Parecia que “um comboio estava a passar no meio da sala”, agora “estamos à espera de milagres entre os escombros”. Testemunhos do sismo em Marrocos - TVI

Parecia que “um comboio estava a passar no meio da sala”, agora “estamos à espera de milagres entre os escombros”. Testemunhos do sismo em Marrocos

  • CNN
  • Celine Alkhaldi e Teele Rebane
  • 9 set 2023, 12:49
Sismo em Marraquexe, Marrocos (Getty Images)

Testemunhas oculares descrevem a destruição no sopé das montanhas do Atlas após o terramoto

Fatima, 50 anos, conta à CNN que a sua casa na cidade de Asni, no sopé das montanhas do Alto Atlas, foi destruída pelo terramoto.

“Mal tive oportunidade de pegar nas crianças e sair a correr, vi a minha casa a desmoronar-se à minha frente. A casa do vizinho também se desmoronou e há duas pessoas mortas debaixo dos escombros”, disse.

Fatima acrescentou que a ajuda ainda não chegou à cidade remota. “Não há ninguém aqui para ajudar a retirar os mortos de debaixo dos escombros... a aldeia está em muito mau estado. Há destruição por todo o lado".

Mohammed, 50 anos, da cidade vizinha de Ouirgane, perdeu quatro membros da família no terramoto. “Consegui sair em segurança com os meus dois filhos, mas perdi o resto. A minha casa foi-se”, disse.

As operações de salvamento estão atualmente em curso: “Estamos nas ruas com as autoridades enquanto tentam retirar os mortos dos escombros. Muitas, muitas pessoas foram transportadas para o hospital à minha frente. Estamos à espera de milagres entre os escombros”, afirmou.

Mustapha Louaanabi, que também vive no sopé das montanhas do Atlas, descreveu o momento em que o terramoto ocorreu dizendo que houve "ruídos altos e ensurdecedores" e que parecia que “um comboio estava a passar mesmo no meio da sala de estar”.

A sua família fugiu para o exterior, onde permaneceu durante o resto da noite, pois as réplicas continuaram até às 8 da manhã. “Ninguém dormiu toda a noite por causa das réplicas e o barulho dos abalos criou o pânico”, disse.

A casa de Louaanabi sobreviveu ao terramoto, mas uma cidade vizinha foi arrasada e os habitantes locais não conseguem retirar os corpos de debaixo dos escombros. Muitas das aldeias no sopé das montanhas do Atlas, perto do epicentro do terramoto, estão isoladas e são de difícil acesso.

 

Continue a ler esta notícia