Maria Manuel Cruz vai assumir a presidência da Câmara de Espinho, sucedendo a Miguel Reis, detido no âmbito da operação Vórtex, que esta quinta-feira renunciou ao mandato à frente da autarquia, anunciou em comunicado o município.

“Na sequência da renúncia ao mandato autárquico por parte de Miguel Reis e dando cumprimento aos procedimentos previstos na lei, será a vereadora Maria Manuel Cruza assumir a Presidência da Câmara Municipal de Espinho”, lê-se no documento.

A nova presidente ocupava o terceiro lugar nas listas do Partido Socialista nas eleições autárquicas de 2021 e exercia, até hoje, os pelouros da Educação, Cultura, Ambiente e Modernização Administrativa, acrescenta o documento.

Álvaro Monteiro, número dois da lista, que exercia funções de vice-presidente da autarquia em regime de não permanência, renunciou também ao mandato, não assumindo a presidência da autarquia por impossibilidade de compatibilizar a sua atividade profissional enquanto médico e diretor no Centro Hospitalar de Vila Nova Gaia/Espinho com essas funções, explica a autarquia do distrito do Porto.

Maria Manuel Cruz nasceu em Espinho há 63 anos e é professora de física e química, com mais de 36 anos ao serviço da escola pública, lê-se na nota biográfica.

Miguel Reis revelou hoje, em comunicado enviado à Lusa, renunciar ao seu mandato como presidente da Câmara Municipal de Espinho após ter sido envolvido numa investigação sobre corrupção envolvendo interesses imobiliários.

“Na sequência das diligências efetuadas no âmbito da Operação Vórtex, tomei, de livre e espontânea vontade, a decisão de renunciar, com efeitos imediatos, ao mandato para o qual fui eleito na Câmara Municipal de Espinho e, consequentemente, nas instituições onde, por inerência de funções, representava a autarquia. Uma renúncia que se estende às funções que exercia nos diferentes níveis de organização do Partido Socialista”, revelou o político.

/ RL