Fãs do Loch Ness preparam-se para a maior caça dos últimos 50 anos ao monstro - TVI

Fãs do Loch Ness preparam-se para a maior caça dos últimos 50 anos ao monstro

  • CNN
  • Lianne Kolirin
  • 25 ago 2023, 21:00
O monstro do Loch Ness Getty Images

O Lago Ness, nas Terras Altas da Escócia, é conhecido em todo o mundo pelo seu mítico monstro Nessie.

Relacionados

Este fim de semana, os detetives amadores com gosto pelo sobrenatural vão estar colados aos ecrãs para tentar descobrir a verdade por detrás do maior mistério da Escócia.

Os "caçadores de monstros" de países tão distantes como o Japão e a Nova Zelândia vão estar sintonizados em transmissões ao vivo do Lago Ness, na esperança de resolver um debate de longa data sobre se o famoso monstro, carinhosamente chamado Nessie, existe ou não.

A lenda do Monstro do Lago Ness remonta a tempos antigos, embora a história tenha ganho força a partir de 1933, quando a imprensa escocesa noticiou o avistamento de um "dragão ou monstro pré-histórico".

A notícia deu origem a uma série de investigações, muitas das quais foram desde então desacreditadas como sendo um embuste.

Paul Nixon, diretor do Centro do Lago Ness, disse à CNN, numa entrevista telefónica, que cerca de 100 voluntários estarão à procura de sinais de vida nas margens do lago, enquanto que o mesmo número de voluntários estará a vigiar o local à distância.

Os voluntários, que ainda se podem inscrever para participar online, terão de manter os olhos bem abertos enquanto se concentram nas imagens captadas por quatro câmaras Web em pontos estratégicos do lago.

"Os voluntários vão estar a observar a água", disse Nixon. "Se virem alguma coisa, esperamos que a filmem e depois a enviem para o nosso portal online."

O Loch Ness é um dos maiores corpos de água das Ilhas Britânicas, com 35 quilómetros de comprimento e mais de 230 metros de profundidade.

O centro, que reabriu no início deste ano após um projeto de remodelação no valor de 1,9 milhões de dólares (1,75 milhões de euros), situa-se no local do antigo Drumnadrochit Hotel, onde, há 90 anos, a sua então gerente Aldie Mackay relatou ter visto uma "besta aquática".

Vista do Monstro do Lago Ness, perto de Inverness, Escócia, em 19 de abril de 1934. A fotografia, uma das duas imagens conhecidas como "fotografias de cirurgião", foi mais tarde desmascarada como sendo um embuste. Keystone/Hulton Archive/Getty Images

Agora, a atração interactiva juntou forças com a Loch Ness Exploration (LNE), uma equipa de investigação independente e voluntária, para vasculhar as águas como nunca antes, na esperança de descobrir algumas respostas.

Todas as manhãs, os voluntários serão informados por Alan McKenna, fundador da LNE, sobre o que devem procurar, incluindo sinais de "arenques vermelhos" e outros movimentos marinhos que podem ser ignorados.

Os organizadores afirmam que se trata da maior "observação à superfície" desde que o Loch Ness Investigation Bureau (LNIB) estudou o lago em 1972, altura em que os voluntários também estavam à procura da besta mítica - mas sem o equipamento de alta tecnologia.

Denominado "the quest" (a busca), o evento envolverá equipamento de prospeção nunca antes utilizado no local, como drones térmicos para produzir imagens a partir do ar utilizando câmaras de infravermelhos e um hidrofone para detetar sinais acústicos debaixo de água.

Segundo Paul Nixon, "o que é diferente na nossa busca desta vez é que, obviamente, os nossos voluntários estarão armados com telemóveis e serão capazes de captar qualquer movimento com mais precisão e mais regularmente".

McKenna, num comunicado de imprensa, afirmou: "Desde que começámos o LNE, sempre foi nosso objetivo registar, estudar e analisar todo o tipo de comportamento natural e fenómenos que possam ser mais difíceis de explicar".

Apelando aos caçadores de monstros para que se inscrevam, ele acrescentou: "Esperamos inspirar uma nova geração de entusiastas do Lago Ness e, ao juntarem-se a esta observação de superfície em grande escala, terão uma oportunidade real de contribuir pessoalmente para este mistério fascinante que cativou tantas pessoas de todo o mundo".

Nixon acrescentou que, uma vez terminado o fim de semana, os avistamentos serão recolhidos e analisados e as conclusões tornadas públicas. E disse: "Penso que há uma forte possibilidade de algo ser avistado este fim de semana, mas, claro, levanta-se a questão de saber o que será".

"Teremos certamente bastantes olhos na água - só precisamos de boas condições de observação", concluiu.

 

Imagem no topo: o lago Ness, foto Andy Buchanana/AFP/Getty Images

Continue a ler esta notícia

Relacionados