Este casal estava com uma crise de meia-idade. E em vez de comprar um descapotável, arranjou búfalos para fazer mozarela - TVI

Este casal estava com uma crise de meia-idade. E em vez de comprar um descapotável, arranjou búfalos para fazer mozarela

  • CNN
  • Katie Lockhart
  • 4 nov 2023, 10:00
A Laos Buffalo Dairy produz bocconcini, ricotta, queijo azul, feta, burrata (a pedido), iogurte e mozzarella. Laos Buffalo Dairy

"Esta é a nossa crise de meia-idade com um propósito em vez de um Porsche", explicam Susie e Steven

Luang Prabang, Laos (CNN) - Todos já ouvimos falar da mozarela de búfala. Mas num destino popular do Sudeste Asiático, uma quinta está a oferecer aos viajantes a oportunidade de provar uma grande variedade de queijos que utilizam leite de búfalos locais em vez de vacas.

A Laos Buffalo Dairy, situada na cidade de Luang Prabang, património da UNESCO, é a primeira exploração leiteira de búfalos do país. E foi, na verdade, o subproduto de uma crise de meia-idade.

A CEO australiana Susie Martin e o seu marido, o diretor-geral da quinta Steven McWhirter, vieram de Singapura para o Laos para gerir uma casa de hóspedes durante um ano.

"Quando tentámos comprar leite de búfala para fazer o delicioso iogurte que tínhamos visto no Sri Lanka para usar na casa de hóspedes, ninguém fazia ideia do que estávamos a falar", recorda Martin. "Ao ver que também havia uma procura crescente de produtos lácteos, como a mozarela, por parte de hotéis e restaurantes, criámos a fábrica de lacticínios em 2017."

Usando a lógica do seu tempo no sector imobiliário comercial, ela pensou: "Se se pode alugar um espaço de escritório, pode-se alugar um búfalo". Assim nasceu o conceito de empresa social da leitaria e, como diz um cartaz na quinta, "Esta é a nossa crise de meia-idade com um propósito em vez de um Porsche".

Como funciona a fábrica de lacticínios

Atualmente, há 85 búfalos na quinta, número que esperam aumentar para 150 em 2024. Foto Laos Buffalo Dairy

Os habitantes das aldeias dos arredores de Luang Prabang viajam até duas horas para trazer as suas búfalas prenhes para a quinta.

"As búfalas chegam quando estão grávidas de oito meses (a gestação é de 10 meses)", afirma Rachel O'Shea, chefe de cozinha executiva e diretora-geral de produção da Laos Buffalo Dairy.

Uma vez na quinta, a búfala é colocada em quarentena, testada para detetar doenças, vacinada e treinada para a ordenha. Depois de a cria nascer, a mãe não é ordenhada durante as primeiras três semanas, para que o bebé possa beneficiar exclusivamente dos seus nutrientes. Depois, ordenha-se a mãe apenas uma vez de manhã, deixando o resto para o vitelo.

"No final do período de aluguer, o agricultor recebe um montante fixo em função do número de dias de ordenha da búfala, cerca de 100 dólares por búfala (o salário médio mensal no Laos é de 120 dólares por mês)", diz O'Shea.

A búfala e o bezerro voltam para casa com o agricultor até que o animal esteja novamente com oito meses de gestação, e então o processo na leiteria recomeça.

Búfalos mais felizes e mais saudáveis

Os fundadores da Laos Buffalo Dairy: da esquerda para a direita, Susie Martin, CEO da Laos Buffalo Dairy, Rachel O'Shea, chefe executiva e diretora-geral de produção, e Steven McWhirter, diretor-geral da exploração. Laos Buffalo Dairy

Tradicionalmente, os búfalos eram utilizados para arar os campos de arroz no Laos. Mas à medida que a utilização de tractores se generalizou, os proprietários de búfalos começaram a vender os seus animais para financiar as propinas dos filhos, pagar contas médicas ou mesmo financiar casamentos.

"São literalmente um 'Banco de Búfalos' com um valor de cerca de 1000 dólares, representando 50% do rendimento anual de um agricultor", diz Martin.

Mas à medida que os agricultores vendiam mais machos, a consanguinidade dos búfalos foi-se instalando e tornou-se comum uma raça de búfalos menos fértil e menos saudável. O programa de criação de búfalos da Laos Buffalo Dairy tem por objetivo resolver este problema.

"Aprovado pelo governo do Laos, utilizamos diferentes touros com as fêmeas das várias aldeias, que proporcionam uma descendência mais saudável. Estas crias mais saudáveis regressam depois às aldeias com as suas mães", afirma Martin.

O que pensam os habitantes locais

 

Os aldeões dos arredores de Luang Prabang viajam até duas horas para trazer as suas búfalas prenhes para a quinta para serem ordenhadas. Laos Buffalo Dairy

Quando a equipa da Laos Buffalo Dairy apresentou pela primeira vez o seu programa aos agricultores da zona, foram necessários cerca de 18 meses para os convencer de que se tratava de uma ideia vantajosa para todos.

