ONU revê drasticamente o número de mortos nas inundações na Líbia - TVI

ONU revê drasticamente o número de mortos nas inundações na Líbia

  • CNN
  • Sahar Akbarzai e Richard Roth *
  • 18 set 2023, 15:26
Derna, Líbia (Associated Press)

Relacionados

A ONU alterou o número de mortos das inundações na Líbia, de acordo com um relatório atualizado no domingo de manhã pelo Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários das Nações Unidas (OCHA). 

A ONU afirma agora que pelo menos 3.958 pessoas morreram em toda a Líbia devido às inundações, citando a Organização Mundial de Saúde (OMS). O relatório revisto refere ainda que mais de 9.000 pessoas continuam desaparecidas. 

No relatório inicial de sábado, o OCHA afirmou que pelo menos 11 300 pessoas morreram em Derna, na Líbia, em consequência das inundações devastadoras. O OCHA citou o Crescente Vermelho Líbio para fornecer os números do relatório de sábado.  

"Estamos a utilizar os números acabados de verificar pela OMS", afirmou Farhan Haq, porta-voz adjunto do Secretário-Geral da ONU, à CNN no domingo. 

O Crescente Vermelho Líbio disse à CNN, no domingo, que nunca divulgou à ONU os números elevados de mortos nas inundações em Derna.

As inundações na Líbia são as mais mortíferas em África há mais de um século

Está também entre as 20 inundações mais mortíferas em todo o mundo desde 1900. A anterior inundação significativa na Líbia foi em 2019, quando quatro pessoas perderam a vida e milhares foram afectadas, mas a escala desta é sem precedentes.

As 10 inundações mais mortíferas em África desde 1900

Ano País Mortes
2023 Líbia 3,958*
1927 Algéria 3,000
2023 República Democrática do Congo 2,970
1997 Somália 2,311
2001 Algéria 921
2000 Moçambique 800
1995 Marrocos 730
2022 Nigéria 603
1994 Egipto 600
2022 África do Sul 544

*Última atualização: 18 de setembro. Os dados são de 17 de setembro de 2023. Nota: O número de mortes para a inundação na Líbia continua a ser atualizado. O total de mortes para todos os eventos é aproximado, o conjunto de dados pode não incluir todas as inundações que ocorreram em África. 
Fontes: Base de dados de eventos de emergência, Organização Mundial de Saúde das Nações Unidas Tabela: Rachel Wilson e Krystina Shveda, CNN

Quando lhe perguntaram como ou por que razão a ONU citou incorretamente o número de mortos, Haq disse que "em muitas tragédias diferentes acabamos por rever os números. É isso que está a acontecer aqui".

"O procedimento normal é trabalharmos com diferentes partes para garantir que os nossos números são verificados. Sempre que fazemos estas revisões é porque os nossos números estão a ser verificados", explicou Haq. 

O porta-voz adjunto disse que os dados sobre o número de mortos são variáveis, "podem subir ou descer".

Derna, o epicentro das inundações durante a tempestade Daniel, foi dividida em duas depois das águas das cheias terem varrido bairros inteiros no domingo passado, abrindo caminho para o mar. A cidade tinha uma população de cerca de 100.000 habitantes antes da tragédia.

A zona ribeirinha tornou-se a principal área de espera para a recolha de cadáveres e o seu transporte para o enterro, num processo que tem sido mantido num único local como consequência dos riscos para a saúde dos corpos em decomposição.

Os especialistas afirmam que o impacto da tempestade foi fortemente exacerbado por uma confluência letal de factores, incluindo o envelhecimento e a degradação das infraestruturas, avisos inadequados e os efeitos da aceleração da crise climática.

Cinco membros de uma missão de ajuda humanitária grega na Líbia morreram no domingo na sequência de um acidente rodoviário, informou o Ministro da Defesa grego.

De acordo com as autoridades gregas, o autocarro que transportava a missão grega - que só tinha chegado à Líbia no domingo de manhã - colidiu com outro veículo a caminho de Derna. Três membros das forças armadas e dois intérpretes perderam a vida no acidente, enquanto vários outros ficaram feridos, segundo as autoridades.

A tempestade Daniel também causou inundações catastróficas na Grécia dias antes de varrer grande parte do nordeste da Líbia. A precipitação extrema foi o resultado de um sistema de baixa pressão que atingiu primeiro a Grécia e outras partes do sul da Europa, antes de se transformar num ciclone de tipo tropical e atravessar a costa da Líbia.

Milhares de mortos na Líbia

As fortes chuvas fizeram colapsar duas barragens, enviando uma onda de sete metros na direção da cidade, fazendo desaparecer bairros inteiros.

*Chris Liakos, da CNN, contribuiu para a reportagem.

Continue a ler esta notícia

Relacionados

EM DESTAQUE