Morreu esta quarta-feira a cantora Linda de Suza, avança a agência AFP. A artista, cujo nome era Teolinda Joaquina de Sousa Lança, nasceu em Beringel, Beja, e ficou conhecida por vários êxitos musicais, entre os quais “Um Português (Mala de Cartão)”.

Uma publicação na página oficial de Facebook da cantora dá conta de que Linda de Suza, de 74 anos, morreu às 10:10 no Hospital de Gisors, na Normandia, para onde tinha sido transferida durante a madrugada, depois de uma insuficiência respiratória e um teste positivo à covid-19.

A informação foi avançada pelo agente, Fabien Lecoeuvre: "O seu filho João e eu estamos muito tristes por informar da sua morte", pode ler-se.

Cantora emigrante

Linda de Suza estreou-se como cantora no restaurante Chez Loisette, em Saint-Ouen, a cerca de 6,5 quilómetros a norte de Paris, onde foi descoberta pelo compositor André Pascal (1932-2001) que a apresentou, posteriormente, ao compositor Alex Alstone (1903-1982).

A etapa seguinte foi a apresentação da cantora na televisão, no programa “Rendez-Vous du Dimanche", de Michel Drucker, onde interpretou a canção "Un Portugais" (Vine Buggy/Alex Alstone), cujas vendas do single atingiram o Disco de Platina em França em 1979.

A cantora assinara, entretanto, contrato com a discográfica Carrere, depois de recusada pela Barclay, e estava lançado o mote da sua carreira com “Um Português (Mala de Cartão)”, na qual cantou os lamentos da saudade de quem deixou o país, seguindo-se o ‘single’ "Uma moça chorava".

Linda de Suza tornou-se a cantora da comunidade emigrante portuguesa, cantando as suas dificuldades e saudades do país distante, em temas como "J'ai deux pays pour un seul coeur" ou "La Symphonie du Portugal". No seu repertório incluiu temas do cancioneiro popular, nomeadamente “Lírio Roxo” e "Malhão, Malhão", e gravou "Coimbra/Avril au Portugal".

A cantora atuou em Portugal, em 1979, e continuou a bater recordes de vendas na década de 1980, publicando o álbum “Amália/Lisboa" e ‘singles’ como "Canta Português", "L'Etrangère" ou "Comme Vous".

A sua história foi adaptada à televisão, numa minissérie intitulada “Mala de Cartão” (1988), protagonizada por Irene Papas (1919-2021).

Na década de 1990, Linda de Suza deu ainda voz a sucessos como "Simplement vivre", "Tu seras mon père", "Pars sans un adieu" e "Tiroli, Tirola".

Do seu repertório fazem parte "Holà! La Vie", de sua autoria com música de Jean Schmitt, "La Tristesse ne fait de bien à personne", de sua autoria com música de Vine Buggy, "Rien n'arrête le bonheur", "Mulher, ó Mulher", "No olhar do homen que nos ama", "Les oeillets rouges", "C'est toi que j'attendais", "Orfeu Negro", "Maria Dolores", "Canta Shimilimila" ou "Nasci para cantar"

A cantora passou por vários contratempos pessoais, que tiveram eco na imprensa: em 2010, tornou públicas as suas dificuldades financeiras e acusou o companheiro de lhe roubar a identidade; na época, afirmou que vivia com cerca de 400 euros mensais, todavia, Linda de Suza voltou aos palcos e, entre 2014 e 2017, realizou várias digressões.

Em 2020, apresentou um novo projeto, "Postais de Portugal", com qual preparava uma nova digressão que a pandemia de covid-19 obrigou a cancelar.

António Guimarães