Agência de Energia Atómica condena exclusão pelo Irão de inspetores - TVI

Agência de Energia Atómica condena exclusão pelo Irão de inspetores

  • Agência Lusa
  • PP
  • 16 set 2023, 19:57
Programa nuclear do Irão (fonte Getty)

O Irão retirou a acreditação de vários inspetores da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) responsáveis pela monitorização do programa nuclear iraniano, anunciou hoje o organismo da ONU

O Irão retirou a acreditação de vários inspetores da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) responsáveis pela monitorização do programa nuclear iraniano, anunciou hoje o organismo da ONU, condenando um gesto "sem precedentes".

"Hoje, a República Islâmica informou-me da sua decisão de retirar a autorização de vários inspetores experientes da Agência", escreveu o diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, em comunicado.

Com esta medida, que surge depois de outro caso recente, "o Irão retirou um terço do grupo central" de peritos, o que "afeta direta e drasticamente" a capacidade da AIEA para levar a cabo a sua missão e garantir a natureza pacífica das atividades nucleares do programa iraniano, lamentou.

Esta decisão "unilateral, desproporcionada e sem precedentes" é "mais um passo na direção errada" e "desfere um golpe desnecessário numa relação já tensa", declarou Grossi, apelando a Teerão para "rever a sua posição" e "corrigir a situação".

Há mais de dois anos que a AIEA trabalha para inspecionar o programa nuclear iraniano, que continua a crescer, apesar de Teerão negar que queira desenvolver uma bomba atómica.

Os Estados Unidos e os três países europeus reunidos no grupo E3 (França, Alemanha e Reino Unido) ameaçaram esta semana o Irão com uma nova resolução na reunião do Conselho de Governadores em Viena, sede da AIEA.

"O Irão persiste na sua recusa deliberada em colaborar com a Agência", afirmaram. "Se não implementar as ações essenciais e urgentes" necessárias, o Conselho "deve estar preparado para tomar novas medidas".

Desta vez, as potências ocidentais optaram por uma "declaração conjunta" apoiada por 60 países, instando Teerão a "agir imediatamente" para resolver as divergências com a AIEA.

Em resposta à retirada unilateral dos Estados Unidos, decidida em 2018 pelo então Presidente Donald Trump, a República Islâmica libertou-se gradualmente dos compromissos assumidos ao abrigo do acordo de 2015 conhecido pelo acrónimo JCPOA.

O pacto deveria limitar as atividades nucleares do Irão em troca do levantamento das sanções internacionais.

As discussões em Viena por várias partes interessadas para relançar o acordo fracassaram no ano passado.

Continue a ler esta notícia