Como a marijuana afeta a dor, o sono, a ansiedade e muito mais - TVI

Como a marijuana afeta a dor, o sono, a ansiedade e muito mais

  • CNN
  • Sandee LaMotte
  • 10 set 2023, 09:00
Canábis. Foto: Adobe Stock

Estudos científicos mais recentes iluminam quais são os benefícios e os malefícios do consumo.

Está a consumir - ou a pensar consumir - marijuana para ajudar com a ansiedade, a dor, os espasmos musculares, as náuseas durante a gravidez, o sono deficiente e muito mais? Poderá ficar surpreendido ao descobrir que existem poucas provas de qualidade sobre os benefícios da marijuana, de acordo com uma nova análise de mais de 100 ensaios clínicos e meta-análises.

"Após a aplicação de critérios quantitativos muito rigorosos, e tendo em conta tanto os estudos observacionais como os ensaios experimentais, a maioria das associações entre a canábis e os resultados de saúde foram apoiadas por uma credibilidade muito baixa ou baixa", afirmou o autor do estudo, o médico Marco Solmi, professor associado de psiquiatria na Universidade de Otava e investigador no Instituto de Investigação do Hospital de Otava, no Canadá.

Na verdade, muitas das provas mais convincentes do estudo apontavam para os potenciais danos do consumo de marijuana, especialmente para as mulheres grávidas, para qualquer pessoa com uma perturbação de saúde mental e para os adolescentes e jovens adultos, que constituem atualmente a maioria dos consumidores de canábis.

"As conclusões mais preocupantes são os efeitos prejudiciais multidimensionais da canábis sobre o funcionamento do cérebro, reflectidos nas associações com uma cognição deficiente (e) perturbações mentais", afirmou Solmi.

"Se juntarmos estes resultados ao facto de quase 2/3 das pessoas com perturbações mentais terem início antes dos 25 anos, parece razoável afirmar que a canábis deve ser evitada nas camadas mais jovens da população", afirmou.

A revisão encontrou alguns benefícios do consumo de canábis, particularmente na "redução de convulsões, dor crónica e espasmos musculares", disse Carol Boyd, directora fundadora do Centro para o Estudo de Drogas, Álcool, Tabagismo e Saúde da Universidade de Michigan em Ann Arbor, nos EUA, que não esteve envolvida no estudo.

No entanto, a maioria dos estudos sobre convulsões, náuseas e dor investigaram o impacto da canábis sintética ou de extractos cuidadosamente elaborados, disse o farmacologista clínico Robert Page II, que presidiu ao grupo de redação médica para a declaração científica de 2020 da American Heart Association sobre a marijuana. Page também não esteve envolvido no estudo.

Esses medicamentos à base de canábis produzidos em laboratório têm padrões extremamente elevados e podem até ser regulamentados pela Food and Drug Administration, o regulador dos EUA, o que não é o caso da maioria dos produtos que o público pode comprar no seu dispensário de canábis local, disse Page.

"Por isso, do ponto de vista da saúde pública, não quero que as pessoas leiam isto e digam: "Oh, posso ir ao meu dispensário e tratar das minhas dores'. A resposta é não, porque os produtos que os pacientes estão a usar no mundo real raramente são avaliados nestes estudos".

Onde a marijuana pode prejudicar

Saúde mental: Quando se trata de aliviar os sintomas de ansiedade, depressão e outros distúrbios mentais, a análise não encontrou nenhum benefício. Na verdade, o oposto é verdadeiro, disse Solmi.

A saúde mental pode ser dramaticamente afetada pela canábis, segundo a análise. O consumo da droga aumenta o risco de aparecimento de uma perturbação psicótica ou de saúde mental e o consumo após o aparecimento de uma perturbação mental piora os resultados clínicos, segundo o estudo.

"Por exemplo, em pessoas com psicose, a canábis aumenta o risco de recaída e piora a cognição", explicou Solmi.

A psicose, frequentemente definida como uma perturbação emocional tão grave que a pessoa perde o contacto com a realidade, pode ocorrer em pessoas com esquizofrenia, perturbação bipolar ou depressão grave. Também pode ser desencadeada por "privação de sono, certos medicamentos prescritos e o uso indevido de álcool ou drogas", de acordo com o Instituto Nacional de Saúde Mental dos EUA.

