A Mercadona vai atualizar a partir de janeiro os salários de todos os colaboradores de acordo com o IPC (Índice de Preços ao Consumidor) de dezembro. A cadeia já tinha anunciado uma subida de 11% do salário de entrada para 2023, subida que agora acresce mais o valor do IPC. A Mercadona tem mais de 3.000 colaboradores em Portugal. E já está a contratar para as 10 aberturas de lojas previstas para 2023. Novos espaços deverão criar uma média de 650 postos de trabalho.

“Esta medida (de atualização salarial) entrará em vigor a partir do salário de janeiro dos mais de 96.000 colaboradores que fazem parte da empresa em Portugal e Espanha, de acordo com o IPC definitivo do mês de dezembro aplicado em cada país. O objetivo é manter o poder aquisitivo de todas as pessoas que fazem parte da Mercadona, porque são o melhor ativo dos clientes“, informa a cadeia.

Em outubro, a Mercadona tinha anunciado de que iria em 11% o salário de entrada dos seus colaboradores em Portugal, para um salário, no mínimo, de 1.034 euros brutos mensais, “ao qual irá agora somar-se a atualização do IPC a toda a tabela salarial.”

Na companhia, a progressão salarial pode variar entre 4 e 5 níveis, aplicando-se em cada nível um aumento salarial de 11%, num máximo de 5 anos, dependendo do cargo que o colaborador ocupa. Assim, em 2023, os trabalhadores com até cinco anos de antiguidade vão ver o salário subir 11%, somado do valor do IPC; já os trabalhadores com mais de cinco anos/quinto nível vão ter uma atualização salarial de acordo com o IPC, esclarece fonte oficial da companhia ao ECO/ Pessoas.

De acordo com a política retributiva da companhia, os colaboradores com mais de cinco anos de caso irão receber, em março, o prémio anual, no valor de dois salários adicionais. Os colaboradores que têm menos de cinco anos de casa/quinto escalão recebem um salário adicional de prémio, destaca a mesma fonte da empresa.

No ano passado, os 2.500 colaboradores receberam um total de 3 milhões em prémios.

Por norma, e segundo as regras do acordo de empresa, a Mercadona aumenta os seus colaboradores de acordo com o IPC, o que resultou que, em 2022, que os colaboradores em Espanha tivessem sido aumentados 6,5% e em Portugal tenha resultado numa atualização salarial de 2,7%.

O IPC de dezembro, que vai determinar os aumentos de 2023, ainda não é conhecido, mas depois de um ano de forte pressão inflacionista, a cadeia de supermercados avança com um política de atualização salarial que visa mitigar o impacto da inflação no próximo ano. O Governo, no Orçamento do Estado, aponta para uma inflação de 4%, mas o Banco de Portugal, no seu Boletim Económico de dezembro, não é tão comedido: estima uma taxa de inflação média a situar-se nos 5,3%, depois de fechar nos 8,1%, em 2022.

Novas aberturas em 2023

Depois de abrir 10 novas lojas este ano – a última das quais em Oeiras, no Tagus Park –, a Mercadona tem previsto para 2023 mais uma dezena de aberturas. Já estão a contratar para Sintra, Alverca, Torres Vedras, Marco de Canavezes e Gondomar, lojas previstas para o próximo ano.

Em média, cada loja cria uma média de 65 postos de trabalho, o que significa, que poderão ser criados 650 empregos, a somar aos mais de 3.000 que a companhia já tem no país.

No ano passado, a companhia implementou uma série de novas medidas, como melhorias na digitalização dos seus processos, resultando “num aumento da produtividade de 9% e numa poupança de custos de mais de 200 milhões de euros.”

ECO - Parceiro CNN Portugal / Ana Marcela