Porque é que as inundações na Líbia foram tão mortíferas? - TVI

Porque é que as inundações na Líbia foram tão mortíferas?

  • CNN
  • Nadeen Ebrahim e Laura Paddison
  • 14 set 2023, 20:29

Barragens envelhecidas e avisos falhados: uma mistura letal de factores causou a inundação mais mortífera de África

Relacionados

Tudo começou com um estrondo às 3 da manhã de segunda-feira, quando os habitantes de Derna estavam a dormir. Uma barragem rebentou, e depois uma segunda, enviando uma enorme onda de água através das montanhas em direção à cidade costeira da Líbia, matando milhares de pessoas enquanto bairros inteiros eram arrastados para o mar.

Pelo menos 11.000 pessoas morreram na Líbia devido às inundações desta semana, revelou o Crescente Vermelho Líbio à Associated Press, esta quinta-feira, na mais mortífera catástrofe de inundações em África desde que há registos, há mais de um século.

A cidade de Derna, no leste da Líbia, o epicentro da catástrofe, tinha uma população de cerca de 100.000 habitantes antes da tragédia. As autoridades dizem que pelo menos 10.000 pessoas continuam desaparecidas. A CNN não conseguiu verificar os números de forma independente.

Edifícios, casas e infraestruturas foram "arrasados" quando uma onda de sete metros atingiu a cidade, de acordo com o Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV), que disse na quinta-feira que os cadáveres estavam agora a chegar à costa.

Mas com milhares de mortos e muitos outros ainda desaparecidos, há questões sobre a razão pela qual a tempestade que também atingiu a Grécia e outros países causou uma devastação muito maior na Líbia.

Os especialistas afirmam que, para além da forte tempestade em si, a catástrofe na Líbia foi muito acentuada por uma combinação letal de factores, incluindo o envelhecimento e a degradação das infraestruturas, avisos inadequados e o impacto da aceleração da crise climática.

O que aconteceu em Derna
Derna, uma cidade com cerca de 100 mil pessoas, foi a área mais afetada depois da tempestade Daniel ter atingido o nordeste da Líbia. As fortes chuvas fizeram colapsar duas barragens, enviando uma onda de sete metros na direção da cidade, fazendo desaparecer bairros inteiros.

Fontes: Google (imagem base) Planet Labas, agência noticiosa estatal da Tunísia, Comité Internacional da Cruz Vermelha. Gráfico Lou Robisnson/CNN

Uma tempestade feroz

A precipitação extrema que atingiu a Líbia no domingo foi provocada por um sistema chamado Tempestade Daniel.

Depois de ter varrido a Grécia, a Turquia e a Bulgária, com graves inundações que mataram mais de 20 pessoas, transformou-se numa "medicane" sobre o Mediterrâneo - um tipo relativamente raro de tempestade com características semelhantes às dos furacões e tufões.

A "medicane" fortaleceu-se ao atravessar as águas invulgarmente quentes do Mediterrâneo, antes de despejar chuvas torrenciais sobre a Líbia no domingo.

Em 24 horas, a precipitação atingiu mais de 414 mm em Al-Bayda, uma cidade a oeste de Derna, o que constitui um novo recorde.

Embora seja demasiado cedo para atribuir definitivamente a tempestade à crise climática, os cientistas estão confiantes de que as alterações climáticas estão a aumentar a intensidade de fenómenos meteorológicos extremos como as tempestades. Os oceanos mais quentes fornecem combustível para o aumento das tempestades e uma atmosfera mais quente pode reter mais humidade, o que significa mais precipitação extrema.

As tempestades "estão a tornar-se mais violentas por causa das alterações climáticas", afirmou Hannah Cloke, professora de hidrologia na Universidade de Reading, no Reino Unido.

Um historial de inundações

Derna é propensa a inundações e os reservatórios das barragens causaram pelo menos cinco inundações mortais desde 1942, a última das quais em 2011, de acordo com um trabalho de investigação publicado pela Universidade de Sebha, na Líbia, no ano passado.

