Interessado nos novos medicamentos para perder peso? Aqui estão cinco coisas que deve saber - TVI

Interessado nos novos medicamentos para perder peso? Aqui estão cinco coisas que deve saber

  • CNN
  • Andrea Kane
  • 13 fev, 12:00
Canetas de diabetes (Getty Images)

Se estiver a pensar em começar a tomar um destes medicamentos, é melhor ter em mente estes cinco fatores

Relacionados

Fazer dieta parece, por vezes, um passatempo comum na América: se ainda não experimentou o "prazer" de o fazer, é quase certo que a sua melhor amiga, o seu irmão mais novo, a sua tia ou outra pessoa do seu círculo próximo de familiares e amigos já o fez.

Provavelmente não é coincidência que as estatísticas governamentais mostrem que mais de 30% dos americanos têm excesso de peso e mais de 42% têm obesidade. Um inquérito realizado pelo governo revelou que quase metade dos adultos norte-americanos afirmaram ter tentado perder peso nos últimos 12 meses. Os dois métodos mais utilizados foram o exercício físico e a ingestão de menos alimentos, seguidos do consumo de mais frutos, legumes e saladas.

As pessoas querem perder peso para terem uma determinada aparência "agora" e também querem ter uma vida mais longa e saudável, com um menor risco de desenvolver problemas de saúde graves no futuro.

Mas qualquer pessoa que já tenha feito dieta pode dizer-lhe que perder peso é difícil e que a perda de peso a longo prazo requer um esforço sustentado, que por vezes pode parecer hercúleo, ou mesmo impossível.

Uma nova classe de medicamentos - chamados agonistas dos recetores do hormónio peptídeo 1 semelhante ao glucagon, ou GLP-1 - tomou o país de assalto porque estes medicamentos parecem tornar a perda de peso mais fácil. Muitas vezes, silenciam o "ruído da comida", ou a agitação do cérebro em relação à comida, que torna tão difícil manter as tão importantes mudanças no estilo de vida.

Os nomes das respetivas marcas tornaram-se palavras conhecidas, aparentemente de um dia para o outro. Ozempic e Wegovy têm a semaglutida como ingrediente ativo, enquanto Mounjaro e Zepbound contêm tirzepatide.

O podcast Chasing Life With Dr. Sanjay Gupta desvenda os meandros destes novos medicamentos para dar aos ouvintes um curso intensivo sobre o que são. Pode ouvir (em inglês) abaixo.

Originalmente desenvolvidos para a diabetes tipo 2, medicamentos como a semaglutida e o tirzepatide funcionam ao imitar a hormona peptídeo semelhante a glucagon 1, que é libertada no nosso intestino quando comemos.

"É um péptido segregado pelo nosso intestino, que normalmente tem uma ação muito curta e é degradado por outras enzimas do organismo muito rapidamente", explicou recentemente o especialista em obesidade Dr. Jorge Moreno ao correspondente médico chefe da CNN, Dr. Sanjay Gupta, no podcast Chasing Life. Moreno, professor assistente de medicina na Escola de Medicina de Yale, trata de pacientes que procuram controlar o seu peso.

Moreno explicou que o GLP-1 é uma hormona estimulada por nutrientes que se ativa quando se come, dizendo ao corpo que acabou de comer. "Vai para a zona do cérebro que é o hipotálamo e diz ao cérebro: 'Já comeste, deixa de comer'", afirmou.

Os medicamentos ligam-se aos mesmos recetores que a hormona GLP-1, mas têm uma ação mais prolongada. "E assim, mantêm este mecanismo a funcionar de forma consistente", disse Moreno. "Basicamente, diminuem o apetite ao sinalizarem no hipotálamo que estamos cheios".

Tanto a hormona como os medicamentos também desencadeiam outras ações, como retardar o movimento dos alimentos através do intestino e dizer ao corpo para libertar mais insulina. O tirzepatide também pode ligar-se aos recetores de outra hormona relacionada, designada abreviadamente por GIP, o que a torna um pouco mais potente.

Se estiver a pensar em começar a tomar um destes medicamentos, Moreno recomenda que tenha em mente estes cinco fatores.

