Golpe de Estado do Níger: em que ponto estamos? Como chegámos aqui? O que está em jogo? - TVI

Golpe de Estado do Níger: em que ponto estamos? Como chegámos aqui? O que está em jogo?

  • CNN
  • Stephanie Busari
  • 6 ago 2023, 22:15
Níger (AP Photo/Sam Mednick, File)

Líderes golpistas do Níger têm um prazo para ceder o poder. Será que a ação militar virá a seguir?

Os líderes de um golpe de Estado no Níger estão a tentar manter-se firmes, à medida que se aproxima um prazo iminente dos seus vizinhos para cederem o poder ou enfrentarem uma possível ação militar.

O bloco regional da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) deu ao exército nigerino um prazo até domingo para libertar e reintegrar o presidente deposto do país, Mohamed Bazoum.

Um dos responsáveis do grupo disse que tinha sido “elaborado um plano de intervenção”, mas que se tratava de um último recurso.

Mas com o tempo a passar, a possibilidade de uma ação militar está a tornar-se uma possibilidade real.

Como chegámos aqui?

O Níger fica no coração da região africana do Sahel, que tem assistido a numerosas tomadas de poder nos últimos anos, incluindo no Mali e no Burkina Faso.

Mas o Níger tem sido também uma das poucas democracias que restam na região.

A vitória eleitoral do Presidente Bazoum em 2021 marcou uma transferência de poder relativamente pacífica, pondo fim a anos de golpes militares após a independência do Níger de França em 1960.

Mas havia sinais de que a liderança militar do Níger acreditava que não tinha apoio do governo para combater os militantes e que um golpe poderia mudar essa campanha.

O golpe foi lançado em finais de julho, quando Bazoum foi detido por membros da guarda presidencial, antes de as instituições nacionais terem sido encerradas e de manifestantes de ambos os lados terem saído à rua.

O chefe da guarda, Abdourahamane Tiani, foi nomeado como novo líder. O paradeiro de Bazoum não é claro. Num artigo de opinião publicado no The Washington Post, ele descreveu-se como “refém”.

É provável uma intervenção?

A CEDEAO tem-se mostrado disposta a intervir nos casos em que os líderes se recusam a abandonar o poder ou quando as crises políticas se agravam. O novo presidente da CEDEAO é o novo presidente da Nigéria, Bola Tinubu, que, segundo os analistas, quer deixar a sua marca e mostrar que não é um líder fraco.

Será a primeira crise do seu curto mandato de liderança na CEDEAO e no seu país. Tinubu, porém, não tem experiência militar.

No entanto, não lhe falta uma retórica de discurso duro. Os meios de comunicação social locais noticiaram na sexta-feira que Tinubu tinha escrito para informar os deputados da Nigéria, como é legalmente obrigado a fazer, da intenção da CEDEAO de intervir militarmente no Níger se os líderes golpistas “se mantiverem recalcitrantes”.

O Senegal, ator-chave na região, também prometeu tropas, enquanto França, antiga potência colonial do Níger, disse que apoiava a posição da CEDEAO.

Após uma reunião da CEDEAO esta semana, o Comissário para os Assuntos Políticos, Paz e Segurança, Abdel-Fatau Musah, classificou qualquer opção militar como o “último recurso”, mas acrescentou que “todos os elementos que iriam fazer parte de uma eventual intervenção foram trabalhados aqui e estão a ser aperfeiçoados”.

Oluseyi Adetayo, especialista em segurança e inteligência, disse à CNN: “A preparação já está a ser feita, não há dúvida, e os militares estão a postos”.

“Segundo sei, a Nigéria não vai recuar e fará tudo o que for preciso para que o Níger volte a ser um país civil”, acrescentou.

“Querem que o poder seja devolvido a Bazoum, mas é provável que isso não seja viável. Talvez tenham de chegar a um compromisso, fazendo com que a junta deixe o poder, mas não o entregarão a Bazoum. Eles perderão e Bazoum também, e alguém neutro poderia entrar para dirigir um governo de transição”, disse Adetayo.

