Fogo em Odemira causou prejuízo de 7 milhões de euros em habitações - TVI

Fogo em Odemira causou prejuízo de 7 milhões de euros em habitações

  • Agência Lusa
  • PF
  • 8 set 2023, 17:55
Incêndio em Odemira (Luís Forra/LUSA)

Número adiantado por Hélder Guerreiro, presidente da autarquia

O incêndio no concelho de Odemira (Beja), em agosto, causou danos de sete milhões de euros em habitações, adiantou o presidente do município, confirmando que o prejuízo total será “entre os nove e os 11 milhões de euros”.

“Estamos a falar de 2,7 milhões de prejuízos na área do turismo, mas também à volta de sete milhões de prejuízos nas habitações, o que é, de facto, esmagador”, disse esta sexta-feira à agência Lusa o presidente da autarquia, Hélder Guerreiro (PS), após a sessão solene comemorativa do Dia do Município.

Depois de, no início da semana, ter estimado que os prejuízos causados pelo incêndio que deflagrou no concelho em 5 de agosto poderiam rondar os 10 milhões de euros, o presidente da câmara municipal confirmou hoje que “o processo de levantamento dos valores em causa está basicamente terminado”.

“Chegámos, mais ou menos, a um valor entre os nove e os 11 milhões de euros de prejuízos globais”, avançou.

Grande parte deste montante, “à volta de sete milhões”, diz respeito a prejuízos nas habitações.

Segundo o autarca, trata-se de habitações “que sofreram danos, algumas totais, mas muitas parciais”.

A tudo isto há ainda que “juntar as contas feitas pela agricultura, que ainda não temos”, continuou o presidente do município do litoral alentejano.

Os valores finais dos prejuízos serão apresentados pela Câmara de Odemira, no próximo dia 12, à ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, que estará no concelho nesse dia.

O presidente da autarquia espera que a governante confirme na altura a disponibilidade do governo para avançar com apoios financeiros aos lesados.

“Espero [apoios financeiros] e penso que este governo tem tido nesta situação uma postura de bom senso e de trabalho com transparência e verdade connosco”, disse.

Ainda assim, Hélder Guerreiro reconheceu à Lusa que haverá “situações que, porventura, podem vir a não ser objeto de apoio, nomeadamente habitações secundárias ou que não tinham o processo legal completo”.

“Para isso vamos também tentar encontrar soluções com as pessoas”, afirmou.

De momento, acrescentou, a autarquia já começou a “trabalhar naquilo que é a prevenção, nomeadamente linhas de água que estão obstruídas”.

“Há todo um trabalho que já iniciámos de reabilitação das linhas de água e também de algumas encostas, que precisam de um trabalho de prevenção de escorrências e de desmoronamentos”, disse.

Continue a ler esta notícia