Padarias francesas estão a lutar pela sobrevivência - TVI

Padarias francesas estão a lutar pela sobrevivência

  • CNN
  • Anna Cooban e Marie Barbier
  • 2 abr 2023, 12:30
Baguete

REPORTAGEM. Há dois anos, Amaté comprava manteiga por 6 euros o quilo. Agora custa-lhe 12 euros. Preços da farinha subiram três vezes num ano. Ovos, leite e nata estão também muito mais caros. E o pior é a energia. As padarias são fundamentais para o modo de vida francês. Agora estão a lutar para não fecharem

Em Millery, uma pequena cidade do sudeste da França, Élodie Chavret gere uma padaria para ganhar a vida para si e para as suas duas filhas. A jovem de 39 anos é também bombeiro em part-time mas, diz, não é este o trabalho que a assusta.

O seu medo? Não poder pagar a conta de eletricidade da padaria no final do mês.

A conta disparou de 900 euros em dezembro para 7.500 euros em janeiro, quando Chavret renovou o seu contrato. Com um subsídio governamental, a sua conta cairia para 4.500 euros por mês. Mas continua a ser um aumento “impossível de gerir”, diz ela.

A nova tarifa é “insuportável”, afirma Chavret à CNN, e consumirá todos os seus lucros, já espremidos pelo aumento dos custos da matéria-prima e da gasolina, e por salários mais elevados para os seus seis empregados.

Em novembro, a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, ou UNESCO, designou a baguette francesa como parte do “património cultural intangível”, devido aos conhecimentos específicos e técnicas necessárias para a sua produção, bem como ao papel central que desempenha na vida quotidiana francesa.

Mas, apesar do seu estatuto valorizado, muitas padarias estão a lutar com dificuldades - e algumas estão à beira do encerramento - à medida que os preços da energia e os custos dos seus ingredientes atingiram cumes.

“Tudo subiu”, explica Nicolas Amaté, que é proprietário de uma padaria no leste de França juntamente com a sua mulher, Nadège.

“Se isto continuar, vamos todos fechar”, desabafa à CNN.

Choques de preços

Os preços da produção industrial francesa - os preços que os fornecedores de bens e serviços domésticos cobram às empresas - aumentaram 13% em fevereiro face ao mesmo mês do ano anterior, após um aumento ainda maior em janeiro, de acordo com dados oficiais.

Os preços dos fatores de produção na indústria francesa, que abrange as padarias, também têm vindo a subir, embora a inflação tenha abrandado desde que atingiu um pico de 11 anos em abril do ano passado, de acordo com inquéritos PMI compilados pela S&P Global.

Há dois anos, Amaté comprava manteiga por 6 euros o quilo. Agora custa-lhe 12 euros. Os preços da farinha subiram três vezes num ano. Ovos, leite e nata estão também muito mais caros.

Mas é a inflação dos preços da energia que tem sido particularmente dolorosa para muitas empresas francesas, devido à rapidez dos aumentos de custos quando os contratos de eletricidade são renovados.

A invasão russa da Ucrânia fez aumentar os preços do gás natural europeu para níveis recorde no ano passado. Seguiram-se os preços da energia elétrica.

Os preços da energia também subiram em França devido ao encerramento de quase metade das suas centrais nucleares em 2022 para trabalhos de manutenção, o que cortou a fonte de até 70% do fornecimento de eletricidade do país.

Os preços da energia em França recuaram em relação ao nível recorde atingido em agosto, mas em março ainda são quase três vezes os níveis médios de pré-invasão, de acordo com dados da Bolsa Europeia de Energia.

E após um pico nos preços da energia em dezembro, para 465 euros por megawatt hora, as empresas que tiveram de renovar ou assinar novos contratos de energia no final do ano passado estão a aprender a lição.

O apoio governamental está disponível para os padeiros, mas muitos dizem que as medidas ficam aquém do que é necessário.

Um pagamento “amortecedor de choques” foi introduzido a 1 de janeiro para cobrir até 20% dos custos anuais de eletricidade de uma padaria, se esta empregar entre 10 e 250 pessoas.

