Têm matrículas, selos e até moeda mas não têm terra. Esta é a história do passaporte mais raro do mundo - TVI

Têm matrículas, selos e até moeda mas não têm terra. Esta é a história do passaporte mais raro do mundo

  • CNN
  • Lola Méndez
  • 11 fev, 18:00
Os primeiros passaportes foram emitidos pela Ordem de Malta em 1300 (Nicusor Floroaica/Soberano da Ordem de Malta)

A Ordem Soberana e Militar de Malta - também conhecida como os Cavaleiros de Malta - não é apenas uma ordem religiosa católica com quase mil anos de história. Também não é apenas uma organização de ajuda humanitária com um orçamento de vários milhões de euros, com operações que incluem campos de refugiados e programas de assistência a catástrofes em cerca de 120 países em todo o mundo.

É também uma nação soberana, com o estatuto de observador das Nações Unidas e a sua própria constituição, mas, invulgarmente, sem qualquer terra. Emite matrículas de automóveis - sem ter estradas para as conduzir - e os seus próprios selos, moeda e passaportes.

Os Cavaleiros nasceram como uma ordem cavalheiresca em Jerusalém por volta de 1099 e foram presenteados com o arquipélago maltês em 1530 pelo rei de Espanha. Napoleão Bonaparte expulsou os Cavaleiros de Malta aquando da invasão francesa de 1798 e, atualmente, a Ordem tem a sua sede em Roma. Daniel de Petri Testaferrata, o presidente da Ordem em Malta, diz à CNN que apenas cerca de 100 dos 13.500 cavaleiros, damas e capelães atualmente dispersos por todo o mundo vivem no arquipélago maltês.

Os primeiros passaportes foram emitidos pela Ordem de Malta em 1300, quando os seus diplomatas viajavam para outros Estados com documentos que atestavam o seu papel de embaixadores. Após a Segunda Guerra Mundial, a utilização do passaporte diplomático assumiu as caraterísticas dos passaportes utilizados noutros países. Atualmente, existem apenas cerca de 500 passaportes diplomáticos em circulação, o que faz dele o passaporte mais raro do mundo.

Um documento muito exclusivo

O passaporte carmesim da Ordem (talvez uma alusão ao sangue de Cristo) é reservado aos membros do Conselho Soberano e aos chefes de missões diplomáticas e famílias destes. É adornado com letras douradas que indicam o nome da organização em francês, "Ordre Souverain Militaire de Malte", e um brasão.

"A Ordem concede passaportes aos membros do seu governo durante o período do seu mandato", diz de Petri Testaferrata. Os passaportes dos Grão-Mestres são válidos por um período mais longo, uma vez que são eleitos por 10 anos, podem exercer dois mandatos e devem reformar-se aos 85 anos. Os outros passaportes são válidos por quatro anos e só são utilizados para missões diplomáticas. Os passaportes têm 44 páginas com uma marca de água com a cruz maltesa, sem grande alarde, sem imagens ou citações.

Eugenio Ajroldi di Robbiate, antigo diretor de comunicação da Ordem, diz à CNN que pode ser engraçado ver a reação dos funcionários aduaneiros quando veem o passaporte. "É provável que nunca tenham visto um antes. Uma vez, quando cheguei ao aeroporto de Banguecoque, uma multidão de operadores no controlo de passaportes queria ver o meu passaporte raro e tirar uma selfie com ele", conta.

De acordo com De Petri Testaferrata, dois terços dos membros de Schengen reconhecem o passaporte diplomático e a Ordem trabalha em estreita colaboração com muitos países sem relações diplomáticas formais, como a França, o Reino Unido e os Estados Unidos.

"Fornecemos ajuda médica e humanitária rápida às vítimas de conflitos ou de catástrofes naturais. Gerimos hospitais, ambulâncias, centros médicos, lares de idosos e de deficientes, cozinhas sociais e postos de primeiros socorros", explica de Petri Testaferrata.

No rasto dos Cavaleiros de Malta

Embora seja pouco provável que encontre algum cavaleiro numa visita a Malta, existem muitos locais nas ilhas maltesas onde pode aprender sobre a luta e o destino da famosa Ordem.

