Ex-padre acusado de abuso sexual de menor assume “factos que vivenciou” na Madeira - TVI

Ex-padre acusado de abuso sexual de menor assume “factos que vivenciou” na Madeira

  • Agência Lusa
  • NM
  • 12 out 2023, 16:16

Crimes remontam a setembro de 2018, quando Anastácio Alves exercia funções em França

O ex-padre madeirense Anastácio Alves, acusado de cinco crimes de abuso sexual contra um menor, assumiu esta quinta-feira no Tribunal do Funchal os “factos que vivenciou”, indicou o advogado de defesa, no final da primeira audiência do julgamento.

“Ele fez aquilo que dissemos deste a primeira hora, veio colaborar com a Justiça e, portanto, prestou as declarações, referiu os factos que ele vivenciou”, disse o advogado Miguel dos Santos Pereira, vincando que o arguido respondeu a “tudo o que lhe foi perguntado", bem como “assumiu o que havia para assumir”.

Na primeira audiência do julgamento, que decorre à porta fechada por determinação da juíza Carla Meneses, presidente do coletivo, foram também ouvidas duas testemunhas de acusação – a avó e a mãe da vítima.

O julgamento prossegue no dia 16 de novembro, na secção criminal do Juízo Central do Funchal, com audição das restantes testemunhas de acusação e de algumas testemunhas de defesa.

De acordo com uma nota divulgada no ‘site’ do Ministério Público (MP) em janeiro deste ano, o antigo padre foi acusado, em março de 2022, de quatro crimes de abuso sexual de crianças e um crime de atos sexuais com adolescente, sempre com a mesma vítima, tendo sido realizadas diligências para o localizar, em França e Portugal, que “resultaram infrutíferas”.

Entretanto, em fevereiro deste ano, o jornal 'online' Observador divulgou que o ex-sacerdote tentou entregar-se na Procuradoria-Geral da República, em Lisboa, mas acabou por não ser recebido pela Procuradora-Geral da República, Lucília Gago, nem notificado formalmente da acusação do Ministério Público.

Anastácio Alves foi informado de que se deveria apresentar no Tribunal da Comarca da Madeira, a instância onde corre os termos do processo em que é acusado.

Em setembro de 2018, quando Anastácio Alves exercia funções em França, a Diocese do Funchal comunicou o seu afastamento da ação pastoral por suspeita de abuso sexual de um menor na região autónoma.

A primeira sessão do julgamento estava inicialmente agendada para 28 de setembro, mas foi adiada devido à greve dos funcionários judiciais.

Continue a ler esta notícia