As padarias com menos de 10 pessoas podem aceder a um “escudo tarifário” que limita o aumento da sua fatura anual de eletricidade a 15%. Algumas destas pequenas empresas são também elegíveis para um limite médio de 280 euros por megawatt-hora no seu contrato anual de eletricidade.

Thierry Maillard, proprietário de uma padaria a noroeste de Paris juntamente com a sua mulher Catherine, salienta que uma redução de 20% do “amortecedor de choques” não teria sido suficiente para cobrir o aumento de 500% dos custos de eletricidade que enfrentava.

Maillard está a tentar negociar um contrato com um fornecedor diferente, embora ainda espere que os seus custos de eletricidade quase dupliquem.

Frédéric Roy, um padeiro em Nice, tomou medidas mais drásticas. Em outubro, ele cofundou um grupo de campanha para padeiros no Facebook, que conta agora com 2.100 membros. Realizaram o seu primeiro protesto de rua em Paris, em janeiro, exigindo aumentos para o subsídio de 20% da fatura, e que o “escudo tarifário” cubra mais padarias.

Aumentar os seus próprios preços é outra forma de os padeiros lidarem com custos em espiral, e é uma das medidas recomendadas por Dominique Anract, presidente da Confederação Nacional das Padarias Francesas, que representa as 33 mil padarias artesanais do país.

“Se [os padeiros] tiverem seguido a nossa orientação sobre moderação energética, se tiverem aumentado os seus preços, e utilizarem a ajuda [do governo], as padarias não estão ameaçadas”, diz Anract.

Mas acompanhar os preços é mais fácil de dizer do que de fazer, afirmam os padeiros à CNN.

Olhe-se para a padaria de Chavret: no ano passado, ela vendeu baguetes por 1,05 euros cada. Agora ela cobra 1,20 euros, um aumento de 14%.

Ela teria de aumentar os preços de muitos dos seus produtos para obter qualquer lucro. O preço de uma baguete clássica teria aproximadamente de triplicar.

“Deixem-me dizer-vos que os franceses não estão preparados para pagar 3 euros por baguete”, garante Chavret.

O colega padeiro Maillard faz o mesmo comentário. Ele subiu o preço das suas baguetes duas vezes no ano passado, de 1,10 para 1,30 euros.

Mas os aumentos de preços têm até agora ajudado a cobrir apenas os custos mais elevados de matérias-primas, como ovos e manteiga, diz ele, e aumentar ainda mais os preços não é viável, uma vez que os clientes sairiam pela porta.

Quanto à poupança de energia, Chavret e o seu pessoal estão constantemente a apagar as luzes e a manter o aquecimento desligado, a menos que esteja amargamente frio, mas as contas da padaria ainda são, de longe, as mais altas de sempre.

Situação muito crítica

Nos últimos meses, milhares de padeiros franceses juntaram-se a grupos de campanha online que pressionam por mais apoio governamental - como o cofundado por Roy em Nice - e alguns tomaram posição em protestos de rua.

Foi a "situação muito, muito crítica" com os custos energéticos que levou Roy a agir, explica ele à CNN.

"Há 35 anos que estou neste negócio. Nunca tive uma situação como esta. Nunca fui a uma manifestação na minha vida", disse Roy.

"Muitos dos meus colegas padeiros tiveram de despedir pessoal porque não podem pagar tudo", acrescentou, observando que algumas padarias "fecharam de forma permanente".

Na sobrevivência dos seus negócios, é mais do que a subsistência dos padeiros que está em jogo.

As padarias francesas são o sangue vital de muitas das suas cidades e aldeias, servindo como espaços públicos raros onde os vizinhos se cruzam regularmente. A conversa incidental que muitas vezes vem com ela mantém as pessoas ligadas, disse Chavret.

“Se as padarias fechassem, perderíamos esse lado humano, esse lado da comunicação, da ajuda mútua”, disse Chavret. “Não é nos grandes centros-comerciais que as pessoas tiram tempo para falar”.

Maillard lança um aviso de alerta.

“Numa aldeia ou num bairro, se a padaria desaparecer, os outros negócios à volta desaparecerão... [Seria] a morte de aldeias e certos bairros”, considera.

"A padaria é a vida do bairro, é a vida da aldeia".

Continue a ler esta notícia