Leilão de joias ligadas a fortuna da era nazi cancelado pela Christie's - TVI

Leilão de joias ligadas a fortuna da era nazi cancelado pela Christie's

  • CNN
  • Christy Choi
  • 11 set 2023, 09:00
Joias nazis (Cortesia Christie's)

O colar de Harry Winston (na foto em cima, cortesia da Christie's) com um diamante de 90,38 quilates em corte briolette, juntamente com diamantes mais pequenos em forma de pera e de marquise, foi outrora propriedade da herdeira bilionária Heidi Horten.

A venda de mais de 400 peças de joalharia que pertenceram à falecida colecionadora de arte Heidi Horten bateu recordes numa série de leilões realizados no início deste ano.

Mas, no meio de críticas constantes de grupos de defesa dos judeus e de organizações de defesa dos direitos humanos sobre a origem da riqueza da bilionária austríaca, a casa de leilões Christie's anunciou na semana passada que cancelou a parte final da controversa venda.

O ex-marido de Horten, Helmut, fez fortuna na Alemanha nazi ao comprar empresas judaicas "vendidas sob coação", reconheceu a Christie's no seu catálogo de vendas, tendo-o inicialmente descrito em comunicados de imprensa simplesmente como "um empresário e homem de negócios alemão".

"A venda da coleção de joias de Heidi Horten provocou um intenso escrutínio e a reação a ela afetou-nos profundamente, a nós e a muitos outros, e continuaremos a refletir sobre ela", declarou Anthea Peers, presidente da Christie's para a Europa, Médio Oriente e África, num comunicado em que anunciava a decisão de cancelar a venda online de cerca de 300 peças, em novembro.

As três primeiras partes da venda - dois leilões ao vivo em Genebra, na Suíça, e uma venda online - renderam um total de 179,9 milhões de francos suíços (187 milhões de euros) em maio, tornando-se a coleção de joias privada mais cara de sempre vendida em leilão. (A Christie's tinha inicialmente previsto que a coleção completa de Horten, com mais de 700 joias, seria vendida por mais de 140 milhões de euros).

Um broche "Pássaro do Paraíso" de rubi e diamantes da Van Cleef & Arpels, um broche de leão com várias joias de René Boivin e um par de brincos de cabeça de leão sem assinatura. Cortesia da Christie's

Os opositores criticaram a Christie's por ter organizado o leilão e não ter reconhecido explicitamente como Helmut Horten aumentou a sua riqueza de dez dígitos sob as leis de "arianização" da Alemanha nazi, que viram a propriedade e os bens dos judeus serem apreendidos e transferidos para não-judeus. Durante este período, o empresário alemão adquiriu uma série de lojas de departamentos anteriormente propriedade de judeus e, mais tarde, foi-lhe atribuída a introdução da primeira cadeia de supermercados da Alemanha.

Antes das vendas de maio, o Comité Judaico Americano tinha pedido que o leilão fosse suspenso até que fosse feito "um esforço sério" para investigar a fortuna dos Hortens. Num tweet no X, a plataforma de comunicação social anteriormente conhecida como Twitter, o grupo descreveu a decisão da Christie's de cancelar a venda final como uma "notícia bem-vinda", reiterando que os primeiros leilões "nunca deveriam ter sido realizados".

O Projeto de Restituição de Arte do Holocausto, um grupo de investigação e defesa com sede em Washington D.C., nos EUA, descreveu entretanto a decisão como "uma vitória para os sobreviventes do Holocausto".

Ao anunciar as vendas em março, a Christie's afirmou que as receitas do leilão iriam para a Coleção Heidi Horten, um museu de arte que a colecionadora criou em Viena, Áustria, antes da sua morte em 2022, bem como para beneficiar "a investigação médica e outras atividades filantrópicas". Na sequência dos protestos de grupos judeus, a casa de leilões comprometeu-se também a efetuar uma doação "significativa" das receitas para promover a educação e a investigação sobre o Holocausto.

A Coleção Heidi Horten não respondeu ao pedido de comentário da CNN.

Segundo a Forbes, Horten tinha um património líquido de cerca de 3 mil milhões de dólares quando morreu em junho do ano passado. Ela herdou mil milhões de dólares de Helmut após a sua morte em 1987.

Continue a ler esta notícia