EUA e Canadá sancionam Bielorrússia três anos após a reeleição de Lukashenko - TVI

EUA e Canadá sancionam Bielorrússia três anos após a reeleição de Lukashenko

  • Agência Lusa
  • AM
  • 10 ago 2023, 00:00
Presidente da Bielorrúsia, Alexander Lukashenko (Sergei Guneyev, Sputnik, Kremlin/AP)

Chefe da diplomacia canadiana revelou que a União Europeia, Reino Unido e Nova Zelândia planeiam ações paralelas

Relacionados

Os EUA e o Canadá aplicaram esta quarta-feira novas sanções à Bielorrússia, três anos após os grandes protestos contra a reeleição do presidente Alexander Lukashenko, enquanto Minsk classificou as denúncias de fraude eleitoral pela União Europeia como “acusações falsas”.

Após a eleição presidencial de 9 de agosto de 2020, um vasto movimento de protesto levou centenas de milhares de bielorrussos às ruas para denunciar a fraude eleitoral que resultou na reeleição de Lukashenko, no poder desde 1994.

As manifestações foram dispersadas à força e centenas de pessoas foram detidas e dezenas de milhares conduzidas ao exílio.

Os Estados Unidos, que já impuseram sanções à Bielorrússia, revelaram hoje a adoção de novas medidas, incluindo contra a companhia aérea Belavia e um magnata do tabaco próximo de Lukashenko.

Além das sanções do Departamento do Tesouro dos EUA contra oito indivíduos e cinco entidades, o Departamento de Estado revelou que impôs proibições de visto a 101 autoridades bielorrussas.

"Os Estados Unidos continuam ao lado do bravo povo da Bielorrússia que deseja viver num país onde prevaleçam o Estado de direito, o respeito pelos direitos humanos e um governo democraticamente eleito", frisou o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, em comunicado.

Em Otava, a ministra dos Negócios Estrangeiros do Canadá, que classifica as eleições de 2020 como fraudulentas, impôs sanções contra nove indivíduos e sete entidades "em resposta a graves e sistemáticas violações dos direitos humanos".

"Os perpetradores de abusos dos direitos humanos não devem ter direito à impunidade", destacou Mélanie Joly, acrescentando que o "apoio da Bielorrússia aos atos vergonhosos da liderança russa não ficará impune".

A chefe da diplomacia canadiana revelou que a União Europeia (UE), Reino Unido e Nova Zelândia planeiam ações paralelas.

Aliada de Moscovo, a Bielorrússia permitiu que a Rússia utilizasse o seu território para a sua ofensiva na Ucrânia lançada em 2022, agravando as tensões com os países ocidentais.

Por sua vez, o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Bielorrússia, numa declaração hoje divulgada, afirmou que "a Bielorrússia conseguiu manter e fortalecer o seu estatuto, apesar das sanções ilegais, do fechamento do espaço aéreo e do bloqueio de fronteiras, da pressão no campo da informação e das provocações de alguns membros da UE”.

O governo liderado por Lukashenko denunciou também julgamentos "baseados em acusações falsas e banais" que "não podem influenciar o caminho" escolhido por Minsk e acusou a UE de levar a cabo uma "política agressiva", exigindo o reconhecimento da vitória de Lukashenko nas eleições de 2020.

Antes, o chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, tinha criticado a forma como os protestos de 2020 foram "reprimidos com extrema brutalidade pelo regime de Lukashenko".

Borrell também acusou a Bielorrússia de se ter tornado uma "ameaça à segurança regional e internacional".

Continue a ler esta notícia

Relacionados