Uma das primeiras coisas em que se repara ao chegar à ilha principal é o enorme Forte de Santo Ângelo, em tons de mel, que sobressai das águas azuis do grande porto. O imponente bastião medieval foi outrora a sede da Ordem e é a única estrutura remanescente na ilha que ainda pertence parcialmente aos Cavaleiros.

De Petri Testaferrata conta à CNN que a capela dedicada a Santa Ana, na parte superior do forte, continua a ser cuidada pela Ordem. É possível visitar esta parte do forte para ver onde o Grão-Mestre de Valette rezava diariamente para se livrar dos invasores otomanos durante o Grande Cerco de 1565.

No interior das antigas muralhas do bastião de Mdina, a capital medieval de Malta e Património Mundial da UNESCO, pode aprender mais sobre a Ordem no espetáculo audiovisual 3D "Os Cavaleiros de Malta". Situa-se na Casa Magazzini, onde os Cavaleiros armazenavam munições, e conta a história dos Cavaleiros em Malta, incluindo o mo

mento em que foram presenteados com o arquipélago em 1530 pelo rei de Espanha.

Na capital, Valeta, pode continuar o seu percurso de Cavaleiro na Biblioteca Nacional de Malta, onde se encontra a Pie Postulatio Voluntatis, o pergaminho que o Papa Pascoal II utilizou em 1113 para conceder a soberania à Ordem.

"A coleção da biblioteca é constituída por documentos e manuscritos originais da Ordem", afirma Dane Munro, um guia turístico e historiador especializado na história da Ordem.

Depois da biblioteca, pode atravessar a rua para visitar o Palácio do Grão-Mestre, que outrora acolheu os Cavaleiros. A Sala do Trono era usada pelos Cavaleiros como o Salão do Conselho Supremo e permanece adornada com frescos antigos que retratam o Grande Cerco. Não perca os retratos dos Grão-Mestres na Sala dos Embaixadores.

O tempo de Caravaggio como Cavaleiro

Como todos os bons cavalheiros, os Cavaleiros gostavam de arte, o que deu origem a uma polémica. O famoso pintor italiano Michelangelo Merisi da Caravaggio chegou a Malta em 1607, depois de ter matado um homem num duelo e de ter fugido de Roma. A Ordem nomeou-o Cavaleiro e ele tornou-se o pintor da corte. Pouco tempo depois, Caravaggio mostrou que era mais um lutador do que um cavalheiro e os Cavaleiros expulsaram-no da Ordem.

Ao visitar a co-Catedral de São João, a poucos quarteirões do Palácio do Grão-Mestre, não perca de vista "A decapitação de São João", que é a maior e única obra assinada de Caravaggio.

Combine uma viagem a Mdina com uma visita ao espetáculo audiovisual 3D "Knights of Malta" (Finnbarr Webster/Getty Images)

A poucos quarteirões de distância encontra-se a Casa Rocca Piccola da família de Piro que, segundo Munro, esteve intimamente ligada à Ordem. Pode fazer uma visita guiada à grande casa onde vive o marquês Nicholas de Piro, o chanceler da Associação Maltesa da Ordem. A sua casa é uma cápsula do tempo da elegância barroca do século XVI.

Também é possível ficar alojado num palácio que pertenceu aos Cavaleiros. O Rosselli AX Privilege é um hotel boutique situado na casa do século XVII do Cavaleiro de Malta Don Pietro Rosselli e tem uma localização central em Valeta, o que o torna o ponto de partida perfeito para visitar Malta e aprender mais sobre os Cavaleiros.

Se tiver sorte e avistar um dos poucos Cavaleiros do arquipélago, poderá identificá-lo pelas suas vestes tradicionais, que só são usadas durante as cerimónias religiosas. A túnica preta com punhos brancos apresenta a cruz maltesa de oito pontas. Uma decoração adicional à volta do pescoço representa o grau do cavaleiro na Ordem de Malta

Continue a ler esta notícia