Suspeito de tiroteio no Maine encontrado morto - TVI

Suspeito de tiroteio no Maine encontrado morto

  • CNN
  • Holly Yan, John Miller e Aya Elamroussi
  • 28 out 2023, 02:31
Robert Card (Lewiston Maine Police Department via AP)

O reservista do Exército dos EUA acusado de matar 18 pessoas e ferir outras 13 num tiroteio numa pequena cidade do Maine, esta semana, morreu na sequência de um ferimento de bala aparentemente auto-infligido na cabeça, segundo disseram várias fontes à CNN.

Robert Card, de 40 anos, foi encontrado morto nos bosques perto de Lisbon, a cerca de 13 quilómetros de Lewiston, onde ocorreu o tiroteio de quarta-feira, disseram as mesmas fontes.

A perseguição de dois dias levou a ordens às populações de que se abrigassem e ao encerramento de escolas e empresas, uma vez que as autoridades policiais perseguiam Card furiosamente depois do ataque de quarta-feira numa pista de bowling e num restaurante em Lewiston. O ataque foi o tiroteio mais mortífero nos EUA desde o massacre do ano passado numa escola em Uvalde, Texas.

A Polícia do Estado do Maine tenciona dar uma conferência de imprensa esta noite.

A arma que os investigadores acreditam ter sido usada por Card para executar o massacre foi comprada legalmente poucos dias antes de ele ser hospitalizado e submetido a uma avaliação psiquiátrica, de acordo com várias fontes policiais.

Em meados de julho, a Polícia do Estado de Nova Iorque foi chamada a Camp Smith em Cortlandt, Nova Iorque, a base militar onde Card serviu, porque ele estava a agir de forma "beligerante e possivelmente intoxicado", de acordo com uma fonte informada sobre o assunto. Três fontes policiais confirmam que a polícia estadual levou Card para um hospital próximo, onde foi tratado por suspeita de intoxicação e libertado no dia seguinte. Quando lhe foram pedidas informações sobre o encontro, um porta-voz da Polícia do Estado de Nova Iorque disse à CNN: "Esta é uma investigação ativa, e a Polícia do Estado de Nova Iorque não comenta investigações activas".

Uma fonte policial federal disse à CNN que o exército deu a Card uma "Referência de Comando" para procurar tratamento depois de ele ter dito ao pessoal do exército em Camp Smith que Card estava a "ouvir vozes" e tinha pensamentos sobre "magoar outros soldados". Um porta-voz da Guarda Nacional confirmou à CNN que Card foi transportado para o Hospital Comunitário do Exército Keller, nas proximidades, na Academia Militar dos Estados Unidos, para "avaliação médica", depois de oficiais da Reserva do Exército terem denunciado Card por "comportamento errático".

Os encontros de Card com a Polícia do Estado de Nova Iorque e com os seus superiores da Guarda Nacional ocorreram apenas 10 dias depois de Card ter comprado a espingarda de alta potência numa loja de armas do Maine, de acordo com fontes policiais. A espingarda era um Ruger SFAR com câmara para munição .308 de alta potência, acrescentaram as fontes. A munição .308 é a preferida dos atiradores militares que disparam a longa distância e dos caçadores de caça grossa. É maior e mais potente do que as munições normais transportadas nas espingardas dos soldados e das equipas das forças de intervenção.

Fontes dizem que a arma encontrada no interior do Subaru Outback branco de Card, de 2013, parece ser a mesma disparada pelo atirador no bowling e num bar local, embora não tenha sido confirmada a correspondência balística. A arma será processada pelo FBI e pela ATF para recolha de impressões digitais e de ADN e, em seguida, será submetida a testes laboratoriais para determinar se as balas e os invólucros encontrados no local do crime coincidem.

Na mesma compra de julho, além da espingarda, as fontes dizem que Card comprou também uma pistola semi-automática Beretta 92-F 9mm. Trata-se da pistola de série das forças armadas americanas.

Eis o que sabemos sobre o suspeito do tiroteio em massa no Maine

Os investigadores haviam encontrado uma nota deixada pelo suspeito, que não revela um motivo.

Embora o motivo do massacre permaneça incerto, surgiu uma teoria fundamental na investigação, segundo fontes policiais.

Card separou-se recentemente de uma namorada de longa data, e os investigadores estão a seguir a teoria de que Card foi ao bowling e ao bar porque eram locais que o casal costumava frequentar, disseram fontes policiais a John Miller, da CNN.

Os investigadores acreditam que a ex-namorada se tinha inscrito para jogar num torneio no bar na quarta-feira à noite, disseram as fontes. De acordo com a página do Facebook do Schemengees Bar and Grill, quarta-feira é a "Noite da Indústria", que atrai funcionários de outros bares e restaurantes na área de Lewiston.

O massacre no Maine é o mais mortífero de pelo menos 566 tiroteios em massa ocorridos nos EUA até agora este ano, segundo o Gun Violence Archive. Com 18 vítimas mortais, o tiroteio em massa é também o mais mortífero desde o massacre de Uvalde, em maio de 2022, quando 21 pessoas foram mortas a tiro numa escola primária do Texas.

Como se desenrolou o terror

O horror começou por volta das 19h de quarta-feira em Lewiston, onde as autoridades dizem que Card abriu fogo na Just-in-Time Recreation e, mais tarde, no Schemengees Bar & Grille. Além das 18 pessoas mortas, outras 13 ficaram feridas, informou na quinta-feira a governadora Janet Mills.

A polícia chegou ao local poucos minutos depois das chamadas para o 112 feitas a partir dos locais dos disparos.

O tiroteio e a subsequente caça ao homem levaram a ordens às populações de que se abrigassem, nos condados de Androscoggin e do norte de Sagadahoc, que englobam Lewiston e as comunidades vizinhas de Auburn e Lisbon. As ordens foram levantadas na sexta-feira à tarde.

Continue a ler esta notícia