O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, recordou este sábado Bento XVI como “um símbolo de estabilidade e de defesa dos valores da Igreja Católica”.

Marcelo enviou uma mensagem de condolências ao Papa Francisco pela morte do papa emérito Bento XVI-

“O Presidente da República sublinhou que ao longo dos seus oito anos de Pontificado, o Papa Bento XVI permaneceu um símbolo de estabilidade e de defesa dos valores da Igreja Católica: o Amor ao próximo, a Solidariedade e o apoio aos mais pobres e aos mais desprotegidos e a importância do Perdão e da Reconciliação”, escreveu

O Chefe de Estado recordou a visita apostólica de Bento XVI em Portugal, em maio de 2010, por ocasião do 10.º aniversário da beatificação dos Pastorinhos de Fátima, Francisco e Jacinta Marto, “não esquecendo as palavras de apreço então expressas relativamente ao nosso país”.

Já o primeiro-ministro António Costa recorreu ao Twitter para prestar homenagem ao Papa emérito, recordando a visita de Bento XVI a Lisboa, quando era autarca.

“Quero exprimir os meus votos de pesar a toda a comunidade católica pelo falecimento do Papa emérito Bento XVI. Recordo a honra de o ter acolhido em Lisboa, quando era presidente da Câmara, e a bela celebração a que presidiu no renovado Terreiro do Paço”, escreveu.

Também o presidente da Assembleia da República já reagiu a esta morte, com uma publicação no Twitter: “A morte de Bento XVI mergulha em luto profundo a Igreja Católica e os seus fiéis. Homenageio a sua memória, destacando a estatura intelectual e o gesto fundacional da resignação”.

Também o ex-Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, expressou que foi com “profunda emoção” que recebeu a notícia da morte de Bento XVI. “Um homem de uma extraordinária cultura e grande serenidade, cujo legado perdurará muito para além dos seus dias terrenos”, escreveu. Cavaco Silva recordou a visita que fez ao Vaticano em 2008 e a vinda do então Papa a Portugal em 2010.

Reações em todo o mundo

Vários protagonistas da política internacional têm recorrido às redes sociais. Roberta Metsola, presidente do Parlamento Europeu, disse estar  triste pelo falecimento, partilhando uma frase da autoria de Bento XVI: “Não tenhas medo do mundo, nem do futuro, nem da tua fraqueza”.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, destacou que Bento XVI deu “um sinal forte ao ter renunciado”. “Viu-se primeiro como um servo de Deus e da sua Igreja. Uma vez que a sua força física diminuiu, continuou a servir através do poder das orações”, escreveu no Twitter.

O chancelar alemão Olaf Scholz referiu que o Papa Emérito foi "um líder especial da Igreja". No Twitter o chanceler alemão escrevei que "o mundo perdeu uma das figuras formativas da Igreja Católica”

Na mesma rede social, o primeiro-ministro britânico Rishi Sunak recordou Ratzinger como um grande teólogo e destacou a sua visita ao Reino Unido em 2010 como um momento histórico.

O presidente francês, Emmanuel Macron, destacou o trabalho e a inteligência do Papa emérito. “O meu pensamento dirige-se aos católicos de França e do mundo inteiro, em luto pela partida de Sua Santidade Bento XVI, que trabalhou com alma e inteligência por um mundo mais fraterno”.

Também a primeira-ministra da Itália, Giorgia Meloni, lamentou a morte do papa emérito Bento XVI, afirmando que o religioso foi "um gigante da fé e da razão". No Twitter, a líder do partido de extrema-direita Irmãos da Itália disse que o Papa emérito  "pôs a sua vida ao serviço da Igreja universal e falou, e continuará a falar, aos corações e às mentes dos homens com a profundidade espiritual, cultural e intelectual do seu magistério".

Por sua vez, o secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, prestou homenagem à memória do papa emérito Bento XVI, elogiando o seu "tenaz compromisso com a não-violência e a paz". "Os seus poderosos apelos à solidariedade com as pessoas marginalizadas em todo o lado e as suas exortações para reduzir o fosso crescente entre ricos e pobres são mais relevantes do que nunca", disse em comunicado.

Morreu aos 95 anos

O papa emérito Bento XVI, que morreu este sábado com 95 anos. Joseph Ratzinger abalou a Igreja ao resignar ao pontificado por motivos de saúde, a 11 de fevereiro de 2013, a dois meses de comemorar oito anos no cargo. Foi o primeiro a fazê-lo em 600 anos.

A notícia foi confirmada pelo Vaticano. Joseph Ratzinger encontrava-se, há vários dias, em estado grave.

“É com pesar que informo que o Papa emérito, Bento XVI, faleceu hoje às 9:34 no mosteiro Mater Ecclesiae, no Vaticano. Mais informação será disponibilizada mal seja possível”, informou o porta-voz do Vaticano.

O Vaticano já informou que os restos mortais de Joseph Ratzinger estarão em câmara ardente na Basílica de São Pedro na próxima segunda-feira.

Wilson Ledo