"No Messi, refund please": protestos em Hong Kong contra Messi ("verdadeira vergonha") - TVI

"No Messi, refund please": protestos em Hong Kong contra Messi ("verdadeira vergonha")

  • CNN
  • Simone McCarthy e Chris Lau
  • 8 fev, 12:54
Lionel Messi (Philip Fong/AFP/Getty Images)

Há muita ira em curso contra o craque argentino

Para Lionel Messi, deveriam ter sido apenas alguns minutos de trabalho fácil.

Mas o facto de o ídolo do futebol argentino não ter saído do banco de suplentes no que deveria ter sido um jogo amigável de rotina da pré-temporada desencadeou um inesperado pesadelo para as relações públicas num dos mercados desportivos mais lucrativos do mundo onde, até agora, Messi gozava de grande popularidade.

A reação do público na China começou no domingo, quando Messi não se apresentou pelo Inter Miami, clube da Major League Soccer, num jogo amigável em Hong Kong - e aumentou quando o jogador entrou no jogo da equipa no Japão, dias depois.

Messi, que foi declarado indisponível para jogar em Hong Kong, entrou aos 60 minutos da segunda parte contra o Vissel Kobe em Tóquio na quarta-feira - uma participação que pareceu dar energia aos seus companheiros de equipa antes de perderem nos penáltis.

Nas redes sociais da China continental, as críticas a Messi foram um tema dominante. Um vídeo que circulou amplamente parece mostrar um blogger a cortar com uma tesoura a coleção de camisolas de Messi.

Na plataforma chinesa Weibo, muitas pessoas questionaram como o astro conseguiu recuperar-se tão rapidamente três dias após o jogo em Hong Kong. A hashtag sarcástica "milagre médico" foi muito usada.

Outros criticaram o que consideraram ser um desrespeito a Hong Kong e à China.

"Messi tem de dar uma explicação aos adeptos chineses e ao povo chinês", escreveu um utilizador num comentário que teve 59.000 gostos.

"Ele jogou em cinco dos seis jogos da pré-temporada e só faltou ao jogo em Hong Kong, China! Não venhas para a China, a China não te dá as boas-vindas", escreveu outro utilizador numa publicação que teve mais de 20.000 gostos.

A retaliação contra Messi, que tem uma enorme base de fãs na China, segue-se a uma série de casos em que celebridades ou marcas estrangeiras provocaram a ira no país por supostas afrontas.

O incidente ocorre no momento em que Hong Kong tenta melhorar a sua imagem como centro internacional, apesar de estar sob crescente influência da China continental, com Pequim a reforçar o seu controlo sobre a cidade e o seu governo na sequência de protestos em massa pró-democracia em 2019.

Após o jogo de Hong Kong, a frustração e o descontentamento dos adeptos da cidade transformaram-se em indignação em toda a China continental, com vozes influentes como o legislador de Hong Kong Kenneth Fok e o especialista político da China continental Hu Xijin a condenarem o comportamento do jogador e da equipa.

"Porque é que Messi não jogou em Hong Kong ou não participou no aperto de mão com HK (o chefe do executivo de Hong Kong)? E porque é que ele sorriu, correu livremente e parecia em forma no Japão?", escreveu Hu na plataforma social X, referindo-se a um momento durante a cerimónia de entrega de troféus de domingo, pedindo uma "explicação e um pedido de desculpas".

O local do jogo pareceu ser um fator de tensão para muitos - dada a animosidade histórica e os atritos atuais entre a China e o Japão.

O jornal estatal Global Times levou a reação um pouco mais longe, publicando na quarta-feira à noite um editorial em que referia uma "teoria" que sugeria, sem provas, que as ações de Messi e do Inter Miami poderiam estar ligadas a esforços de "forças externas" que desejam envergonhar Hong Kong.

O governo chinês não comentou o incidente.

A não comparência de Messi provoca protestos em Hong Kong a 4 de fevereiro de 2024 (Louise Delmotte/AP

'Nada sincero'

Uma declaração publicada na conta oficial de Messi no Weibo, minutos antes do início do jogo em Tóquio, aparentava ser uma tentativa de acalmar as reacções.

"Foi uma verdadeira vergonha não poder jogar em Hong Kong no outro dia devido a uma lesão na virilha que tinha inchado e que me estava a causar dores", referia o texto, reiterando os comentários que o jogador fez aos jornalistas em Tóquio na terça-feira, acrescentando que espera regressar tanto a Hong Kong como à China continental.

"Quem me conhece sabe que quero sempre jogar, é isso que quero sempre, dar o meu melhor em qualquer jogo. E especialmente nestes jogos em que viajamos para tão longe e os adeptos estão entusiasmados por nos verem entrar no jogo de forma saudável", refere a declaração, publicada em chinês e espanhol.

Mas o endereço IP da declaração mostrava que tinha sido publicada na província chinesa de Sichuan, a cerca de 3.400 quilómetros de Tóquio, o que provocou críticas na Internet. As principais plataformas de redes sociais na China exigem que os utilizadores mostrem a localização do seu endereço IP. "Isto não é sincero de todo", escreveu um utilizador do Weibo em resposta.

