Jacinda Ardern, antiga líder da Nova Zelândia, vai para Harvard - TVI

Jacinda Ardern, antiga líder da Nova Zelândia, vai para Harvard

  • CNN
  • Jessie Yeung
  • 28 abr 2023, 09:00
Jacinda Ardern deixa pela última vez o parlamento da Nova Zelândia como primeira-ministra. 25 de janeiro 2023. Foto: Hagen Hopkins/Getty Images

O seu período no poder foi marcado por várias crises, incluindo o atentado de Christchurch, uma explosão vulcânica mortal e uma pandemia

Depois de se demitir do cargo de líder da Nova Zelândia no início deste ano, Jacinda Ardern revelou que está a trocar a vida política agitada por um período de reflexão tranquilo no meio académico no estrangeiro, estando a planear ir para a Universidade de Harvard no outono, com duas bolsas de estudo. 

De acordo com um comunicado de imprensa de Harvard, Ardern foi nomeada para duas bolsas de estudo na Harvard Kennedy School, a escola de políticas públicas e governo da universidade. 

Será bolseira da Bolsa Angelopoulos de Líderes Públicos Globais, um programa destinado a líderes de alto nível em transição de funções de serviço público, e Líder Hauser no Centro de Liderança Pública da escola, um programa em que líderes de vários sectores ajudam estudantes e professores a desenvolver competências de liderança. 

"Jacinda Ardern mostrou ao mundo uma liderança política forte e empática", disse o reitor da Kennedy School, Douglas Elmendorf, no comunicado de imprensa. "Ganhou respeito muito para além das margens do seu país e trará conhecimentos importantes para os nossos estudantes e gerará conversas vitais sobre as escolhas de políticas públicas que os líderes enfrentam a todos os níveis." 

"Sinto-me incrivelmente honrada por me juntar à Universidade de Harvard como bolseira – não só dar-me-á a oportunidade de partilhar a minha experiência com outros, como me dará a oportunidade de aprender", afirmou Ardern no comunicado. "Como líderes, muitas vezes temos muito pouco tempo para refletir, mas a reflexão é fundamental se quisermos apoiar adequadamente a próxima geração de líderes". 

Ao mesmo tempo, Ardern concluirá uma bolsa separada no Centro Berkman Klein para a Internet e Sociedade da Faculdade de Direito de Harvard, onde estudará maneiras de limitar o conteúdo extremista online. 

Numa publicação no Instagram na quarta-feira, Arden disse que iria dar "algumas palestras, ensinar e aprender".

Acrescentou que Harvard tem sido um parceiro importante no seu trabalho para a Christchurch Call – uma iniciativa que ela ajudou a lançar em 2019 para combater o conteúdo terrorista e extremista violento online, dois meses após o ataque terrorista de Christchurch, na Nova Zelândia, que matou 51 pessoas em duas mesquitas. O atacante transmitiu o incidente em direto e publicou previamente um manifesto na internet. 

Ardern disse que iria estar ausente durante um semestre, perdendo as eleições gerais na Nova Zelândia, mas que regressaria no final das bolsas de estudo. "Afinal de contas, a Nova Zelândia é a minha casa!", escreveu.

Quando Ardern se tornou primeira-ministra do país em 2017, aos 37 anos de idade, foi a terceira mulher líder da Nova Zelândia e uma das líderes mais jovens do mundo. No espaço de um ano, tornou-se a segunda líder mundial a dar à luz no exercício do cargo. 

O seu período no poder foi marcado por várias crises, incluindo o atentado de Christchurch, uma explosão vulcânica mortal e uma pandemia mundial. 

Rapidamente se tornou um ícone global progressista, recordada pela sua empatia ao conduzir a Nova Zelândia durante estas crises e por levar a sua filha bebé à Assembleia Geral das Nações Unidas. 

No entanto, no seu país, a sua popularidade diminuiu devido ao aumento do custo de vida, à falta de habitação e à ansiedade económica. Ardern enfrentou violentos protestos contra o confinamento na capital, Wellington, e recebeu ameaças contra si. 

Ardern anunciou a sua demissão em janeiro, dizendo que já não tinha energia suficiente para concorrer às eleições. 

No início deste mês, despediu-se com um discurso emocionado no parlamento, afirmando a todos os nerds, chorões, fãs de abraços, mães e antigos mórmones do mundo: "Vocês podem ser tudo isso. E não só podem estar aqui, como podem liderar. Tal como eu."

Continue a ler esta notícia