Nikki Haley derrotada nas primárias do Nevada mesmo sem concorrência direta de Trump - TVI

Nikki Haley derrotada nas primárias do Nevada mesmo sem concorrência direta de Trump

  • Agência Lusa
  • AM
  • 7 fev, 06:06
Nikki Haley (EPA)

Já Joe Biden, que não enfrenta rivais significativos nesta disputa, venceu as primárias democratas do Nevada

A opção “nenhum destes candidatos” foi a mais votada pelos eleitores republicanos nas primárias do Nevada, um resultado embaraçoso para Nikki Haley, a única candidata com peso mediático nas urnas após a ausência de Donald Trump.

A ex-embaixadora norte-americana junto à ONU Nikki Haley optou por cumprir a lei estadual e participar nas eleições primárias republicanas, ao contrário do ex-presidente Donald Trump que, aproveitando uma lacuna legal, decidiu participar nos 'caucus' do estado. Estes decorrem na quinta-feira e são a única disputa a garantir os delegados necessários para conquistar uma nomeação à Casa Branca.

Segundo as projeções dos jornais The New York Times e The Washington Post, com 53,1% dos votos apurados, a alternativa "nenhum destes candidatos" obteve 61,2% do apoio e Haley recebeu 32,4%. Os restantes votos foram distribuídos por candidatos que, inclusive, já abandonaram a corrida pela indicação republicana.

A opção “nenhum destes candidatos”, que acabou por ser a mais votada, é vista como uma forma de os eleitores poderem expressar insatisfação com os nomes propostos.

Antes das primárias, a campanha de Nikki Haley explicou o motivo de ter participado nas eleições primárias do estado, ao invés dos 'caucus' republicanos, advogando que o processo eleitoral foi alvo de manipulação para beneficiar Donald Trump.

“Não gastamos um centavo, nem um grama de energia no Nevada. Não vamos pagar (...) para participar num processo manipulado a favor de Trump. Nevada não é e nunca foi o nosso foco. Eu realmente não tenho certeza do que a equipa de Trump está a fazer por aí, mas eles parecem bastante entusiasmados”, disse a gerente de campanha de Haley, Betsy Ankney, durante uma conferência de imprensa na segunda-feira.

O Partido Republicano viu os tribunais reconhecerem a sua defesa do modelo de ‘caucus’ (de escolha presencial e mais informal), mas não a abolição do modelo das primárias (que permitem outras formas de participação, nomeadamente o voto por correspondência).

Além do duplo sistema de escolha, não ficou definido como o partido distribui os delegados, o que permitiu à fação dominante no estado, que apoia o ex-Presidente Donald Trump, conseguir que os delegados continuem a ser escolhidos por um ‘caucus'.

Ora, nesse ‘caucus’, que se realiza na próxima quinta-feira, Trump vai concorrer apenas contra o quase desconhecido pastor do Texas Ryan Binkley, tendo deixado a principal rival interna, a ex-embaixadora Nikki Haley, sozinha no boletim de voto das primárias de terça-feira.

Espera-se que Trump vença com folga os 'caucus', o que lhe deverá garantir todos os 26 delegados do estado. Os delegados são membros do partido, ativistas e funcionários eleitos que votam nas convenções nacionais do partido para selecionar formalmente o candidato às presidenciais.

Joe Biden vence primárias democratas do Nevada

O presidente norte-americano, Joe Biden, venceu as primárias democratas do Nevada, poucos dias após ter conquistado na Carolina do Sul a primeira vitória oficial na corrida à indicação para as presidenciais deste ano.

A projeção foi avançada pela imprensa norte-americana cerca de uma hora e quarenta minutos depois do encerramento das urnas de voto, declarando uma vitória a Biden no estado do Nevada, que será fundamental nas eleições de novembro.

Com 70% dos votos contabilizados, o atual chefe de Estado vencia com cerca de 89,6% de apoio. A opção “nenhum destes candidatos” surgia num distante segundo lugar, com cerca de 5,7% dos votos.

Biden, que não enfrenta rivais significativos nesta disputa, dividiu o boletim de voto com nomes como Marianne Williamson, uma autora de livros de autoajuda, que conseguiu 2,7% dos votos.

O congressista Dean Phillips, do estado do Minnesota (centro-oeste), não apresentou a candidatura e, por isso, não constou como uma opção nos boletins de voto. 

Um adversário que poderia causar alguma preocupação a Biden, o ativista Robert F. Kennedy Jr., decidiu abandonar as primárias democratas e candidatar-se à Casa Branca como independente.

A vitória no Nevada permitirá a Biden obter os 36 delegados que esse estado atribui. Para ser oficialmente proclamado candidato presidencial democrata, precisará de cerca de 2.000 delegados.

Ao ter conhecimento da vitória, Biden manifestou satisfação numa declaração em que valorizou os seus eleitores: “Os democratas do Nevada representam a nossa diversidade, a espinha dorsal da nossa nação”, afirmou.

"Os Estados Unidos foram construídos sobre uma ideia: a ideia de que todas as mulheres e homens são iguais (...) Mas esta promessa (...) nunca esteve em maior risco do que agora. Donald Trump está a tentar dividir-nos, não a unir-nos. E a arrastarmo-nos para o passado, distanciando-nos de um futuro promissor", disse.

No sábado, Biden já havia obtido uma outra grande vitória na Carolina do Sul, onde recebeu cerca de 96% dos votos na primeira disputa oficial do partido na campanha para as primárias presidenciais.

No final de janeiro, o presidente norte-americano venceu também as primárias democratas de New Hampshire, uma eleição simbólica para a qual Biden não fez campanha e na qual não foram atribuídos delegados.

Continue a ler esta notícia