Christopher Nolan e o elenco de “Oppenheimer” discutem a bomba atómica e os seus arrepiantes ecos nos dias de hoje: “A humanidade só pode lidar com um apocalipse de cada vez” - TVI

Christopher Nolan e o elenco de “Oppenheimer” discutem a bomba atómica e os seus arrepiantes ecos nos dias de hoje: “A humanidade só pode lidar com um apocalipse de cada vez”

  • CNN
  • Thomas Page e David Daniel. Fotos: Melinda Sue Gordon/Universal Pictures
  • 22 jul 2023, 17:00
Oppenheimer Fotos Universal Pictures

Realizador Christopher Nolan em conversa com a CNN.

“A bomba, Dimitri. A bomba de hidrogénio”, recorda um exasperado Presidente dos EUA ao seu homólogo soviético no clássico de Stanley Kubrick de 1964, “Doutor Estranhoamor” [No original, “Dr. Strangelove or: How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb”]

Como se a bomba pudesse alguma vez ser esquecida. No auge da Guerra Fria, quando a destruição mútua assegurada estava no seu auge louco, a guerra nuclear viu-se resumida através do humor - talvez a única forma razoável de tratar algo tão temível. A bomba era uma piada de mau gosto, por vezes metafórica, por vezes literal, um totem do engenho e da estupidez da humanidade, fechada com um rebite e deixada para voar. Olhar para ela de frente era ficar cego pelo seu brilho; o poder que exercia era demasiado absurdo - e demasiado próximo - para ser encarado. Era melhor mandar vir os palhaços.

Teria parecido inconcebível na altura, mas a bomba atómica acabou por desaparecer das mentes. No século XXI, surgiram outras ameaças existenciais. No entanto, a ameaça nuclear parece hoje mais próxima do que há gerações. E é precisamente neste momento que Christopher Nolan pede ao público que a olhe com sobriedade.

“A nossa relação com as armas nucleares é muito complicada”, disse Nolan à CNN. “O medo vai e vem. É quase como se a humanidade só pudesse lidar com um apocalipse de cada vez, e há tantas questões com que se preocupar”.

Mas muitos vão preocupar-se depois de verem “Oppenheimer”, o seu último e talvez melhor filme até à data. Tal como o nome sugere, Nolan abordou a vida de J. Robert Oppenheimer, o génio científico e padrinho em conflito da bomba atómica. Trabalhando em IMAX, o realizador desenvolve uma narrativa avassaladora e assombrosa da história da criação da bomba e das suas consequências ao longo de três horas que testam os limites do próprio meio.

Cillian Murphy como padrinho da bomba atómica J. Robert Oppenheimer em "Oppenheimer". Universal Pictures

O argumento de Nolan - escrito, invulgarmente, na primeira pessoa - baseou-se na biografia definitiva “American Prometheus: The Triumph and Tragedy of J. Robert Oppenheimer”, de Kai Bird e Martin Sherwin, mas não chega a ser a mesma abordagem forense do físico. Entre o colorido e o monocromático - o realizador descreveu o primeiro como uma lente subjetiva e o segundo como uma lente objetiva sobre os acontecimentos - vivemos a narrativa sobretudo através dos olhos de Oppenheimer.

“Temos de apurar os factos. Temos de nos guiar pela história. Mas estamos a tentar dar ao público uma experiência. Estamos a tentar entreter e envolver o público de uma forma significativa”, explicou Nolan.

“É um relato subjetivo”, acrescentou. “Estamos a tentar não julgar o homem. Estamos a tentar viver as coisas com ele e compreender”.

O olhar azul e penetrante de Oppenheimer é habitado por Cillian Murphy, colaborador de longa data do realizador e ator principal pela primeira vez. “Oh, havia um homem”, disse Murphy sobre a sua personagem. “Fiquei tão entusiasmado por me ter sido dada a oportunidade - é uma espécie de papel de sonho. Mas é tão multifacetado e massivo que é preciso mergulhar de cabeça.”

Murphy interpreta Oppenheimer desde jovem estudante em Cambridge, nos anos 20, até à era McCarthy do pós-guerra e mais além, sem a ajuda de um CGI que “desenvelhece” (o físico morreu em 1967). À sua volta, gira um quem-é-quem de cientistas, militares e políticos impecavelmente equipados, juntamente com as mulheres da sua vida, a mulher Kitty (Emily Blunt) e a amante Jean Tatlock (Florence Pugh) - um vasto elenco de apoio no verdadeiro sentido da palavra.

“Ao ver Cillian e Chris juntos, vimos duas pessoas no auge das suas capacidades”, disse Matt Damon, que interpreta Leslie Groves, o general brusco que supervisiona o Projeto Manhattan.

