Dois focos de legionella detetados em escolas de Matosinhos durante análises de rotina - TVI

Dois focos de legionella detetados em escolas de Matosinhos durante análises de rotina

  • Agência Lusa
  • NM
  • 22 fev, 15:00
Médicos (imagem Getty)

Casos detetados nos pavilhões gimnodesportivos da Escola Fernando Pinto de Oliveira e da Escola Secundária da Boa Nova

Relacionados

Os dois focos de 'legionella' detetados na última semana em duas escolas de Matosinhos foram identificados em análises de rotina, informou o vereador António Correia Pinto, em comunicado esta quarta-feira divulgado pela Câmara Municipal.

O primeiro foco foi detetado na sexta-feira, no pavilhão gimnodesportivo da Escola Fernando Pinto de Oliveira, e o segundo na quarta-feira, em igual equipamento da Escola Secundária da Boa Nova, ambos situados em Leça da Palmeira, no concelho de Matosinhos, distrito do Porto.

Numa intervenção durante a reunião de câmara, na quarta-feira, o vereador com o pelouro da Educação explicou que a câmara e a empresa municipal Matosinhos Sport “têm implementado um Plano de Monitorização de Legionella que prevê a realização de análises regulares à qualidade da água de todos os equipamentos desportivos, pavilhões e piscinas, e estabelecimentos de ensino do concelho”.

Destinadas à “deteção precoce da bactéria e atempada implementação de medidas de controlo antes do aparecimento de casos de doença”, foi no decurso dessas análises de rotina que “foi identificada a presença da bactéria” em ambos os pavilhões, explicou.

“Já se encontram a ser tomadas todas as medidas corretivas necessárias e previstas na legislação em vigor, de acordo com as orientações da Unidade de Saúde Pública [USP] de Matosinhos”, informou o autarca.

Sobre os passos seguintes, António Correia Pinto remeteu para a USP de Matosinhos, informando ser “quem orienta todo o trabalho a desenvolver”.

“É ela que determina quando a câmara deve encerrar o fornecimento de água num equipamento e quando este deve ser retomado, depois de resultados favoráveis das contra-análises”, acrescentou.

A doença do legionário, provocada pela bactéria 'Legionella pneumophila', contrai-se por inalação de gotículas de vapor de água contaminada (aerossóis) de dimensões tão pequenas que transportam a bactéria para os pulmões, depositando-a nos alvéolos pulmonares.

Continue a ler esta notícia

Relacionados