O altar-palco que vai ser o centro das atenções nas Jornadas Mundiais da Juventude de 2023 vai custar mais de 5 milhões de euros. A Câmara Municipal de Lisboa adjudicou um contrato de forma direta à Mota-Engil por cerca de 4,2 milhões, mas há outro contrato publicado que eleva o valor total da estrutura para quase 5,4 milhões de euros. A este valor acresce IVA.

Trata-se de um contrato, também ele por ajuste direto, realizado com a empresa Oliveiras, SA, e que visa a construção das “fundações indiretas do altar-palco” onde estará o Papa Francisco. Na prática trata-se de uma estrutura que vai permitir ao palco ser mais pesado, até porque os terrenos que vão receber o evento são instáveis. Esta estrutura, cujo contrato prevê o pagamento de 1.063.937,62 euros para uma obra de 60 dias, vai permitir ao solo aguentar mais peso do que aquele que aguentaria inicialmente.

Há ainda um terceiro contrato por ajuste direto, e que foi igualmente esquecido pela autarquia. A aquisição de serviços para o projeto de segurança contra incêndios do altar-palco vai custar ao Estado 87.570 euros, num contrato adjudicado à Action Mulders. Um quarto contrato, igualmente por ajuste direto, destina-se ao projeto de estruturas e fundações e fica a cargo da Talprojeto.

O vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Anacoreta Correia, justifica o valor contratualizado para o altar-palco com o facto de se tratar do "coração do acolhimento" da Jornada Mundial da Juventude, acrescentando que a estrutura vai ser readaptada para "eventos futuros" - mas não disse quais. "É prematuro", afirmou.

Em conferência de imprensa no Parque Tejo, local do evento marcado para agosto, o vice da autarquia disse que a estrutura, com cinco mil metros quadrados, foi desenhada para acolher "cerca de duas mil pessoas", entre bispos, concelebrantes, coro, orquestra, convidados e equipa técnica. Além disso, terá cerca de nove metros de altura para que possa ser visto pelo "máximo número de pessoas" possível.

"[O altar-palco] está pensado para ser o coração do acolhimento de um evento que vai acolher cerca de um 1,5 milhões de pessoas ao mesmo tempo", salienta aos jornalistas.

António Guimarães