Aconteceu há 50 anos. Rapariga ia a caminho de acampamento bíblico e desapareceu. Agora, antigo pastor com 83 anos foi acusado de a matar - TVI

Aconteceu há 50 anos. Rapariga ia a caminho de acampamento bíblico e desapareceu. Agora, antigo pastor com 83 anos foi acusado de a matar

  • CNN Portugal
  • Por Danny Freeman
  • 26 jul 2023, 18:00
Gretchen Harrington (CNN)

Um antigo pastor de 83 anos foi acusado do rapto e assassinato da filha de um pastor vizinho, em 1975, anunciaram as autoridades da Pensilvânia na segunda-feira. O suspeito, David Zandstra, foi detido a 17 de julho no condado de Cobb, na Geórgia, onde os investigadores dizem que confessou ter assassinado Gretchen Harrington, de 8 anos, há quase cinco décadas, quando era pastor em Marple Township, na Pensilvânia.

A confissão foi feita depois de os investigadores lhe terem apresentado novas provas recolhidas no início do ano, resultantes de uma entrevista com uma informadora confidencial e de um diário que esta escreveu em 1975, quando tinha 10 anos, de acordo com um comunicado do gabinete do procurador distrital do condado de Delaware, na Pensilvânia.

Zandstra foi acusada de homicídio, rapto de um menor e posse de arma de crime, segundo o comunicado.

"A justiça demorou muito tempo a chegar, mas estamos orgulhosos e gratos por podermos finalmente dar uma resposta à comunidade", afirmou o procurador do distrito de Delaware, Jack Stollsteimer.

Este caso tem "assombrado" os membros da polícia e a pequena área de Marple Township desde que Gretchen desapareceu, disse Stollsteimer. A rapariga foi vista pela última vez a caminho do acampamento bíblico de verão a 15 de agosto de 1975, segundo o comunicado.

O acampamento foi organizado pela Trinity Church Chapel Christian Reform Church - onde Zandstra era pastor - e pela Reformed Presbyterian Church - onde o pai de Gretchen era pastor, diz o comunicado. O pai de Gretchen ficou preocupado quando ela não apareceu na sua igreja e foi Zandstra quem depois chamou a polícia para denunciar o desaparecimento de Gretchen.

Os investigadores notaram que havia imprecisões nas primeiras declarações de Zandstra e tinham dúvidas sobre como o pastor sabia tanto sobre o que Gretchen estava a usar naquele dia, apesar de ela nunca ter chegado ao acampamento.

Na altura, segundo a queixa, Zandstra negou saber qualquer coisa sobre o desaparecimento.

Dois meses depois, os restos mortais de Gretchen foram encontrados no Ridley Creek State Park, nas proximidades. A causa da morte foi homicídio, e o médico legista disse que Gretchen sofreu "dois ou mais impactos contundentes no crânio", de acordo com os documentos do tribunal.

O caso ficou adormecido durante quase cinco décadas. Por fim, uma entrevista com uma mulher que era amiga da filha do suspeito na década de 1970 - e as suas anotações no diário dessa altura - levaram a uma descoberta fundamental do caso.

Diário com décadas de existência lança nova luz sobre o caso

David Zandstra foi detido na semana passada e acusado de estar relacionado com a morte de Gretchen, segundo as autoridades. (Delaware County District Attorney's Office)

Só em janeiro deste ano é que a polícia do estado da Pensilvânia obteve novas provas através da informadora confidencial, que tinha sido a melhor amiga de uma das filhas de Zandstra na década de 1970 e que dormia em casa dele, segundo a Procuradoria-Geral.

A mulher mostrou à polícia um diário que manteve em 1975, no qual escreveu que o então pastor lhe "tocou na zona da virilha" em duas ocasiões, quando ela estava a dormir em casa dele, segundo a queixa. A informadora disse aos investigadores que, quando contou o sucedido à filha de Zandstra, esta respondeu que o pai "às vezes fazia isso", refere o comunicado.

O diário da informadora também continha uma entrada sobre um incidente separado, que ela disse ser uma tentativa de sequestro.

"Adivinha o quê? Um homem tentou raptar a Holly duas vezes! É segredo, por isso não posso contar a ninguém, mas acho que pode ter sido ele a raptar a Gretchen", lê-se na entrada do diário de setembro de 1975, de acordo com a queixa criminal. "Acho que foi o Sr. Z."

Os investigadores descobriram que o antigo pastor vivia agora em Marietta, na Geórgia, e confrontaram-no com as novas provas no mês passado, segundo o comunicado.

Zandstra admitiu ter oferecido boleia a Gretchen para o campo de férias na manhã do seu desaparecimento, segundo a queixa. Disse aos agentes que levou a criança para uma zona arborizada e que lhe disse para se despir. Quando ela se recusou, confessou que a atingiu na cabeça e a deixou a sangrar, acreditando que ela estava morta, segundo a queixa.

A polícia recolheu uma amostra de ADN de Zandstra para que possa ser comparada com o ADN recolhido no local do crime, bem como com casos em aberto no Estado e no país, informou o gabinete do procurador distrital.

"O rapto e assassinato de Gretchen alterou para sempre a nossa família e sentimos a sua falta todos os dias", disse a família Harrington numa declaração fornecida pela polícia.

"Estamos gratos pela contínua procura de justiça por parte das forças da ordem e queremos agradecer à polícia do Estado da Pensilvânia por nunca parar na sua constante procura de respostas."

Zandstra deixou a Pensilvânia após o desaparecimento de Gretchen e viveu em Plano, Texas, e Marietta, Geórgia.

A polícia estadual da Pensilvânia está agora a pedir às pessoas dessas comunidades que possam ter informações relevantes sobre Zandstra que as contactem.

A CNN contactou o advogado de Zandstra mencionado nos documentos do tribunal, mas não obteve resposta.

Continue a ler esta notícia