Estes medicamentos não são para toda a gente

Atualmente, as versões para perda de peso da semaglutida (Wegovy) e do tirzepatide (Zepbound) estão aprovadas para tratar pessoas com obesidade, e não para quem procura perder alguns quilos.

"Os doentes devem estar cientes de que se tratam de tratamentos para uma doença crónica conhecida como obesidade", afirmou Moreno. "Penso que é importante perceber que a obesidade é uma doença crónica que é recorrente (e) que requer tratamento a longo prazo."

Segundo Moreno, Wegovy e Zepbound são - na linguagem da Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA - "indicados" para utilização em pessoas diagnosticadas com obesidade ou com um índice de massa corporal igual ou superior a 30. Também são indicados para pessoas com um IMC igual ou superior a 27 que também têm problemas de saúde relacionados com o peso, como diabetes tipo 2 ou tensão arterial elevada. (A semaglutida, vendido como Ozempic, e o tirzepatide, vendido como Mounjaro, são indicados apenas para pessoas com diabetes tipo 2).

Se não lhe foi atribuído nenhum destes diagnósticos, poderá ter dificuldade em obter uma receita, quanto mais em conseguir que o seu seguro de saúde cubra o elevado preço.

Funcionam

Estes medicamentos são bastante eficazes para ajudar muitas pessoas a perder peso. Estão a preencher uma lacuna existente entre os medicamentos anteriores para perda de peso, que, segundo Moreno, ajudam as pessoas a perder, em média, entre 5% e 10% do seu peso corporal, e a cirurgia bariátrica, um procedimento invasivo que, segundo ele, ajuda as pessoas a perder, em média, cerca de 25% a 30%.

"É importante saber que esses medicamentos são eficazes", afirmou Moreno. "Em média, com a semaglutida, a média de perda de peso pode chegar perto dos 15%. O Tirzepatide está a atingir os níveis de perda de peso da cirurgia bariátrica, com uma perda de peso próxima dos 21%".

Também são seguros

Esta classe de medicamentos - agonistas dos receptores GLP-1 - tem sido utilizada desde 2005 para tratar a diabetes, pelo que tem um historial relativamente longo em termos de segurança.

"Também é importante entender que estes são medicamentos seguros", explicou Moreno. "Sim, como qualquer outro medicamento, estes medicamentos têm efeitos secundários. Os mais comuns nos doentes que vejo são as náuseas, a obstipação e o refluxo ácido - a que chamamos DRGE (Doença do refluxo gastroesofágico).

"Agora, os efeitos secundários raros - e por raros quero dizer menos de 1% das vezes - incluem coisas como pancreatite, que é ... inflamação do pâncreas - extremamente rara", afirmou. Mas acrescentou que, à medida que a popularidade destes medicamentos aumenta, "um acontecimento raro torna-se um pouco mais óbvio, porque há mais pessoas a utilizar estes medicamentos".

Tratamento requer acompanhamento

Como qualquer doença crónica, o tratamento requer uma relação de parceria com o seu médico.

"Tal como a diabetes, tal como a hipertensão, o controlo da obesidade requer um acompanhamento rigoroso. Não se trata de uma conversa única com o seu médico", sublinhou Moreno.

O especialista recomendou um acompanhamento mensal ou quinzenal. "É preciso defender-se a si próprio", afirmou. "Deve ser seguido de perto, porque esta é uma estratégia a longo prazo para o ajudar."

Não é uma solução milagrosa

"Um medicamento não vai resolver tudo. Um medicamento não vai ser 'isso'", afirmou Moreno, salientando que estes medicamentos são apenas um componente de um plano abrangente para tratar a obesidade.

"O estilo de vida continua a ser importante", acrescentou. "Esta é a altura de começar a fazer exercício. Este é o momento de começar a mudar alguns padrões alimentares que serão benéficos para a perda de peso. ... Penso que isso é realmente algo que os doentes devem aprender."

Esperamos que estas cinco coisas o ajudem a compreender como funcionam estes novos medicamentos e o que deve ter em conta quando os toma. Ouça o episódio completo aqui para saber mais. E junte-se a nós na próxima semana no podcast Chasing Life, quando explorarmos o lado comercial destes medicamentos.

Grace Walker, da CNN Audio, contribuiu para esta reportagem.

Continue a ler esta notícia

Relacionados

EM DESTAQUE