Papa pede que seja ouvido o “grito de dor” dos mais carenciados e pobres - TVI

Papa pede que seja ouvido o “grito de dor” dos mais carenciados e pobres

  • Agência Lusa
  • PP
  • 19 nov 2023, 12:00
Papa Francisco (AP)

Durante a missa na Basílica de São Pedro, por ocasião do VII Dia Mundial dos Pobres, o Papa Francisco fez uma reflexão sobre a pobreza no mundo

O Papa Francisco considerou hoje que “a pobreza é um escândalo” e pediu que seja ouvido “o grito de dor dos mais carenciados, sufocados pela indiferença geral de uma sociedade ocupada e distraída”.

Durante a missa na Basílica de São Pedro, por ocasião do VII Dia Mundial dos Pobres, o Papa Francisco fez uma reflexão sobre a pobreza no mundo.

“Pensemos em tanta pobreza material, cultural e espiritual no nosso mundo, nas vidas feridas que habitam as nossas cidades, nos pobres que se tornaram invisíveis, cujo grito de dor é abafado pela indiferença geral de uma população ocupada e distraída”, disse o pontífice.

Hoje está previsto que Francisco almoce, no Vaticano, com um grupo de 1.200 pessoas sem-abrigo, pessoas com deficiência e refugiados.

Muitos dos convidados de Francisco para o almoço estiveram esta manhã presentes na missa que foi conduzida pelo Papa, juntamente com 26 cardeais, 12 bispos e 150 padres.

Na homilia, que proferiu sentado devido às dores no joelho, o Papa recorreu à “parábola dos talentos” para explicar a importância de cada um de nós, segundo as nossas capacidades e possibilidades, ajudar os menos favorecidos.

“A parábola conta-nos que os dois primeiros servos multiplicaram o dom recebido, o amor do Senhor, enquanto o terceiro, em vez de confiar no seu senhor, teve medo dele e ficou como que paralisado, acabando por enterrar o talento. Podemos multiplicar o que recebemos, fazendo da nossa vida uma oferta de amor pelos outros. Ou, pelo contrário, podemos viver bloqueados pelo medo, escondendo no subsolo o tesouro que recebemos, pensando apenas em nós mesmos, sem nos comprometermos”, disse.

E continuou: “Neste Dia Mundial dos Pobres, a parábola dos talentos serve-nos de alerta para verificarmos com que espírito enfrentamos o caminho da vida. Recebemos do Senhor o dom do seu amor e somos chamados a ser um presente para os outros”.

Está previsto que o almoço, organizado pelo Dicastério para o Serviço da Caridade e oferecido este ano pelos Hotéis Hilton, aconteça após a oração do Angelus.

O Dia Mundial dos Pobres é celebrado por iniciativa de Francisco “para exortar a Igreja a ‘sair’ dos seus muros e a encontrar a pobreza nos múltiplos significados em que ela se manifesta no mundo de hoje”, segundo o Vaticano, que durante esta semana organizou diversas iniciativas para ajudar os mais carenciados.

Continue a ler esta notícia