Uma nova scooter a cada 90 segundos. A revolução dos Veículos Elétricos na Índia já começou - TVI

Uma nova scooter a cada 90 segundos. A revolução dos Veículos Elétricos na Índia já começou

  • CNN
  • Michelle Toh, Kunal Sehgal e Ivan Watson
  • 31 ago 2023, 09:00
Motas elétricas na Índia (ver créditos na própria fotografia)

REPORTAGEM || É pelas scooters, motas e riquexós (ou Tuk Tuk) que a Índia está a aceletar a eletrificação do seu parque de veículos. Com fortes incentivos do Estado. As fábricas não têm mãos a media para tantas encomendas.

Hosur, Índia (CNN) - Numa fábrica de uma startup em Hosur, cidade do sul da Índia não muito longe de Bangalore, a linha de montagem está a fervilhar com uma atividade rápida como um relâmpago.

Aqui, trabalhadores com uniformes pretos produzem uma scooter eléctrica novinha em folha a cada 90 segundos, enquanto os executivos analisam as vendas em flecha da empresa.

"Os duas-rodas estão a tornar-se eléctricos muito rapidamente", diz Tarun Mehta.

Mehta é o presidente executivo de 33 anos da Ather Energy, fabricante de motas eléctricas que tem beneficiado de uma recente explosão de procura.

Há três anos, a empresa vendia cerca de 200 unidades por mês, segundo ele. Atualmente, vende facilmente cerca de 15 mil unidades por mês.

"As receitas estão a subir em flecha", disse Mehta à CNN.

É assim que a Índia se apresenta à medida que electrifica o seu vasto mercado de veículos pessoais, que, segundo as projecções, deverá tornar-se uma indústria de 100 mil milhões de dólares (92 mil milhões de euros) até 2030. No país mais populoso do mundo, os veículos de duas e três rodas são o principal foco, superando em cerca de quatro vezes o número de outros meios de transporte, como os automóveis.

Basta andar por uma rua de Nova Deli ou de Bangalore para o comprovar. Os ciclomotores eléctricos, vendidos por apenas mil dólares (pouco mais de 900 euros), circulam agora em muitas estradas congestionadas. Os ambientalistas e o governo consideram-nas uma forma de eliminar parte do fumo tóxico que frequentemente sufoca as metrópoles de todo o país.

Linha de produção. Imagem CNN

O número de registos deste tipo de veículos aumentou mais de 10 vezes em todo o país nos últimos três anos. Na capital indiana, muitos riquexós coloridos, outrora movidos por pedaladas humanas, funcionam agora com baterias e transportam passageiros pela cidade.

Empresas estabelecidas, como a Hero MotoCorp, o maior fabricante mundial de veículos de duas rodas, investiram fortemente na eletrificação das suas ofertas.

Tal como muitos países, a Índia está a correr para se tornar ecológica, com o objetivo de, até ao final da década, os veículos eléctricos representarem um terço de todas as vendas de automóveis particulares e 80% das vendas de veículos de duas e três rodas. Ao fazê-lo, o país espera servir de modelo a outras nações em desenvolvimento.

Mas, para lá chegar, os especialistas dizem que há vários obstáculos importantes a ultrapassar, incluindo a descida dos preços e a melhoria das infraestruturas.

A "revolução" das duas rodas

"Nos últimos três anos, o mercado ganhou um impulso significativo", afirmou Brajesh Chhibber, sócio da McKinsey que codirige o grupo de reflexão da empresa sobre o futuro da mobilidade na Índia.

No ano passado, quase 7% de todos os veículos de duas rodas vendidos eram veículos eléctricos - passando de um "número quase insignificante de unidades há três anos" para um milhão, observou.

"É um salto incrível".

O impulso tem sido alimentado por um forte apoio estatal, particularmente através de uma política conhecida como "FAME", acrónimo em inglês para Adoção e Fabrico Mais Rápido de Veículos Eléctricos.

O programa, que começou em 2019, está a despejar mais de 100 mil milhões de rupias (mais de mil milhões de euros) para subsidiar veículos elétricos para consumidores e instalar milhares de estações de carregamento em todo o país.

Os subsídios têm desempenhado um papel importante na recente onda.

Por exemplo, um veículo de duas rodas de alta velocidade em Deli pode agora custar apenas 15% a 20% mais do que o seu equivalente a gasóleo, tendo em conta os subsídios federais e estatais, de acordo com a Bain, em comparação com até 30% sem subsídios. Este facto ajudou a incentivar muitos consumidores a fazerem a mudança.

Linha de produção de scooters elétricas. Imagem CNN.

A Ather, que encara a transição como uma "revolução", é uma das dezenas de empresas em fase de arranque que estão a beneficiar. Junta-se a pelo menos 55 outros fabricantes de veículos eléctricos que surgiram para satisfazer a procura, de acordo com dados governamentais.