“Senti-me como quando Spielberg fez 'O Resgate do Soldado Ryan'", acrescentou, “vendo Chris Nolan com uma história que é digna da sua vasta capacidade. Toda a gente o sentiu, por isso todos deram o seu melhor e disseram: ‘Muito bem, como vamos apoiar isto?’"

Uma ameaça renovada

Para a maioria do considerável elenco de Nolan, a invenção de Oppenheimer foi o pano de fundo da sua educação. “Esta era a nossa ameaça existencial enquanto crescíamos”, recorda Robert Downey Jr., que interpreta Lewis Strauss, comissário fundador da Comissão de Energia Atómica dos EUA e, mais tarde, um operador político.

“Nós crescemos nessa altura, mas é quase demasiado para nos envolvermos, por isso empurramo-lo para fora”, disse Damon. “É como se vivêssemos sob esta espada de Dâmocles há 80 anos... Para os nossos filhos, não faz parte da sua experiência na medida em que deveria fazer”.

Cillian Murphy ao lado de Christopher Nolan no set de filmagem de "Oppenheimer". Melinda Sue Gordon/Universal Pictures

Nolan sabe isso muito bem. “Contei a um dos meus filhos adolescentes no que estava a trabalhar”, recorda. “Ele disse-me: 'Bem, já ninguém se preocupa com isso? Isso foi há uns dois anos. Quando acabámos de rodar o filme, infelizmente ele já não fazia essa pergunta”.

A Rússia invadiu a Ucrânia dias antes de as câmaras começarem a rodar, observou Murphy, e foi sob essa nuvem que as filmagens começaram no Novo México, num local que representava a sede do Projeto Manhattan em Los Alamos.

O filme adquiriu uma relevância preocupante, especialmente as passagens que se passam no pós-guerra, documentando uma corrida ao armamento contra a qual Oppenheimer alertou. A análise do seu legado, na perspetiva do físico e das pessoas que o rodeavam, forma um refrão devastador e complexo.

Robert Downey Jr. em "Oppenheimer" Universal Pictures

Atualmente, o debate ético em torno da bomba permanece intacto. Mas mesmo que uma guerra envolvendo uma potência nuclear não tivesse eclodido na Europa em 2022, Nolan acredita que "Oppenheimer" contém ansiedades transversais.

“A guerra nuclear é a única ameaça que enfrentamos, mas também está relacionada com a nossa relação - e particularmente com a relação dos jovens - com a tecnologia e a inovação tecnológica. Porque, em última análise, a bomba atómica, por muito terrível que seja e tenha sido, foi uma inovação tecnológica incrível”.

Oitenta anos após o teste Trinity, a inovação tecnológica assemelha-se à inteligência artificial (IA) e aos perigos potenciais de “libertar essas coisas no mundo”.

“Muitos dos cientistas com quem falo, muitas das pessoas que trabalham no sector da tecnologia com quem falo, preocupam-se com isso”, acrescentou. “Veem o que estão a fazer como o seu momento Oppenheimer e olham para a sua história para dar algum tipo de orientação sobre como deve funcionar a relação entre ciência, tecnologia, governo e sociedade”.

“Não sei se a história de Oppenheimer tem respostas para isso”, acrescentou. “Levanta certamente as questões, e de uma forma que penso que vamos achar bastante arrepiante.”

“Muitos dos cientistas com quem falo... veem o que estão a fazer como o seu momento Oppenheimer", disse Nolan sobre a ascensão da IA. Universal Pictures

Kubrick fez-nos rir da bomba porque nos pareceu um mecanismo de sobrevivência adequado. Agora, a contemplação feroz e sincera de Nolan vai despertar uma nova geração para os seus horrores - e isso também parece apropriado.

Para um realizador obcecado com o funcionamento do tempo, a chegada do seu último filme é estranha. Mas sente-se que o filme irá sobreviver a este momento e apenas irá reforçar a sua reputação como um dos poucos realizadores de “grandes sucessos de bilheteira” com a influência necessária para trabalhar a esta escala.

“Sempre houve esta mística à volta de Nolan”, partilhou Downey Jr.. Na primavera-verão em que saiu o primeiro “Homem de Ferro” (em 2008), as pessoas diziam: “Oh, isto serve até sair ‘O Cavaleiro das Trevas’. Então, pensamos: 'Oh, não é um Chris Nolan'".

“Ele é um mestre do cinema, não há como negar”, acrescentou, “e não há muitos desses por geração”.

“Penso que este filme é uma espécie de apoteose do seu talento como realizador”, disse Murphy. “Ter tido o privilégio de trabalhar com ele ao longo dos anos e vê-lo avançar para isto, é fenomenal de testemunhar.”

Continue a ler esta notícia