As duas barragens que rebentaram na segunda-feira foram construídas há cerca de meio século, entre 1973 e 1977, por uma empresa de construção jugoslava. A barragem de Derna tem 75 metros de altura e uma capacidade de armazenamento de 18 milhões de metros cúbicos. A segunda barragem, Mansour, tem 45 metros de altura e uma capacidade de 1,5 milhões de metros cúbicos.

Essas barragens não passam por manutenção desde 2002, revelou à Al Jazeera o presidente da Câmara Municipal, Ahmed Madroud.

Mas os problemas com as barragens eram conhecidos. O documento da Universidade de Sebha alertou para o facto das barragens de Derna terem um "elevado potencial de risco de inundação" e de ser necessária uma manutenção periódica para evitar inundações "catastróficas".

 
 

 

"A situação atual da barragem de Wadi Derna exige que as autoridades tomem medidas imediatas para efetuar a manutenção periódica das barragens existentes", recomendava o artigo no ano passado. "Porque, no caso de uma grande inundação, o resultado será catastrófico para os residentes do vale e da cidade". O documento também constatou que a área circundante não possui vegetação adequada para evitar a erosão do solo. Os residentes da zona devem ser sensibilizados para os perigos das inundações, acrescentou.

Liz Stephens, professora de Riscos Climáticos e Resiliência na Universidade de Reading, no Reino Unido, disse à CNN que havia sérias questões a colocar sobre o padrão de conceção da barragem e se o risco de fenómenos pluviométricos muito extremos tinha sido devidamente tido em conta.

"É muito claro que, sem a rutura desta barragem, não teríamos assistido ao número trágico de mortes que se registou", afirmou.

"As barragens teriam retido a água inicialmente, mas a sua rutura poderia libertar toda a água de uma só vez", explicou Stephens ao Science Media Center, acrescentando que "os detritos apanhados pelas águas das cheias teriam aumentado o poder destrutivo".

Derna já foi atingida no passado, as suas infraestruturas foram destruídas por anos de combates.

Desde a luta contra o Estado Islâmico e, mais tarde, contra o comandante oriental Khalifa Haftar e o seu Exército Nacional Líbio (LNA), as infraestruturas da cidade desmoronaram-se e são lamentavelmente inadequadas face a inundações como a provocada pela tempestade Daniel.

Falta de avisos

O chefe da Organização Meteorológica Mundial das Nações Unidas, Petteri Taalas, afirmou que a falta de avisos poderia ter evitado a maioria das vítimas em Derna.

"Se tivesse havido um serviço meteorológico a funcionar normalmente, teriam emitido os avisos e também a gestão de emergências teria sido capaz de retirar as pessoas e teríamos evitado a maioria das vítimas humanas", disse Taalas aos jornalistas numa conferência de imprensa na quinta-feira.

Talaas acrescentou que a instabilidade política no país tem impedido os esforços da OMM para trabalhar com o governo líbio no sentido de melhorar estes sistemas.

No entanto, mesmo sistemas robustos de alerta precoce não são uma garantia de que todas as vidas possam ser salvas, referiu Cloke.

As rupturas de barragens podem ser muito difíceis de prever e são rápidas e ferozes. "O volume de água é monstruoso e está a destruir toda a cidade", declarou Cloke. "É um dos piores tipos de inundações que já aconteceram".

Embora as barragens sejam normalmente concebidas para resistir a fenómenos relativamente extremos, muitas vezes não é suficiente, afirmou Cloke. "Devíamos preparar-nos para acontecimentos inesperados e, depois, juntamos a isso as alterações climáticas, o que faz aumentar esses acontecimentos inesperados."

O risco que as condições meteorológicas extremas provocadas pelo clima representam para as infraestruturas - não apenas as barragens, mas tudo, desde os edifícios ao abastecimento de água - é global. "Não estamos preparados para os fenómenos extremos que se aproximam de nós", afirmou Cloke.

Continue a ler esta notícia

Relacionados