Operação Páscoa 2023 termina com pior balanço dos últimos dois anos - TVI

Operação Páscoa 2023 termina com pior balanço dos últimos dois anos

  • Agência Lusa
  • AG
  • 13 abr 2023, 07:24
Operação Páscoa da GNR acaba com 15 mortos e 45 feridos. (Horacio Villalobos/ Getty Images)

Autoridades alertam que "o número de mortes continua a ser muito elevado". Em média 650 pessoas perdem a vida por ano nas estradas

No período de Páscoa, entre 6 e 10 de abril, registaram-se mais 11 vítimas mortais nas estradas portuguesas do que na Páscoa de 2022 e mais sete do que em 2021, revelou a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

O balanço global da Páscoa 2023 é de 16 vítimas mortais, 42 feridos graves e 555 feridos leves, mais 11 vítimas mortais, menos 2 feridos graves e mais 48 feridos leves do que no período da Páscoa de 2022.

Em relação a 2019, verificou-se um aumento de sete vítimas mortais, dois feridos graves e 36 feridos leves, no respetivo período da Páscoa.

"Apesar dos progressos efetuados nos últimos 25 anos em Portugal, o número de mortos e de feridos graves nas estradas portuguesas continua a ser muito elevado. Em média, na última década, 650 pessoas perderam a vida por ano e mais de dois mil ficaram gravemente feridas", refere a ANSR, em comunicado divulgado na noite de quarta-feira.

No documento, "apela a todos os que utilizam o sistema rodoviário para darem prioridade à vida" e adotarem comportamentos seguros. "Só com o compromisso de todos será possível combater este flagelo que é a sinistralidade rodoviária e atingir o único número aceitável de vítimas mortais: Zero", destaca.

O balanço revela um total de 1.758 acidentes com vítimas esta Páscoa, dos quais 11 acidentes "muito graves" que provocaram 16 vítimas mortais, com idades entre 10 e 71 anos.

Esses acidentes, 6 colisões e 5 despistes, ocorreram nos distritos de Porto, Aveiro, Viseu, Santarém e Évora, em arruamentos e estradas nacionais, envolvendo 10 veículos ligeiros, 3 motociclos, 2 ciclomotores e 1 velocípede.

O balanço da ANSR revela ainda que, entre 6 a 10 de abril de 2023, foram fiscalizados mais de 2 milhões de veículos, quer presencialmente pela GNR e pela PSP, quer através de controlo por radar.

Relativamente à velocidade, foram fiscalizados 1.980.925 veículos, dos quais 1.822.091 pelo SINCRO - Sistema Nacional de Controlo de Velocidade (92% do total), da responsabilidade da ANRS, representando um aumento de 13,1% face a 2022.

Dos veículos fiscalizados por radar de velocidade, 10.945 circulavam com excesso de velocidade, dos quais 4.027 foram detetados pelos radares da GNR e da PSP e 6.918 pelos da ANSR, resultando numa taxa de infração (n.º total de infrações/n.º total de veículos fiscalizados) de 0,55%, abaixo da taxa registada em 2022 (0,73%). Na Páscoa de 2019, a taxa de infração foi de 0,64%.

Neste período, foram submetidos ao teste de pesquisa de álcool 33.037 condutores, tendo 739 apresentado uma taxa de alcoolemia superior à máxima permitida (TAS≥0,50 g/l), dos quais 401 condutores uma TAS superior a 1,20 g/l.

A taxa de infração registada por condução sob influência de álcool foi de 2,24%, inferior à registada em 2022 (2,56%) e em 2019 (2,74%), segundo os dados da ANSR.

Nas fiscalizações foram ainda detetadas 233 infrações relativamente ao uso do telemóvel durante a condução.

Continue a ler esta notícia