O misterioso desaparecimento de Nicola Bulley não poderia ter sido mais acidental e trágico - TVI

O misterioso desaparecimento de Nicola Bulley não poderia ter sido mais acidental e trágico

Nicola Bulley desapareceu a 29 de janeiro enquanto passeava o cão (Foto: Polícia de Lancashire)

Nikki, como era tratada pela família, desapareceu em janeiro depois de ir levar as filhas à escola. Corpo foi encontrado três semanas depois

Relacionados

Nicola Bulley, a mulher de 45 anos cujo corpo foi encontrado no rio depois de três semanas de buscas em Lancashire, Inglaterra, morreu acidentalmente depois de ter caído em águas geladas, revela o relatório do médico legista citado pela BBC.

De acordo com o relatório, a tese de suicídio foi descartada. James Adeley, médico legista de Lancashire, considera que a morte de Bulley foi acidental, uma vez que a mulher caiu ao rio e sofreu um "choque de água fria".

Segundo os especialistas presentes na audiência em Preston, entrar em água fria (que no dia do incidente estaria entre os 3 e os 5 graus Celsius) pode fazer com que uma pessoa respire e inale água e se afogue em segundos.

"Bastava uma ou duas respirações para ultrapassar a dose letal de afogamento", afirmou Michael Tipton, citado pela Sky News, acrescentando que, nessa situação, uma pessoa teria cerca de 25 segundos até perder a consciência, sofrendo uma "incapacidade muito rápida".

Apesar de ter passado por uma "crise" de saúde mental nas semanas que antecederam o seu desaparecimento, não há "nada" nos registos médicos de Nicola Bulley que sugerissem que esta se tivesse tentado suicidar.

Nikki, como era tratada pela família, desapareceu a 27 de janeiro depois de ir levar as filhas à escola, enquanto passeava o cão junto ao rio Wyre, na localidade de St. Michael's on Wyre, Lancashire, e estava ligada numa videochamada de trabalho. 

Paul Ansell, companheiro de Nicola durante 12 anos, acredita que a mulher continuava a ouvir a reunião quando "terá pousado o telefone no banco e foi colocar o arnês no cão" e caiu no rio. 

As conclusões do médico legista deixam ainda claro que não houve envolvimento de terceiros na morte de Nicola Bulley. 

Continue a ler esta notícia

Relacionados