Gravidez: as mulheres grávidas recorrem com demasiada frequência à canábis para aliviar as náuseas, especialmente durante o primeiro trimestre, segundo estudos efectuados. No entanto, a revisão encontrou provas "convincentes" de uma ligação entre o consumo de canábis e o risco de ter um bebé pequeno e de baixo peso à nascença.

"A maior parte da literatura sobre as náuseas durante a gravidez diz respeito à canábis de prescrição médica, que é fabricada sinteticamente e cuidadosamente controlada no que se refere à dose, qualidade e níveis de THC", afirmou Page.

O delta-9-tetrahidrocanabinol, ou THC, é a parte da planta da canábis que produz uma "moca" - uma das principais razões pelas quais a marijuana ajuda nas náuseas e nas dores, acrescentou.

"Altera a perceção, o que pode afetar a experiência da dor", disse Page. "Não recomendo que as mulheres grávidas usem canábis porque está associada a um baixo peso à nascença e, com base em dados de animais, pode ter efeitos no cérebro do feto. A canábis também pode ser transmitida ao bebé durante a amamentação - porquê correr o risco quando existem outras opções mais seguras?"

Adolescência e início da idade adulta: Alterar a perceção e a realidade enquanto o cérebro ainda se está a desenvolver, como acontece durante a adolescência e até aos 20 e poucos anos, é perigoso para a cognição e a saúde mental, segundo a revisão.

"Os adolescentes e os jovens adultos, em particular, devem estar cientes de que a canábis pode ter efeitos prejudiciais para a sua saúde mental, devem receber informação adequada sobre os efeitos da canábis, não devem consumir canábis ou devem monitorizar a sua saúde mental se decidirem consumi-la", acrescentou.

Além dos sintomas psiquiátricos, os ensaios clínicos encontraram provas convincentes da relação entre a canábis e os efeitos negativos na memória, na cognição verbal e na recordação visual, refere o estudo.

"A canábis piora vários domínios da cognição", afirmou Solmi. "O nosso trabalho não consegue responder se os efeitos são permanentes ou não, e devem ser realizados mais estudos sobre este tema."

Os jovens devem "parar de usar canábis se notarem uma queda nas realizações educacionais, conexões sociais, saúde mental ou funcionamento em geral", acrescentou.

Onde a marijuana pode ajudar

As áreas em que a marijuana tem demonstrado ajudar incluem distúrbios convulsivos, espasmos musculares, dor crónica e sono - mas apenas para certas pessoas, segundo o estudo.

"O canabidiol (CBD) é benéfico para a epilepsia e os medicamentos à base de canábis podem melhorar a espasticidade em pessoas com esclerose múltipla, a dor em condições de dor crónica (e) o sono em pessoas que sofrem de cancro", afirmou Solmi.

"De um modo geral, a canábis foi eficaz na melhoria da dor através de múltiplas medidas de dor em diferentes populações. No entanto, "não há provas de que a canábis melhore o sono na população em geral".

E ninguém que sofra de qualquer uma destas doenças deve automedicar-se com canábis, sublinhou Solmi.

"As pessoas que sofrem de epilepsia, esclerose múltipla ou dor crónica devem procurar aconselhamento médico e não devem auto-tratar os sintomas com canábis, uma vez que esta pode estar associada a eventos adversos, tal como qualquer substância ou medicamento que é habitualmente prescrito", afirmou Solmi.

Ainda assim, a revisão encontrou conclusões com elevada certeza em qualquer direção - positiva ou negativa - eram poucas e distantes entre si, disse Cinnamon Bidwell, professor associado de psicologia e neurociência na Universidade do Colorado Boulder, que não esteve envolvido na investigação.

"Esta literatura tem sido fortemente limitada por barreiras regulamentares que restringem a investigação sobre a canábis", afirmou. "A maior conclusão a retirar deste resumo é a necessidade de abrir caminhos para que os investigadores possam realizar muitos mais ensaios rigorosos e válidos sobre os danos e os benefícios das formas de canábis acessíveis nos mercados legais."

Continue a ler esta notícia