Governo de Montenegro é o terceiro com mais mulheres na história da democracia - TVI

Governo de Montenegro é o terceiro com mais mulheres na história da democracia

  • Agência Lusa
  • AFM
  • 28 mar, 19:38
Novo Governo (LUSA)

Há sete mulheres em 17 ministérios no novo Executivo

O XXIV Governo Constitucional vai integrar 17 ministros além do primeiro-ministro, um número semelhante ao do último executivo de António Costa, e será o terceiro mais paritário da democracia, com 41% da equipa governamental composta por mulheres.

Segundo a composição do Governo hoje proposta pelo primeiro-ministro indigitado, Luís Montenegro, e a que o Presidente da República deu assentimento, o executivo terá um total de 17 ministros.

Este número é igual ao do último Governo de António Costa, que agora termina funções, e também ao primeiro liderado pelo primeiro-ministro cessante, que tomou posse em 2015.

De resto, é preciso recuar ao início do século para encontrar executivos com números semelhantes: tanto o XV Governo Constitucional (2002-2004), liderado por Durão Barroso, como o XIV (1999-2002), que tinha António Guterres como primeiro-ministro, tinham igualmente 17 ministros.

Na história da democracia portuguesa, houve seis executivos com 17 ministros, sem contar com o primeiro-ministro, e só quatro, num total de 23, tiveram um número superior.

O último Governo de Aníbal Cavaco Silva (1991-1995), o primeiro de António Guterres (1995-1999) e o executivo de Santana Lopes (2004-2005) tomaram todos posse com 18 ministros. Já o XXII Governo Constitucional (2019-2022), o segundo de António Costa, iniciou funções com 19 ministros, o maior número na história da democracia portuguesa.

Em termos de igualdade de género, o executivo hoje apresentado por Luís Montenegro ao Presidente da República é o terceiro mais paritário da história da democracia portuguesa, com 41% da equipa governamental composta por mulheres, menos do que os últimos dois executivos.

Há, no total, sete mulheres: Rita Júdice (ministra da Justiça), Margarida Blasco (ministra da Administração Interna), Ana Paula Martins (ministra da Saúde), Maria do Rosário Palma Ramalho (ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social), Maria da Graça Carvalho (ministra do Ambiente e da Energia), Margarida Balseiro Lopes (ministra da Juventude e Modernização) e Dalila Rodrigues (ministra da Cultura).

Este número só é ultrapassado por dois executivos de António Costa: o XXII e o XXIII Governo Constitucional, que agora termina funções. Este último foi o executivo que tomou posse com mais mulheres na história da democracia portuguesa (nove) e o primeiro composto por mais ministras do que ministros, com 52% da equipa governamental a ser integrada por mulheres.

Em relação ao XXII Governo Constitucional, o segundo de Costa, o executivo hoje apresentado por Luís Montenegro só tem menos uma mulher (sete, contra oito), mas a proporção é quase semelhante: atualmente são 41%, contra 42% em 2019.

Continue a ler esta notícia