As máscaras ainda são uma boa ideia quando se vai ao médico, avisa estudo - TVI

As máscaras ainda são uma boa ideia quando se vai ao médico, avisa estudo

  • CNN
  • Jen Christensen
  • 21 mai 2023, 12:00
Mulher com máscara de proteção facial. (AP Photo/Rick Bowmer)

Uma das principais razões pelas quais os investigadores defendem que as pessoas devem usar máscaras nos locais de prestação de cuidados de saúde é o facto de as pessoas que trabalham nesses locais, por uma série de razões, serem "conhecidas por irem trabalhar doentes"

Relacionados

No terceiro ano da pandemia de covid-19, os cartazes que pedem a todos para usar máscara desapareceram em grande parte de locais como mercearias e escolas. Mas permanecem em muitos consultórios médicos e um estudo publicado esta semana diz que ainda são uma boa ideia.

Mesmo após o fim da declaração de emergência de saúde pública em todo o mundo, e com muitos a abandonarem os cuidados contra a pandemia, as máscaras continuam a oferecer alguma proteção, reduzindo o risco de contrair covid-19 num ambiente comunitário, como numa interação entre médico e paciente, de acordo com o estudo, que analisou estudos recentes sobre a qualidade protetora das máscaras.

O estudo, publicado na revista Annals of Internal Medicine, também descobriu que não há diferenças significativas na proteção entre máscaras cirúrgicas e as N95 num ambiente de cuidados de saúde. Os respiradores N95 podem ser ligeiramente mais benéficos, mas isso não ficou totalmente claro na pesquisa.

Os investigadores analisaram três ensaios aleatórios e 21 estudos observacionais de todo o mundo para reavaliar o que dizem sobre a eficácia das máscaras N95, cirúrgicas e de tecido na redução da transmissão da covid-19.

Algumas das pesquisas usadas tinham limitações. As evidências sobre máscaras cirúrgicas versus máscaras de tecido, por exemplo, ou o uso mais ou menos consistente de máscaras foram considerados "insuficientes".

Num editorial publicado juntamente com o novo estudo, os médicos Tara Palmore, da George Washington University School of Medicine, e David Henderson, do National Institutes of Health, nos Estados Unidos, referem que a utilização de máscaras se tornou um tema politizado durante a pandemia. Uma vez que não estão disponíveis provas de qualidade sobre a sua proteção, afirmam, as máscaras para pacientes e profissionais de saúde devem ser consideradas uma boa medida de segurança.

Estudos laboratoriais mostram que as máscaras cirúrgicas e os respiradores são bons para limitar a propagação de aerossóis e gotículas de pessoas com gripe, coronavírus e outros vírus respiratórios. Embora não sejam 100% eficazes, reduzem substancialmente a quantidade de vírus que é expelida quando alguém fala ou tosse.

Pode haver transmissão de um vírus do paciente para o profissional ou do profissional para o paciente quando ambos estão a usar máscara, mas é raro.

Palmore e Henderson explicam que uma das principais razões pelas quais consideram que as pessoas devem usar máscaras nos locais de prestação de cuidados de saúde é o facto de as pessoas que trabalham nesses locais, por uma série de razões, serem "conhecidas por irem trabalhar doentes".

Investigações anteriores mostraram que metade a dois terços dos funcionários de estabelecimentos de saúde já trabalharam enquanto tinham algum tipo de sintoma respiratório. As pessoas que estão pré-sintomáticas também podem transmitir o vírus, ou pode ser difícil saber se alguém está doente se tiver sido vacinado e tiver sintomas mais ligeiros, pelo que pedir apenas às pessoas que estão doentes para colocarem uma máscara pode não impedir a propagação.

"Expor desnecessariamente os pacientes a infeções que podem ser evitadas através do uso de máscara parece ser diretamente contrário aos princípios da segurança dos pacientes", dizem. "Por todas estas razões, defendemos que se mantenha a máscara durante as interações com os pacientes."

Syra Madad, epidemiologista de doenças infecciosas do Harvard Belfer Center for Science and International Affairs, concorda que é importante que os sistemas de saúde façam tudo o que puderem para prevenir a transmissão da covid-19, incluindo o uso de máscara durante as interações com os pacientes - "especialmente entre os nossos pacientes mais vulneráveis, e às vezes é difícil saber quem é mais vulnerável e imunocomprometido", sublinhou Madad, que não esteve envolvida na nova pesquisa.

Segundo a médica, as pessoas não têm necessariamente de usá-las nos elevadores ou nos corredores, mas durante os encontros clínicos é bom evitar riscos.

Agora que as pessoas se acostumaram às máscaras, com a chegada da época da gripe e do vírus sincicial respiratório (VSR) no outono, mais profissionais de saúde devem considerar usá-las, defende.

"Todos nós percebemos a importância e a utilidade de uma máscara", afirma Madad. "Uma cultura de segurança mostra que está a ser respeitoso para com os seus pacientes."

A epidemiologista acrescenta que, se um paciente preferir que o prestador de cuidados de saúde não use máscara, por exemplo, se tiver dificuldade em ouvir ou compreender o que o outro diz, também não deve ser um problema. Mas defende que o padrão deve ser o uso de máscara nas interações clínicas.

"Por muito que queiramos minimizar a situação, e já não se trata de uma emergência, é certamente uma ameaça."

Continue a ler esta notícia

Relacionados