Inicialmente, pensaram que íamos "grelhar os seus búfalos", porque o que lhes estávamos a oferecer parecia demasiado bom para ser verdade - que tomaríamos conta dos seus búfalos, vacinando-os, alimentando-os, ajudando a cria assim que nascesse, pagando o leite que produzissem E, com sorte, enviando-os de volta prenhes e com melhor genética a bordo, sem qualquer despesa para eles", diz O'Shea.

Atualmente, eles têm 85 búfalos na quinta e esperam aumentar o número para 150 em 2024.

"Agora recebemos chamadas aleatórias de agricultores que nos pedem para receber os seus búfalos", diz O'Shea.

"Por vezes, quando perguntamos se está prenhe, dizem-nos: 'Oh, é um rapaz'. Ao que temos de responder: 'Desculpe! Não aceitamos rapazes'".

E embora a procura seja agora elevada, o financiamento foi outra dificuldade que a fábrica de lacticínios enfrentou.

"Ninguém nos queria apoiar, pois todos pensavam que éramos loucos", diz Martin. "Por isso, vendemos as nossas casas na Austrália e nos Estados Unidos e usámos esses fundos para começar."

Gelado de erva-limão e brie de búfalo

Donuts de ricota, feitos com o leite de búfala da quinta. Laos Buffalo Dairy

Com o leite recolhido das búfalas, O'Shea e a sua equipa criam um dos produtos mais raros do Laos - o queijo.

Na quinta, os turistas alojados em Luang Prabang podem passar por lá das 9h00 às 17h00 e experimentar as suas criações, desde uma salada caprese a um gelado de tarte de abóbora. Também oferecem visitas guiadas e planeiam introduzir uma visita guiada de vinho e queijo no futuro.

Para já, o menu inclui bocconcini, ricota, queijo azul, feta, burrata (a pedido), iogurte e o seu tipo de queijo mais popular, mozarela. Estão a trabalhar para acrescentar brie, parmesão, cheddar e, com sorte, queijo de cabra.

Quanto ao gelado, esperam estabelecer uma parceria com o primeiro produtor de cacau do Laos, Chocolate Dream, para criar um sabor a massa de biscoito.

Os hóspedes dos hotéis nas proximidades de Luang Prabang, como o La Résidence Phou Vao, A Belmond Hotel, e, em breve, o Avani+ Luang Prabang e o Rosewood Luang Prabang, também podem experimentar o queijo da Laos Dairy Farm no buffet de pequeno-almoço e nos restaurantes dos hotéis.

"Quantos mais hotéis e restaurantes nos comprarem, quant.os mais turistas vierem à quinta e experimentarem os nossos produtos, mais agricultores poderão trabalhar connosco para obter búfalos que possamos ordenhar", afirma O'Shea.

Mais do que búfalos

A Laos Buffalo Dairy criou um livro de receitas gratuito para os habitantes locais que oferece sugestões sobre como incorporar o leite de búfala em pratos tradicionais do Laos. Laos Buffalo Dairy

Ao chegar à quinta, os viajantes ouvirão provavelmente os guinchos dos porcos antes dos sinos dos búfalos. Tanto os porcos como os coelhos são utilizados num dos outros programas locais do Laos Buffalo Diary - a criação de animais, um termo que se refere à ciência de criar e cuidar de animais de quinta.

Para os ensinar, são utilizados materiais que os agricultores podem facilmente utilizar para reproduzir nas suas aldeias.

"Algumas destas estruturas, como a nossa pocilga, utilizam materiais que são subprodutos da colheita que os agricultores normalmente queimariam, como a casca de arroz, prejudicando o ambiente", diz O'Shea. "Em vez disso, usamo-los como cama para porcos mais felizes e saudáveis e usamo-los como fertilizante natural ao fim de três a quatro meses."

Outro foco importante na quinta é a desnutrição.

De acordo com o Banco Mundial, cerca de 35% das crianças do Laos estão subnutridas. Alimentar os bebés e as crianças com leite de búfala é uma fonte fácil e sustentável de nutrientes a que muitos agricultores já têm acesso.

Nos últimos cinco anos, a equipa da Laos Buffalo Dairy iniciou três programas de nutrição materno-infantil, todos concebidos para ajudar as mães a aumentar os nutrientes dos seus filhos nos primeiros mil dias. Até criaram um livro de receitas gratuito para os habitantes locais que oferece sugestões sobre como incorporar o leite de búfala em pratos tradicionais do Laos.

Desde a sua criação, o programa expandiu-se para incluir cabras (outra novidade no Laos) e agora também está a ser oferecido no vizinho Camboja.

A exploração leiteira também planeia reintroduzir aulas de inglês gratuitas para os 40 membros da sua equipa laociana e para as crianças das escolas locais, um programa que foi colocado em pausa durante a pandemia de Covid.

Embora o encerramento global tenha afetado duramente a exploração, a situação melhorou desde a reabertura da fronteira no ano passado.

"O nosso objetivo sempre foi ser amigo do ambiente, razão pela qual utilizamos búfalos locais em vez de vacas importadas, e não criamos a nossa própria manada leiteira, mas alugamos animais que já são criados nas aldeias", diz Martin.

"À medida que o turismo recupera e aumenta após a Covid, mais pessoas poderemos ajudar".

Continue a ler esta notícia