a percentagem de reservas na cidade de Lisboa alcançasse 91% esta semana.

“Era uma estimativa um bocadinho distante e com a expectativa do ‘last minute’. […] Neste momento, a convicção que temos é que até aos [hotéis de] quatro estrelas a ocupação está mais ou menos razoável, mas mesmo nos quatro estrelas e acima não tem correspondido às previsões iniciais”, explicou a responsável da AHP.

Cristina Siza Vieira ressalvou que, ainda assim, no balanço do mês de agosto, os hoteleiros podem ainda fechar com uma percentagem de reservas próxima dos 89%, se as semanas seguintes compensarem a da JMJ em termos de fluxo de turistas.

Quanto aos valores cobrados pelos hotéis, que vinham a aumentar devido à inflação e à pressão da procura, a responsável adiantou que “a previsão do preço talvez também venha a abrandar um bocadinho relativamente às perspetivas iniciais”.

“Eventualmente, no final [do mês] vai haver ali um ajuste, porque não estão a corresponder tanto. Haverá alguma procura, mas não vai haver acréscimos de preços brutais. Não há preços astronómicos”, sublinhou.

A JMJ, considerado o maior evento da Igreja Católica que vai contar com a presença do Papa, decorre em Lisboa de terça-feira a domingo.

Continue a ler esta notícia