Fraude e branqueamento: altos responsáveis da Altice alvo de operação - TVI

Fraude e branqueamento: altos responsáveis da Altice alvo de operação

  • Henrique Machado
  • - notícia atualizada às 12:36
  • 13 jul 2023, 11:54
Altice é dona da MEO

Há dezenas de buscas em curso de norte a sul do país

A Autoridade Tributária e o procurador Rosário Teixeira, do DCIAP, têm esta manhã em marcha uma grande operação que tem como alvos alguns dos mais altos responsáveis da ALTICE em Portugal, apurou a CNN Portugal. Em causa, suspeitas de crimes como falsificação, branqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada. 

A CNN sabe que há dezenas de buscas em curso de norte a sul, nomeadamente na Quinta no Gerês de Armando Pereira, responsável da Altice Europa, e também na sede da Altice em Portugal, na zona de Picoas, em Lisboa.

Em causa, acredita a investigação, estão alegados crimes na forma como foram simulados negócios e ocultados proveitos na alienação de património milionário, desde logo imobiliário, da antiga PT. 

Um dos negócios sob suspeita prende-se com a venda de quatro prédios em Lisboa por cerca de 15 milhões de euros. 

Os compradores dos edifícios têm ligações a um circuito empresarial que foi montado em Braga, na Zona Franca da Madeira e no Dubai. E têm relações com o empresário Hernâni Vaz Antunes, familiares e sócios.

Acredita a investigação que, com o alegado esquema montado, de circulação de capitais e devolução dos mesmos aos vendedores, foi lesada a Altice Internacional e o Estado português, pela forma como não terão sido tributados valores devidos na ordem dos milhões de euros.

A Autoridade Tributária agendou a operação para a chegada a Portugal, de férias, de Armando Pereira.

Os inspetores tributários acompanharam a chegada da frota de automóveis de luxo do patrão da Altice à quinta no Gerês, numa operação testemunhada pela CNN Portugal e pela TVI. Foram descarregados de um camião um Aston Martin e um Lamborghini de Armando Pereira.

A Altice Portugal "confirma que foi uma das empresas objeto de buscas" no cumprimento de mandado do Ministério Público e que "encontra-se a prestar toda a colaboração" solicitada, disse à Lusa fonte oficial.

"A Altice confirma que foi uma das empresas objeto de buscas pelas autoridades em cumprimento de mandado do Ministério Público no âmbito de processo de investigação em curso", afirmou a fonte, sem adiantar mais pormenores.

A dona da Meo "encontra-se a prestar toda a colaboração que lhe é solicitada. A Altice Portugal estará sempre disponível para quaisquer esclarecimentos", concluiu a mesma fonte.

Continue a ler esta notícia