Seleções de futebol feminino abandonaram os calções brancos no Mundial. Saiba porque é que isso é importante - TVI

Seleções de futebol feminino abandonaram os calções brancos no Mundial. Saiba porque é que isso é importante

  • CNN
  • Tara Subramaniam
  • 21 ago 2023, 19:55
Futebol feminino

A estrela inglesa Lauren Hemp, à esquerda na foto, descreveu a decisão da equipa de mudar de calções brancos para azuis como “um passo enorme na direção certa”. (Foto Joe Prior/Visionhaus/Getty Images)

Quando a Inglaterra entrou em campo na final do Campeonato do Mundo de Futebol Feminino, este domingo, a equipa não era a mesma que vencera o campeonato europeu em julho. A diferença? Nada de calções brancos.

As inglesas não estão sozinhas. Embora algumas equipas ainda usassem calções claros no torneio deste ano, incluindo a Zâmbia e as Filipinas, muitas juntaram-se à Inglaterra na adoção de cores alternativas. O número de nações cujos uniformes apresentam calções brancos diminuiu em relação ao torneio de 2019, apesar de o número de participantes ter aumentado de 24 para 32. Em particular, a maioria das equipas que optaram pelo branco da última vez mudaram de cor em 2023, incluindo o Canadá, a França, a Nigéria e a Coreia do Sul.

A mudança faz parte de uma tendência crescente - e que não se limita ao futebol - que visa combater a ansiedade do período entre as atletas femininas.

Esta iniciativa surge depois de a equipa feminina de râguebi da Irlanda ter trocado os calções brancos por calções azul-marinho no início deste ano, e de os organizadores de Wimbledon terem flexibilizado as suas regras, permitindo que as concorrentes femininas usassem, pela primeira vez, calções de cor escura por baixo dos seus fatos totalmente brancos. Depois de a Inglaterra ter revelado os seus novos equipamentos para o Campeonato do Mundo, a avançada Lauren Hemp disse aos jornalistas que a decisão de mudar de calções brancos para azuis foi "um passo enorme na direção certa".

"Agora podemos sentir-nos confortáveis quando, por vezes, talvez não nos sentíssemos confortáveis se para nós fosse aquela altura do mês", acrescentou. "É ótimo deixar de usar calções brancos, não ter essa preocupação e concentrarmo-nos no jogo." Hemp joga na Superliga Feminina Inglesa pelo Manchester City, que em 2022 mudou seu uniforme para excluir shorts brancos, em favor dos bordeaux, após retorno dos jogadores. (Os homens do Manchester City continuam a usar o tradicional azul e branco da equipa).

Hannah Wilkinson, da Nova Zelândia, descreveu a ausência de calções brancos como "fantástica para as mulheres com qualquer tipo de ansiedade de período". Qin Lang/Xinhua/Getty Images

O afastamento dos calções brancos para as mulheres foi desencadeado pela crescente popularidade de certos desportos, afirma Nicole Melton, professora associada de gestão desportiva na Universidade de Massachusetts Amherst. Com mais de um milhão de bilhetes vendidos, o Campeonato do Mundo de Futebol deste ano foi o evento desportivo feminino mais participado da história, segundo a FIFA.

"A atenção global que o futebol feminino tem recebido nos últimos 25 anos, não apenas nos Estados Unidos, mas na Europa e na América do Sul, (significa) que há mais atenção e mais interesse nele", disse ela numa entrevista por telefone. "E isso deu a essas mulheres uma plataforma mais ampla para falar sobre essas questões".

Allison Smith, professora assistente de liderança e administração desportiva na Universidade de Massachusetts Boston, disse entretanto numa entrevista telefónica que a eliminação dos calções brancos "é uma coisa muito pequena que mostra o grande impacto que o desporto feminino está a começar a ter".

"As jogadoras sentem que têm voz para desafiar as normas tradicionais que sempre existiram no seu desporto, quer se trate de uniformes, de treino ou do que quer que seja", acrescentou Smith.

"Vemos os jogadores com confiança para falar e dizer: 'Ei, essas práticas já não são aceitáveis para nós - não vamos apenas usar esses uniformes específicos ou apenas receber esse salário específico ou essas migalhas que historicamente recebemos'".

As mulheres "não devem ter vergonha"

Hemp não é, de forma alguma, a único atleta a manifestar o seu apoio ao abandono dos calções brancos no Campeonato do Mundo deste ano. Hannah Wilkinson, da Nova Zelândia, cuja equipa optou por calções pretos e verde-azulados na competição deste ano, afirmou num comunicado que "a ausência de calções brancos é agora fantástica para as mulheres com qualquer tipo de ansiedade de período".

"Sempre foi algo com que as atletas, e não apenas as futebolistas, tiveram de lidar", acrescentou. "No final, ajuda-nos a concentrarmo-nos mais no desempenho e mostra um reconhecimento e uma apreciação da saúde das mulheres."

