Porque é improvável que os aliados da NATO enviem caças mais avançados para a Ucrânia - TVI

Porque é improvável que os aliados da NATO enviem caças mais avançados para a Ucrânia

  • CNN
  • Análise de Bianca Nobilo
  • 18 mar 2023, 12:19
Os MiG-29 polacos são os primeiros aviões de combate a serem entregues à Ucrânia por um membro da NATO. Peter Andrews/Reuters/File

Relacionados

Numa das mais significativas escaladas de apoio militar à Ucrânia por parte de um membro da NATO desde a invasão russa, o presidente polaco, Andrzej Duda, tornou-se, na quinta-feira, o primeiro líder da Aliança a prometer aviões de combate em Kiev.

Duda anunciou que quatro caças MiG-29 serão entregues à Ucrânia nos próximos dias - os restantes, disse, estão em manutenção e serão entregues à medida que estiverem prontos. Quatro pode parecer um número modesto, mas é um passo monumental quando, há um ano, era politicamente impensável um membro da NATO enviar um apoio letal tão sofisticado à Ucrânia.

Não é de surpreender que este passo tenha sido dado pela Polónia - um país com uma ansiedade declarada relativamente ao expansionismo russo, alimentada por uma profunda experiência histórica de agressão russa.

Será que fará a diferença? A nível político, certamente poderá. Ao normalizar tal apoio, poderá iniciar um efeito dominó pelo qual mais países europeus passariam a fornecer aviões de combate à Ucrânia.

Menos de um dia após a promessa da Polónia, o primeiro-ministro eslovaco, Eduard Heger, anunciou que o seu governo enviaria uma frota de 13 caças MiG para apoiar a defesa da Ucrânia. É plausível que mais países europeus sigam o exemplo e libertem os seus MiG de fabrico soviético à medida que modernizam as suas próprias forças aéreas.

Isto é exatamente o que a Polónia está a fazer. No ano passado, o país assinou um acordo de defesa historicamente grande com a Coreia do Sul, no valor de 14,5 mil milhões de dólares, que incluiu a compra de 48 caças FA-50, e acrescentou também caças americanos F-35 Lighting II à sua frota. Outra vantagem prática é que, como muitos países europeus têm MIGs, as suas peças estão mais facilmente disponíveis para reparação e manutenção de aviões ucranianos.

Quanto à questão da vantagem militar, o Kremlin tem sido previsivelmente desdenhoso, alegando que a oferta de mais MiGs da era soviética à Ucrânia não irá alterar o curso do conflito. O que pode ser a razão pela qual são os F-16 - e não os MiG-29 - que estão de facto no topo da lista de desejos do presidente Volodymyr Zelensky.

Por razões óbvias, a estrutura exata da Força Aérea da Ucrânia, provavelmente cerca de um décimo do tamanho da russa, permanece envolta em segredo. A Ucrânia herdou dezenas de aviões MiG-29 após o colapso da União Soviética em 1991, cerca de cinco anos após a sua entrada ao serviço. Mas a sua frota foi atingida após a Rússia ter anexado ilegalmente a Crimeia.

Os MiG-29 são aviões analógicos, utilizando tecnologia de voo mais antiga. Os desejados F-16 de Zelensky são digitais. Os MiGs podem ser utilizados para missões de combate curtas, podem utilizar armamento e abater aviões russos com boa capacidade de manobra a curto alcance. Mas os F-16 podem voar durante mais tempo, são mais versáteis, possuem sistemas de armas integrados e têm uma capacidade dramaticamente melhor de longo alcance e de radar, proporcionando assim melhor antecipação de perigo.

O caça F-16 foi o avião pedido pelo presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, aos aliados. Paulo Whitaker/Reuters/File

O analista de defesa Alex Walmsley, do Royal United Services Institute (RUSI), um think tank britânico, usa a analogia de comparar um "portátil dos anos 90 com o último MacBook, ou um Ford Escort e um Porsche". "Basicamente, fazem as mesmas coisas - voam e lançam mísseis - mas os MIGs não são tão reativos ou poderosos."

Até agora, os EUA têm resistido aos apelos para fornecer F-16 à Ucrânia com o argumento de evitar uma escalada com a Rússia, bem como de impraticabilidade. O desejo de evitar um cataclismo do conflito foi posto em evidência na última semana após a queda de um drone americano Reaper de 32 milhões de dólares sobre o Mar Negro na sequência de contacto com um jato russo - a primeira vez que aviões russos e americanos entraram em contacto direto desde que a guerra começou. O incidente potencialmente incendiário foi aproveitado pela Rússia como prova do envolvimento direto dos americanos no conflito.

Ainda assim, a cedência aos pedidos de Zelensky já aconteceu antes: os Estados Unidos decidiram entregar à Ucrânia tanques M1 Abrams depois de a Alemanha ter revertido a sua política em relação aos Leopard II.

Mas o argumento da impraticabilidade não é uma mera forma política de disfarçar a problemática. A Força Aérea ucraniana já opera jatos MiG pelo que pode utilizá-los assim que chegarem, ao passo que levaria meses a treinar um piloto de MiG-29 para o alto nível de eficácia de um F-16. Para não mencionar que o número de pilotos ucranianos é escasso.

O tenente-general dos EUA na reforma Mark Hertling considera que, embora os ucranianos tenham sido muito adaptáveis, incorporando novos equipamentos como Himars e Javelins de fácil utilização, os F-16 são um "jogo de bola completamente diferente". Têm diferentes peças de motor, design e sistemas de controlo para disparar e lançar bombas. "Muitas pessoas querem que as coisas aconteçam agora mesmo na Ucrânia", diz Hertling, "mas sem anos de formação em tempo de paz não vão conseguir obter os resultados que pensam que vão obter".

As primeiras entregas de caças irão elevar a defesa aérea da Ucrânia, mas de forma alguma alterarão ou darão vantagem decisiva à Ucrânia no conflito. O antigo piloto de caça F-16 da Força Aérea Real do Reino Unido (RAF), William Gilpin, explica porquê à CNN: "Há uma expressão que se usa: se se está uma geração atrás, não vale a pena aparecer. Neste momento, a Força Aérea ucraniana está uma geração atrás dos russos. Os F-16 iriam movê-los uma geração à frente."

Este é o dilema. A impraticabilidade de fornecer F-16, exigindo uma enorme carga de treino durante um conflito ativo, é evidente. Mas sem eles a obtenção de superioridade aérea está ainda mais fora de alcance.

Continue a ler esta notícia

Relacionados