A Índia, no entanto, está apenas a começar. Apesar de ter atingido um marco histórico, o milhão de unidades vendidas no ano passado é uma mera gota de água em comparação com "o parque automóvel total de 250 milhões de veículos de duas e três rodas da Índia, o que deixa uma enorme margem para um crescimento sustentado", de acordo com o Fórum Económico Mundial (FEM).

Uma vez que os transportes públicos estão relativamente subdesenvolvidos, estes tipos de veículos - scooters, motociclos e riquexós - são extremamente importantes, representando uns impressionantes 80% de todas as vendas de veículos.

Esta tendência dá ao país uma vantagem na transição para os veículos eléctricos, uma vez que, segundo os especialistas, estes veículos são normalmente mais utilizados para deslocações diárias curtas do que para viagens de longa distância.

Num relatório de dezembro último, a Bain previu que os veículos de duas e três rodas seriam "as vanguardas da adoção dos veículos elétricos", em parte porque os utilizadores podem ter menos ansiedade em relação à autonomia, dependendo menos das infraestruturas públicas de carregamento e mais da "adequação do carregamento em casa".

Outro fator impulsionador é a adoção precoce por parte das empresas de entregas e de logística, que são atraídas pelos custos operacionais mais baixos da utilização de veículos eléctricos e pelos esforços para reduzir a sua pegada de carbono.

A Bain citou o gigante do comércio eletrónico Flipkart e o gigante da entrega de alimentos Zomato, como exemplos de empresas que já se comprometeram a mudar totalmente para veículos elétricos até 2030.

Espaço para crescer

Mas apesar do entusiasmo e da promoção, os especialistas afirmam que subsistem três desafios fundamentais.

Tal como noutros países, a Índia está atrasada em termos de infraestruturas de carregamento. As autoridades estão a trabalhar para alterar este estado de coisas, tendo colocado em funcionamento novas redes de carregamento em 68 cidades de 25 estados, bem como em dezenas de auto-estradas ou vias rápidas, de acordo com uma declaração de julho do Ministério das Indústrias Pesadas.

Mas a Índia é uma das maiores nações do mundo, com milhares de cidades e 28 estados, bem como muitas zonas rurais subdesenvolvidas e em expansão.

Isto significa que o país ainda tem um longo caminho a percorrer - e muito dinheiro para investir. O WEF estimou, num relatório de novembro, que são necessários cerca de 285 mil milhões de dólares (264 mil milhões de euros) para eletrificar totalmente os mercados de veículos de duas e três rodas da Índia.

Veículos eléctricos de duas rodas em exposição na sede da Hero Electric Vehicles em Gurgaon, Índia, em 2021. A Hero é um dos dezenas de fabricantes que beneficiam da mudança para os veículos eléctricos em todo o país. Anindito Mukherjee/Bloomberg/Getty Images

Anmol Singh Jaggi, CEO da BluSmart, uma empresa indiana de partilha de boleias que utiliza uma frota totalmente eléctrica, considera a falta de estações de carregamento o seu "maior obstáculo".

"Embora tenhamos construído alguns super hubs muito grandes... ainda nos sentimos profundamente limitados pela existência de infraestruturas de carregamento em grande escala", afirmou à CNN. "Penso que o governo precisa de fazer mais do que apenas incentivos fiscais".

E mesmo com subsídios generosos, os consumidores em alguns círculos continuam cépticos em relação aos veículos elétricos.

Os especialistas dizem que é necessária mais formação, uma vez que os clientes questionam a segurança, a fiabilidade ou o valor dos veículos movidos a bateria. Alguns consumidores consideram que os preços destes modelos ainda são demasiado elevados.

Chhibber afirmou que é necessário mais tempo para que as pessoas se apercebam dos benefícios económicos da utilização de veículos eléctricos, como a poupança de combustível ou os custos de manutenção.

Os fabricantes de veículos de duas rodas argumentam que, com o custo relativamente elevado do combustível na Índia, é preciso menos de um ano para que o proprietário comece a ver as poupanças resultantes da compra de uma scooter ou motociclo elétrico, em comparação com o custo de funcionamento de um veículo com motor de combustão.

Montagem de uma scooter elétrica na Índia. Foto Dhiraj Singh / Bloomberg / Getty Images

"Ainda há uma certa hesitação na compra de automóveis eléctricos", observou Chhibber. "No futuro, à medida que os preços das baterias forem baixando e os fabricantes de veículos ganharem escala, a equação irá equilibrar-se".

Os trabalhadores e os empresários também pensam assim.

Jaggi, que gere uma frota de mais de quatro mil carros, disse que há muito tempo que está otimista com as previsões "de que o custo das baterias vai continuar a baixar e a eficiência das baterias vai continuar a aumentar".

"Isto vai criar oportunidades para muitos jovens empresários como nós", afirmou. "Esta é uma oportunidade única no século".

Continue a ler esta notícia