O que está em jogo?

Receia-se que uma região assolada pela insurreição de grupos terroristas temíveis como a Al Qaeda, o ISIS e o Boko Haram possa mergulhar numa guerra total que desestabilize ainda mais a região.

O Mali e o Burkina Faso, liderados por generais que tomaram o poder pela força, declararam que qualquer intervenção militar seria vista como uma declaração de guerra.

O novo líder militar do Níger, o general Abdourahamane Tchiani, também foi visto no Mali a reforçar o seu apoio.

No entanto, o Mali reduziu consideravelmente a sua capacidade militar depois de ter expulsado os militares franceses e de ter pedido aos soldados da ONU que abandonassem o país após uma missão de manutenção da paz de 10 anos.

Segundo os especialistas, o Mali e o Burkina Faso têm uma capacidade limitada para enviar um número significativo de tropas para o Níger. No entanto, sabe-se que os mercenários russos do grupo Wagner operam no Mali e que o seu líder já ofereceu ajuda ao Níger.

Com as tropas norte-americanas e francesas estacionadas no país, teme-se o desenvolvimento de uma potencial guerra por procuração.

A CEDEAO já interveio antes?

O último caso notável foi em 2017, quando a CEDEAO enviou forças militares para a Gâmbia para afastar o Presidente Jammeh, que não queria abandonar o poder após as eleições.

Uma demonstração de força na fronteira obrigou Jammeh a demitir-se, levando a uma resolução rápida. Este acontecimento levantou a questão de saber se táticas semelhantes seriam bem sucedidas na atual situação no Níger.

O bloco também enviou forças de manutenção da paz, principalmente da Nigéria, para zonas de guerra como a Serra Leoa e a Libéria.

Mas esta é a primeira vez que ameaça intervir num golpe de Estado - não houve tal resposta após os golpes nos vizinhos Mali ou Burkina Faso.

Porquê o Níger?

O Níger tem uma enorme importância regional. É o maior país da África Ocidental e uma porta de entrada vital entre o Sahel e o resto do continente.

O país é um campo de batalha crucial na luta contra o terrorismo e um foco de esforços de segurança regional e internacional.

O Níger possui recursos naturais significativos, sendo o urânio o seu ativo mais notório.

Após cinco golpes de Estado, os chefes de Estado da CEDEAO querem evitar um efeito de contágio nos seus próprios países. Algumas das pessoas mais pobres do mundo vivem na África Ocidental e há muitos cidadãos descontentes que exigem uma mudança de regime.

A CEDEAO precisa de ser vista a atuar de forma decisiva para impedir quaisquer outras tentativas de tomada de poder pelos militares.

No entanto, a maior preocupação continua a ser a ameaça sempre presente de insurreição. Os terroristas podem aproveitar a oportunidade para lançar ataques se as forças regionais estiverem preocupadas com a ação no Níger.

Como estão a reagir as pessoas no Níger?

Muitos nigerianos estão divididos - o país assistiu a vários golpes de Estado e ditaduras, mas ao mesmo tempo a má governação manchou a ideia de que a democracia é a solução.

O Níger é um dos países mais pobres do mundo e as pessoas estão a sofrer. As necessidades básicas, como a alimentação e o alojamento, são prioritárias.

Alguns saudaram o golpe. Nos protestos, os nigerianos denunciaram a França e elogiaram a Rússia, cujo grupo Wagner desempenha um papel de apoio a outros líderes da África Ocidental.

“Há protestos pró-golpe em todo o país, não apenas em Niamey”, disse à CNN Ali Sounama, jornalista nigeriano.

“Há 10 anos que o Níger tem uma má governação, falta de justiça e um sentimento geral de insegurança. As escolas e as instituições de saúde também são deficientes. Tudo isto levou a que as pessoas se congratulassem com uma mudança de regime”, acrescentou.

Este tipo de sentimento sugere que, mesmo que o objetivo declarado seja restaurar a democracia, uma intervenção militar pode não ser bem recebida em todo o país.

Continue a ler esta notícia