Relógio atrasa uma hora: com o fim da hora de verão, não se surpreenda se sentir estes impactos na sua saúde - TVI

Relógio atrasa uma hora: com o fim da hora de verão, não se surpreenda se sentir estes impactos na sua saúde

  • CNN
  • Madeline Holcombe
  • 27 out 2023, 10:08
Relógio

A hora de muda este fim de semana em Portugal: de sábado para domingo: às 2 da manhã, o relógio recua para a 1 da manhã. A mudança de hora pode ter um grande impacto no corpo, explica o médico Rajkumar Dasgupta. Eis o que pode fazer para lidar com isso

Quando o relógio atrasa uma hora, sente o seu mundo um pouco virado do avesso?

O horário de verão terminará no domingo, atrasando os relógios em uma hora - e isso não é pouca coisa para a nossa saúde, explica o médico Rajkumar Dasgupta, professor associado de medicina clínica na Keck School of Medicine da University of Southern California, em Los Angeles, Estados Unidos.

Em conversa com a CNN, ele partilha o que pode fazer pela sua saúde durante a mudança de hora e como atenuar o impacto.

Esta conversa foi editada e condensada para maior clareza.

CNN: Que tipo de problemas de saúde prevê quando a hora muda?
Rajkumar Dasgupta:
O horário de verão termina em breve e, embora a maior parte de nós aceite de bom grado a hora extra de sono, para algumas pessoas a mudança de hora provoca literalmente dores de cabeça.

O fim do horário de verão é normalmente um gatilho para as cefaleias. Os ataques de enxaquecas podem ocorrer todos os dias durante seis a oito semanas e ao fim do ciclo desaparecem. A teoria é que se pode efetivamente desencadear um ciclo ao mudar a hora com o horário de verão.

A ligação entre a mudança da hora e as cefaleias reside no facto de a parte do cérebro que gera as enxaquecas ser também a parte do cérebro que gere os nossos ritmos circadianos, localizada no hipotálamo.

Além disso, muitas pessoas que sofrem de enxaquecas têm normalmente um pouco de privação de sono, ou o seu sono é afetado por esta mudança, pelo que se verifica um aumento da frequência das dores de cabeça durante esse período.

CNN: Porque é que o horário de verão tem tanto impacto?
Dasgupta:
Apesar de ser uma mudança aparentemente pequena, a hora de verão pode afetar significativamente o nosso ritmo circadiano, que regula o nosso ciclo sono-vigília.

O sono é muito individualizado. Nem todos serão igualmente afectados pela alteração do nosso ritmo circadiano. É importante perceber que não são apenas as mudanças no horário de verão que podem desencadear esses ataques, até mesmo a mudança de fuso horário pode desencadear cefaleias em salvas.

CNN: Devemos preocupar-nos com o facto de ficarmos deprimidos à medida que escurece?
Dasgupta:
O fim do horário de verão traz uma luz reduzida e dias mais curtos de outono e inverno - e essa mudança pode aumentar o Transtorno Afetivo Sazonal, um tipo de depressão desencadeada pela mudança das estações e pela diminuição da luz do dia.

Está bem documentado que (a mudança de hora) não causa diretamente problemas de saúde mental, mas pode definitivamente afetar as pessoas com problemas pré-existentes.

Não quero que ninguém sinta que precisa de sofrer ou que precisa de viver com o seu humor a não ir na direção certa. Se notar uma alteração na sua saúde mental, especialmente se esta afetar a sua qualidade de vida, contacte sempre um profissional de saúde.

CNN: Há alguma população que deva estar mais atenta à mudança da hora?
Dasgupta:
As pessoas com doença de Alzheimer e demência são particularmente vulneráveis a perturbações do sono e a perturbação causada pela hora de verão pode exacerbar os seus sintomas.

Estes indivíduos têm frequentemente ciclos de sono-vigília interrompidos devido a deficiências cognitivas, o que leva a padrões de sono irregulares e a sonolência diurna.

A relação entre a hora de verão e as perturbações do sono em pessoas com doença de Alzheimer e demência é particularmente preocupante, uma vez que o sono desempenha um papel vital na função cognitiva e na consolidação da memória. As perturbações do sono podem agravar o declínio cognitivo associado à doença de Alzheimer e à demência, dificultando ainda mais a realização das actividades diárias e a manutenção da independência.

CNN: O que podemos fazer pelas pessoas que são mais vulneráveis?
Dasgupta:
Eu diria apenas que devemos estar conscientes destas coisas. Naturalmente, quando o sono é de má qualidade e em pouca quantidade, pode predispor a coisas como quedas - e nunca queremos que ninguém caia.

É preciso estar mais atento nessa altura. Se é um prestador de cuidados primários ou apenas alguém que visita um ente querido que tem Alzheimer, esteja atento a estes aspectos.

CNN: Como é que nos podemos proteger do impacto da mudança da hora?
Dasgupta:
Ajustando lentamente os nossos horários, fazendo coisas que talvez ajudem nessa transição. Fazer exercício, passar algum tempo ao ar livre de manhã e fazer terapia com luz podem ser estratégias úteis durante o outono e o inverno.

Penso que também é muito importante que as pessoas - falando especificamente sobre enxaquecas, é lamentável que este seja um dos factores desencadeantes - duas vezes por ano tenham os seus medicamentos preparados.

Independentemente do que estivermos a falar, quer se trate do seu humor ou da sua dor de cabeça, se notar que a sua dor de cabeça está a piorar, que não está a parar, que os medicamentos habituais não estão a fazer efeito, vá imediatamente ao seu médico.

Continue a ler esta notícia