Morreu o Papa emérito Bento XVI este sábado, aos 95 anos. A notícia foi já confirmada pelo Vaticano. Joseph Ratzinger encontrava-se, há vários dias, em estado grave.

“É com pesar que informo que o Papa emérito, Bento XVI, faleceu hoje às 9:34 no mosteiro Mater Ecclesiae, no Vaticano”, informou o porta-voz do Vaticano.

O  Vaticano já informou que os restos mortais de Joseph Ratzinger estarão em câmara ardente na Basílica de São Pedro na próxima segunda-feira.

Já o funeral terá lugar no dia 5 de janeiro, às 09:30, na hora de Roma, na Praça de São Pedro. Será o Papa Francisco a realizar as cerimónias.

Joseph Ratzinger nasceu em 1927 e foi Papa entre 2005 e 2013, quando abdicou e passou a ser emérito da diocese de Roma.

No seu processo de escolha foram necessárias quatro votações até atingir fumo branco, elegendo o cardeal Ratzinger como o novo Papa. Na altura, definiu-se como um “simples trabalhador na vinha do senhor”

Enquanto desempenhou funções, foram muitas as polémicas em que se viu envolvido, do passado na Juventude Hitleriana às posições contra o aborto ou direitos dos homossexuais. Fechou, por várias vezes, os olhos a abusos sexuais no seio da Igreja.

Bento XVI foi um Papa viajado, com 26 viagens, incluindo a Portugal.

Ao longo da última semana, a imprensa foi dando conta de um estado de saúde muito grave, antecipando que estava a ser feito o possível para travar a morte.

Bento XVI esteve acompanhado pelo seu secretário pessoal, Georg Ganswein, e quatro leigas, sem nenhum tipo de voto ou hábito, chamadas Memores Domini de Comunhão e Libertação, que o assistiam nas suas atividades diárias.

Na quarta-feira, o Papa Francisco anunciou que o seu antecessor estava “gravemente doente” e pediu aos fiéis que rezassem por Bento XVI.

Joseph Ratzinger aparecia cada vez mais frágil nos últimos meses, movendo-se em cadeira de rodas, mas continuando a receber visitas. As últimas fotografias, de 1 de dezembro, mostravam um homem frágil e visivelmente debilitado.

O pontificado de oito anos (2005-2013) de Bento XVI foi marcado por múltiplas crises. E, no início de 2022, acabou por ser marcado pelo drama da pedofilia na Igreja, ao ser revelado que o então Papa ignorou casos de abusos sexuais de menores.

Bento XVI abdicou em 2013, e passou a ser emérito da diocese de Roma. O antecessor de Francisco foi o primeiro Papa a renunciar em 600 anos, depois de Gregório XII em 1415.

Vivia há cerca de 10 anos no mosteiro Mater Ecclesiae, no Vaticano. Na sua decisão, Bento XVI citou o declínio da sua saúde física e mental, que terá piorado em 2020, devido a uma infeção no rosto.

Wilson Ledo