Trump é "principal ameaça" a liberdade e democracia" nos EUA. Quem o diz é Biden - TVI

Trump é "principal ameaça" a liberdade e democracia" nos EUA. Quem o diz é Biden

  • Agência Lusa
  • AM
  • 10 abr, 06:16
Joe Biden (EPA/Ting Shen)

Presidente dos Estados Unidos acusou ainda o adversário de ter um discurso de ditador ao qual, disse, é preciso prestar atenção

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse, na primeira entrevista dada a um órgão latino em período de campanha, que o adversário Donald Trump é a "principal ameaça à liberdade e democracia" no país.

Em entrevista na terça-feira à Noticias Univision, canal informativo da rede televisiva norte-americana em espanhol Univision, Biden acusou Trump de ter um discurso de ditador ao qual, disse, é preciso prestar atenção.

Biden criticou a forma depreciativa como o ex-Presidente fala das minorias, em particular da comunidade hispânica.

"Vamos pensar nas coisas que ele diz, como ele fala sobre as minorias, sobre os hispânicos", referiu.

Durante a entrevista, o responsável concentrou-se em recuperar o voto hispânico que o apoiou na vitória em 2020 contra Donald Trump.

Biden destacou as iniciativas que implementou na educação, saúde e habitação - questões prioritárias para esta comunidade - e reafirmou o compromisso de continuar a procurar soluções para a imigração.

Uma sondagem recente da Axios/Ipsos mostrou que a preferência por Biden entre os latinos caiu seis pontos percentuais desde o verão passado: de 47% em junho de 2023 para 41% no mês passado.

A preferência por Trump entre esses eleitores no mesmo período subiu de 29% para 32%.

Biden, com uma equipa de campanha para a comunidade latina, lembrou ainda que foram dados 10 mil dólares (9.200 euros) a famílias para comprarem a primeira casa ou mudarem de habitação devido às taxas de juro.

"O interesse do país em que façamos isto é esmagador", notou o dirigente, que, no discurso sobre o Estado da União, em março, propôs créditos fiscais para pessoas que pretendiam comprar uma casa pela primeira vez.

No domínio da educação, Biden destacou os 14 mil milhões de dólares (12,9 mil milhões de euros) destinados a colégios e universidades que ensinam hispânicos, algo que também foi feito para as instituições afro-americanas.

"Todos os estudantes que terminam o liceu, que vão para um 'community college' [grau inferior a universidade] ou para uma universidade, têm a mesma capacidade que os estudantes brancos", afirmou, acrescentando que "as universidades não dispõem destes grandes fundos".

"É do interesse não só da comunidade [latina], mas também do país, aumentar a capacidade destes estudantes para que possam aprender", defendeu o candidato democrata.

Biden, que travou uma longa batalha para regular os preços da insulina, notou ainda que se pôs um ponto final no elevado preço do medicamento.

"Há uma maior propensão entre os hispânicos de sofrer de diabetes e outras coisas", disse, destacando que o custo da insulina diminuiu de 400 dólares (368 euros) por mês para 35 dólares (32 euros).

Continue a ler esta notícia