Outros utilizadores foram agressivos. "Não voltem a aparecer se não conseguirem dar uma explicação razoável. Estão a poluir o ar da China por estarem aqui. Apoiem o governo de Hong Kong".

A situação é o exemplo mais recente de como a reação contra marcas ou celebridades pode rapidamente tornar-se numa bola de neve na esfera altamente nacionalista das redes sociais chinesas - em alguns casos, com o potencial de ramificações comerciais significativas no principal mercado consumidor do país.

Os chamados diplomatas "lobos-guerreiros" da China e outras agências governamentais também fizeram declarações públicas incisivas nesses casos.

Num desses incidentes, em 2019, a Associação Nacional de Basquetebol parecia estar em risco de perder a sua posição lucrativa no país, depois do diretor-geral dos Houston Rockets ter manifestado o seu apoio aos manifestantes de Hong Kong.

O futebol é um desporto extremamente popular na China e os principais clubes fazem frequentemente paragens no país, o que pode constituir uma digressão de pré-época altamente lucrativa.

O apoio fervoroso a Messi tomou conta da China continental no verão passado, depois da seleção argentina ter jogado uma partida amigável contra a Austrália em Pequim. Essa foi a sétima vez que o astro esteve na China, e a oitava pode acontecer em março, quando a Argentina tem dois amigáveis agendados no país.

Esta semana, a página da rede social de uma empresa chinesa de bebidas cuja campanha de produtos apresenta Messi também foi inundada com comentários pedindo um boicote ou "rescisão de contrato".

Para além de Messi, o coproprietário do Inter de Miami, David Beckham, também foi atingido pela onda de críticas, tendo a sua conta verificada no Weibo sido inundada de comentários furiosos ao longo desta semana. A CNN contactou Beckham para comentar o assunto.

Após o jogo de Hong Kong, o treinador do Inter Miami, Gerardo "Tata" Martino, explicou que a decisão de não colocar Messi em campo foi tomada muito em cima da hora e sob recomendação da equipa médica do clube. Ele também pediu desculpas aos adeptos.

Num comunicado separado enviado aos meios de comunicação social de Hong Kong, o Inter Miami lamentou que Messi e o colega Luis Suárez não pudessem jogar devido a lesões e apesar das "melhores intenções" da equipa. O clube não respondeu a um pedido de comentário da CNN.

Indignação em Hong Kong

A indignação surge no momento em que as autoridades de Hong Kong pretendem restaurar a imagem internacional da cidade, que foi prejudicada por anos de rigorosos controlos anti-Covid e pela repressão das liberdades civis na sequência dos protestos pró-democracia em massa e por vezes violentos de 2019.

O jogo Inter Miami foi amplamente promovido pelo organismo organizador na cidade durante meses, com Messi em destaque nos anúncios publicitários. O jogo esgotado, com alguns bilhetes a preços exorbitantes, fez parte da campanha da cidade para acolher "megaeventos" destinados a impulsionar a retoma do turismo.

O Governo de Hong Kong emitiu várias declarações expressando a sua "extrema" desilusão com o resultado, numa altura em que se esforçava por responder à indignação da opinião pública relativamente ao jogo de domingo - e evitar tornar-se um alvo.

Na quarta-feira, após o jogo de Tóquio, as autoridades de Hong Kong rapidamente divulgaram um comunicado exigindo que a Inter Miami explicasse como Messi parecia ter jogado de forma tão "ativa e ágil" no Estádio Nacional do Japão.

Vários políticos pró-Pequim também usaram a internet para criticar Messi.

Entre eles, a veterana legisladora Regina Ip, também conselheira de alto escalão do chefe do executivo de Hong Kong, classificou o desprezo de Messi de "deliberado e calculado", dizendo que " as suas mentiras e hipocrisia são nojentas". "Messi nunca deveria ser autorizado a regressar a Hong Kong", declarou no X.

Mas há quem questione se tal reação ajudaria nos esforços das autoridades para melhorar a atratividade de Hong Kong.

"Embora o governo tenha tentado arduamente atrair o mundo de volta, as mudanças de humor e as explosões ocasionais têm o efeito oposto, minando a confiança já que o clima se tornou mais volátil e menos previsível", afirmou Kenneth Chan, professor associado da Universidade Batista de Hong Kong, que estabeleceu paralelos com a retórica do chamado "lobo-guerreiro" utilizada pelas autoridades no continente.

Muitos utilizadores das redes sociais em Hong Kong continuaram a criticar Messi e a exprimir a sua frustração com a oportunidade perdida e os fundos desperdiçados, mas outros também questionaram a forma como a resposta se iria repercutir na cidade.

Um utilizador das redes sociais observou que não foi só Messi que jogou em Tóquio, mas também Hong Kong. A capital japonesa também recebe esta semana a estrela pop Taylor Swift para uma das duas únicas paragens asiáticas da sua digressão Eras Tour.

"Tóquio é a verdadeira 'capital dos megaeventos'", escreveu o utilizador.

Continue a ler esta notícia

EM DESTAQUE