Tradicionalmente, os fornecedores de vestuário desportivo inspiram-se nos uniformes masculinos para criar os uniformes femininos, uma vez que a maioria dos grandes clubes criou as suas equipas femininas muito depois dos seus homólogos masculinos. Melton observou que a prevalência histórica de calções brancos nos desportos femininos sugere que foi dada pouca ou nenhuma atenção à forma como o corpo das mulheres difere do dos homens.

Os rapazes nunca tiveram vergonha de usar uma coquilha. Uma rapariga não deveria ter vergonha de usar calções mais escuros quando está com o período". Nicole Melton, professora associada de gestão desportiva na Universidade de Massachusetts Amherst

"As mulheres simplesmente não foram consideradas", disse ela, acrescentando que as mudanças nas políticas e no design dos uniformes farão com que as atletas se sintam mais confortáveis e confiantes. "As pesquisas mostram que quando nos sentimos assim, temos um desempenho melhor."

Melton espera que este movimento ajude a tornar a menstruação um tema menos tabu - não apenas no desporto de elite, mas na sociedade em geral.

"Os rapazes nunca tiveram vergonha de usar uma coquilha. Uma rapariga não deveria ter vergonha de usar calções mais escuros quando está com o período, mas infelizmente a sociedade fez com que as mulheres se sentissem envergonhadas de coisas que são apenas parte de quem elas são", disse Melton. "É um ato bastante revolucionário para estes atletas dizerem: 'Sim, isto é o que devíamos estar a fazer'."

A tenista Aryna Sabalenka fotografada na edição deste ano de Wimbledon, a primeira edição do torneio a permitir que as competidoras usem calções de cor escura por baixo dos seus trajes totalmente brancos. Patrick Smith/Getty Images

Clare Hanlon, professora do Instituto de Saúde e Desporto da Universidade de Victoria, acredita que a alteração das normas relativas aos uniformes femininos pode "fazer a diferença no que respeita à participação". Das 44 mulheres e raparigas australianas que entrevistou, 48% afirmaram que as mudanças nas políticas de uniformes, como a troca de calções brancos por outras cores, as encorajaram a permanecer no seu desporto.

Hanlon reconheceu que o tamanho da sua amostra era pequeno, mas explicou: "Precisávamos de algo rápido para dizer: "Bem, vale a pena mudar? Porque, na verdade, só se saberá o impacto daqui a alguns anos. Por isso, queríamos saber, com base nas mudanças que foram feitas, 'O que é que acha? Isto vai ajudar-vos?"".

"É mostrar que faz a diferença. Pode ser não usar calções brancos, pode ser, sobretudo, ter a possibilidade de escolher o que se quer vestir para se sentir confortável", acrescentou Hanlon.

Segundo Smith, uma das razões pelas quais muitas raparigas e adolescentes abandonam o desporto é o facto de os seus corpos mudarem à medida que atingem a puberdade.

"Imagino que se eu for uma rapariga que está a ter o período pela primeira vez e estiver a usar calções brancos, isso só me vai criar mais ansiedade", disse Smith.

Smith acredita que as mudanças nas políticas de uniformes terão um impacto positivo nas futuras gerações de atletas femininas.

"Estou entusiasmada por ver mulheres a fazer isto no topo do jogo, sabendo que isto terá um efeito de arrastamento para as raparigas na faculdade, as raparigas nas ligas mais jovens", disse. "Espera-se que as jovens também tenham mudanças de uniforme que reflictam isso, para que as jovens permaneçam no jogo durante mais tempo."

Os desafios permanecem

O abandono dos calções brancos pode ser a primeira de muitas mudanças de design a serem implementadas no desporto feminino.

Embora tenham sido feitos alguns progressos no sentido de adaptar o ajuste e a cor dos uniformes de futebol feminino, em parte para resolver as diferenças entre atletas masculinos e femininos, subsistem outras questões. Por exemplo, as jogadoras de futebol feminino ainda usam maioritariamente chuteiras, que foram concebidas intrinsecamente para os homens, apesar de a investigação sugerir que a calibragem dos sapatos pode estar a contribuir para lesões do ligamento cruzado anterior (LCA) nas mulheres.

Eugenie Le Sommer, da França, uma das várias equipas que trocaram os calções brancos por calções de cor escura no Campeonato do Mundo deste ano. Justin Setterfield/Getty Images

Antes do Campeonato do Mundo de Futebol Feminino, a Nike apresentou umas chuteiras com um novo design, criadas especificamente para as mulheres, que incorporam alterações que Melton acredita que irão reduzir o risco de certas lesões.

"A Nike analisou o assunto e disse: 'Oh, podemos mudar a forma como as nossas chuteiras são'. E isso reduz as lesões", disse Melton. "Finalmente, as pessoas abriram os olhos porque as mulheres atletas têm sido fantásticas defensoras destas causas".

"Penso que estamos numa altura da história em que vamos ver mais investimento", acrescentou. "E isso vai ter um efeito em cascata no desporto feminino."

Continue a ler esta notícia