Agora é oficial: MotoGP mantém-se em Portugal em 2024 - TVI

Agora é oficial: MotoGP mantém-se em Portugal em 2024

Autódromo Internacional do Algarve (José Sena Goulão/Lusa)

Paulo Pinheiro, diretor executivo da Parkalgar, reconheceu que processo foi muito difícil e que só nas últimas 24 horas obteve a confirmação

O MotoGP vai continuar a passar por Portugal em 2024.

Recorde-se que o Grande Prémio de Portugal, no Autódromo Internacional do Algarve, estava desde setembro no calendário para o fim de semana de 22 a 24 de março, mas ainda sujeito a contratualização.

Fica agora confirmado: Portimão recebe a segunda corrida da temporada de 2024.

«Estamos a falar da maior prova desportiva em Portugal, a que tem mais impacto económico e mais impacto mediático. (...) Foi um processo muito difícil em termos de contratação, um grande desafio que tivemos pela frente e só nas últimas 24 horas é que conseguimos ter todas as garantias para realizar a prova», afirmou em conferência de imprensa Paulo Pinheiro, diretor executivo da Parkalgar, citado pelo Sul Informação.

No final de março passado, o presidente da Dorna, entidade que gere os direitos comerciais do MotoGP, deixou no ar a hipótese de Portimão ser riscado do calendário no próximo ano devido a problemas na pista. «A menos que o estado das escapatórias de gravilha sejam seja completamente mudado, não teremos MotoGP aqui no próximo ano. Isso é claro», disse Carmelo Ezpeleta em declarações à Speedweek.

«Na situação atual, que provocou muitas vítimas, Portimão não vai estar no calendário em 2024. Temos pedidos suficientes de outros países e pistas. Deixei-o bastante claro aos portugueses. Sem as escapatórias de gravilha em conformidade com as regras, o autódromo não vai ser ter a homologação de grau A em 2024, por isso não pode ser incluído no calendário», explicou ainda, depois de queixas dos pilotos nos treinos para o Grande Prémio de Portugal sonbre a dimensão excessiva dos pedaços de gravilha.

No evento de apresentação do sexto Grande Prémio de Portugal em MotoGP esteve presente Miguel Oliveira, de braço ao peito devido a uma fratura na omoplata que o obrigará a falhar a última corrida de 2023.

Continue a ler esta notícia