Câmara quer mais parques de estacionamento para tirar os carros de Lisboa - TVI

Câmara quer mais parques de estacionamento para tirar os carros de Lisboa

  • Agência Lusa
  • SM
  • 14 nov, 16:27
Parquímetro (Foto: AWAY/ DR)

Está prevista a inauguração de mais dois parques de estacionamento dissuasores em Lisboa, já no próximo ano.

A Câmara Municipal de Lisboa (CML) prevê inaugurar em 2024 mais dois parques de estacionamento dissuasores, na Pontinha e no Lumiar, onde os não-residentes poderão deixar as viaturas e usar os transportes públicos para circularem pela cidade.

O Parque da Pontinha Sul (387 lugares) e o da Azinhaga da Cidade (165 lugares) deverão ser incluídos num novo projeto da CML que o vice-presidente da autarquia, Filipe Anacoreta Correia, considerou “muito marcante em termos de políticas de mobilidade” e que será lançado no próximo ano.

“Chamemos-lhe os ‘parques navegante’: são um conjunto de parques que visam abranger quase 2.000 lugares de estacionamento. Nós, no fundo, estamos a permitir que as pessoas que tenham o passe Navegante possam parar o carro nesses parques e depois movimentar-se na cidade com os passes, portanto, usando os transportes públicos”, disse.

Além dos dois parques que a autarquia espera inaugurar no próximo ano, serão afetos a este sistema os parques da Ameixoeira (489 lugares), Telheiras Poente (155 lugares), Telheiras Nascente (106 lugares), Avenida de Pádua (248 lugares) e Colégio Militar (415 lugares), num total previsto de 1.965 lugares.

“Estamos a falar de um conjunto de parques muito relevante em várias zonas da cidade e que têm ao seu alcance transportes públicos. Portanto, o objetivo é precisamente que, com o passe Navegante, cada vez mais nós tenhamos acesso a soluções de intermodalidade e de soluções integradas de mobilidade, promovendo o uso dos transportes públicos”, afirmou.

A Câmara de Lisboa apresentou hoje um orçamento de 1,3 mil milhões de euros para 2024, “bastante alinhado” com o deste ano (1,3 mil milhões), apesar de o saldo de gerência ser “bastante inferior”, anunciou o vice-presidente da autarquia.

“É um orçamento que, em termos de dimensão, está bastante alinhado com a dimensão do do ano passado”, afirmou Filipe Anacoreta Correia (CDS-PP) na apresentação da proposta de orçamento municipal de Lisboa para 2024.

Atualmente, o executivo da Câmara de Lisboa, que é composto por 17 membros, integra sete eleitos da coligação “Novos Tempos” (PSD/CDS-PP/MPT/PPM/Aliança) – que são os únicos com pelouros atribuídos e que governam sem maioria absoluta –, três do PS, dois do PCP, três do Cidadãos Por Lisboa (eleitos pela coligação PS/Livre), um do Livre e um do BE.

Continue a ler esta notícia